Yamandú Costa, Zé Renato

Mané Fogueteiro


Mané Fogueteiro 
Era o deus 
Das crianças
Da vila distantes 
De Três Corações
Em dias de festa 
Fazia rodinhas
Soltava foguetes 
Soltava balões

Mané Fogueteiro 
Gostava da Rosa
Cabocla mais linda 
Esse mundo não tem
Mas o pior 
É que o Zé Boticário
Gostava um bocado 
Da Rosa também

E um dia encntraram 
Mané Fogueteiro
De olhos vidrados
De bruços no chão
Um tiro certeiro 
Varara-lhe o peito
De volta da festa 
Do Juca Romão

E como os que morrem 
De tiro
Conservam a última cena 
Nos olhos sem luz
Um claro foguete 
De lágrimas frias
Alguém viu brilhar 
Nos seu olhos azuis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>