Categorias
O Rappa

Catequeses do Medo

Catequese do medo
Num buraco negro
No fim do terceiro mundo
Um sorriso assustado
Uma mãe desesperada
Um pai mal pago, operário e mudo

Reuniões oficiais escurecendo outras salas
Onde a tortura faz filho
Na pele de um jovem afro-brasileiro
Na pele de um jovem fudido e sem dinheiro
Por isso…

Podem falar o que for
Que eu sei que não sou culpado
Podem falar o que for
Que eu sei que não sou, sei que não sou

A fome é um esperma
Por entre as pernas da violência
E o egoísmo que excitou
As diferenças em que merece
Um aborto imediato

Um apartheid econômico
Contamina, machuca
E não nos deixa gritar

Quando o carro preto passa
Quando o carro preto passa
Por isso

Podem falar o que for
Que eu sei que não sou culpado
Podem falar o que for
Que eu sei que não sou
Sei que não sou

2 respostas em “Catequeses do Medo”

Compreende-se como uma narração de como se dá a multiplicação da violencia. Usa figuras de linguagem para explicar como a violencia tem suas “crias”, somada À tortura a jovens, supostamente pela policia, para que confessem um “crime” que não cometeram.

Trata da violência urbana e o negro nesse contexto. A desigualdade social como a principal causa da mazela. Cita apartheid econômico, fome e operariado. Portanto, “podem falar o que for, que eu sei que (eu, o negro, pobre) não sou o culpado”.
Uma música retrato do Rappa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *