Categorias
O Rappa

O Que Sobrou do Céu

O, la lá, o la lá, ê ah
O, la lá, o la lá, ê ê

O, la lá, o la lá, ê ê ah
O, la lá, o la lá, ê ê

Faltou luz mas era dia, o sol invadiu a sala
Fez da TV um espelho refletindo o que a gente esquecia

Faltou luz mas era dia… di-ia
Faltou luz mas era dia, dia, dia

O som das crianças brincando nas ruas
Como se fosse um quintal
A cerveja gelada na esquina
Como se espantasse o mal

O chá pra curar esta azia
Um bom chá pra curar esta azia
Todas as ciências de baixa tecnologia
Todas as cores escondidas nas nuvens da rotina

Pra gente ver… por entre prédios e nós…
Pra gente ver… o que sobrou do céu… o la lá

30 respostas em “O Que Sobrou do Céu”

Oque eu entendi da música é que para nós nos lembrarmos das coisas que acontece no mundo,é preciso nos desligarmòs,um pouco das coisas que a midia aferece;E nos ligarmos mais no que esta acontecendo a nossa volta.Nós também podemos ter essa mesma visão vendo o mito da caverna porque,no mito da caverna as pessoas estão presas dentro da caverna ea unica visão que elas tem sobre oque é o mundo real são as sombras que elas veem na parede ,ea a mesma coisa acontece com gente mas as sombras que nós vemos
são as coisas que a midia oferece para que nós venha a ficar ocupados e nos ficando ocupados não podemos enxergarmos o mundo real.

Cada um pode ter a sua concepção diferente a minha foi essa:
Faltou luz mas era dia, o sol invadiu a sala
Fez da TV um espelho refletindo o que a gente esquecia~> quando um espelho reflete significa que nós estamos olhando para ele então o Sol do mundo de lá de fora invadiu a sala refletindo na tv que o eu-lírio estava vidrado fazendo ele lembrar que existe mundo lá fora ~> O som das crianças brincando nas ruas
Como se fosse um quintal
A cerveja gelada na esquina
Como se espantasse o mal…

Todas as cores escondidas nas nuvens da rotina~> as cores escondidas é a própria tv o que se torna uma rotina para as pessoas alienadas fazendo ela não ver direito o que está em volta (nuvens)

6
2

Acho que essa canção trata da urbanização descontrolada. Temos cada vez mais luxuosos prédios em contradição com a favelização que assola os mais pobres dos grandes centros. “uma chá pra curar essa asia” é um back gente( chá, bagulho, fumo, baseado).

Faltou luz (energia elétrica) e como era dia a TV refletiu o sol fazendo lembrar as coisas simples que a midia nos força a deixar de lado: o som das crianças, a cerveja… Penso ser uma crítica ao nosso hábito de ver TV em excesso.

É o que o Enderson disse.

“Faltou luz mas era dia, o sol invadiu a sala
Fez da TV um espelho refletindo o que a gente esquecia”

Quando acaba a luz, e a TV desliga, se for de dia, ela reflete, nesse caso reflete as coisas que todos deixam de fazer por passar horas na frente da TV.

“O som das crianças brincando nas ruas
Como se fosse um quintal
A cerveja gelada na esquina
Como se espantasse o mal”

São as coisas que são esquecidas por nós, enquanto estamos na frente da TV ou outra coisa do tipo.

“O chá pra curar esta azia
Um bom chá pra curar esta azia
Todas as ciências de baixa tecnologia
Todas as cores escondidas nas nuvens da rotina

Pra gente ver… por entre prédios e nós…
Pra gente ver… o que sobrou do céu… o la lá”

O chá para cara curar essa azia é deixar se envolver menos horas do dia com a TV, pra gente ver as coisas do mundo com nossos próprios olhos, pra gente ver enfim o que sobrou do céu.

“Faltou luz mas era dia, o sol invadiu a sala
Fez da TV um espelho refletindo o que a gente esquecia”
Quando acaba a luz, e a TV desliga, se for de dia, ela reflete, nesse caso reflete as coisas que todos deixam de fazer por passar horas na frente da TV,e o que deixamos de lado para ver o que acreditamos estar correto.
“O som das crianças brincando nas ruas
Como se fosse um quintal
A cerveja gelada na esquina
Como se espantasse o mal”
São as coisas que são esquecidas por nós passamos tanto tempo vendo coisas insignificantes e achamos elas totalmente correta e esquecemos do que é realmente prazeroso.
“O chá pra curar esta azia
Um bom chá pra curar esta azia
Todas as ciências de baixa tecnologia
Todas as cores escondidas nas nuvens da rotina
Pra gente ver… por entre prédios e nós…
Pra gente ver… o que sobrou do céu… o la lá”
O chá para cara curar essa azia é deixar os vícios de uma vida seguida apenas pelas regras humanas, vivendo a nuvem de uma rotina e esquecer do que é realmente importante ver as, pra gente ver enfim o que sobrou do céu é ver a liberdade que deixamos passar envolvidos num mundo que nos prende pela tecnologia e deixamos de curtir a vida.

ta ai XD

Quando faltou a luz as pessoas puderam ver com seus próprios olhos a vida e não com os olhos da Globo, SBT…Essa música é uma crítica à TV, que manipulam mentes e corações! Concordo com a letra dessa música. A TV só prega a competição entre as pessoas, o lucro, o supérfulo. Ela é um instrumento dos capitalistas para consumirmos mais e nos tornar menos humanos. Essa música combina bem com “Ouro de Tolo”de Raul Seixas.

A letra trata realmente de todas as coisas que deixamos pra trás. Mas não é relativo somente a TV e a alienação causada por ela. A TV é só uma figura usada pra ilustrar a questão.
Pra mim, o ponto maior é a prisão em que as pessoas se encarceram graças à rotina diária, tanto de trabalho, estudo ou o que quer que seja, que as impede de ver o mundo.
O título chega a ser absurdo de tão genial “O que sobrou do céu”.

“Pra gente ver… por entre prédios e nós…
Pra gente ver… o que sobrou do céu… o la lá”

Chega a pular pra fora da imaginação essa ilustração presente neste trecho. Me imagino em uma rua de uma grande cidade, olhando pra cima e vendo só um pedaço pequeno do céu emoldurado pelos prédios gigantescos.

É uma critica ao trabalhar por trabalhar, crescer por crescer, alimentar um ciclo, ai sim, alienado esquecendo de todo o resto.

Ainda sobre a televisão …

“Faltou luz mas era dia, o sol invadiu a sala
Fez da TV um espelho refletindo o que a gente esquecia”

Se imaginem sentados na frente da televisão e atrás de vocês a janela da rua. De repente a energia acaba, a luz entra pela janela e tu enxerga,refletido na tela, tudo que há na rua, aquilo que tu tinha esquecido por causa da tua vida corrida, ou mesmo por causa da própria televisão …

Não lembro de nenhuma música que me faça imaginar tão claramente uma cena, como esta.

É genial, sem palavras

MESTRE YUKA!!!

A cerveja gelada na esquina
Como se espantasse o mal, Um chá pra curar esta azia
Um bom chá pra curar esta azia.

O CHÁ É A CERVEJA GELADA E A AZIA SÃO OS PROBLEMAS OU SEJA, ESSA FRASE QUER DIZER “UMA CERVAJA PRA ESQUECER OS PROBLEMAS, UMA BOA CERVEJA PRA ESQUECER OS PROBLEMAS!!”

“A cerveja gelada na esquina
Como se espantasse o mal, Um chá pra curar esta azia
Um bom chá pra curar esta azia.
O CHÁ É A CERVEJA GELADA E A AZIA SÃO OS PROBLEMAS OU SEJA, ESSA FRASE QUER DIZER “UMA CERVAJA PRA ESQUECER OS PROBLEMAS, UMA BOA CERVEJA PRA ESQUECER OS PROBLEMAS!!””

O chá meu jovem… o chá é a maconha.

Em tal trecho, No caso o termo ” Um Chá” o eu lírico faz alusão a Cannabis ( maconha ) e a azia sao os problemas a sua volta .

Na minha opinião, a música faz uma critica a sociedade atual, onde o ser humano tornou-se inteiramente dependente dos recursos tecnológicos. Assim, somente quando faltou a luz elétrica, é que ele pode enxergar a sua própria vida e encontrar o que sobrou do céu. No meu blog eu fiz uma analise mais complexa, quem quiser é só me fazer uma visitinha. Acessem: http://mundovastomundoo.blogspot.com.br/

Muito interessante os comentários, quero acrescentar que quando ele fala de vê na Tv o reflexo do que agente esquecia, está a falar também de nossas próprias vidas,afinal quando desliga-se a televisão reflete-se nossa imagem na tela. isso é claro no restante da música, quando critica as pessoas que bebem por achar que a bebida irá afastar os males da vida, mas que esquecem que isso muitas vezes só piora o problema e que você está esquecendo de viver a vida e aproveitar as boas coisas que ela tem pra oferecer. fala-se também de toda modernidade, dos grandes edifícios e monumentos e o esquecimento do homem pela Natureza (o que sobrou do céu) afinal o que vale hoje em dia é o poder e a ganância, além da “sensação de comodidade” que se tem ao procurar modernizar tudo e diminuir o trabalho físico do homem. tudo isso é claro por exemplo nestas reuniões que se fazem pra diminuir a poluição no planeta e cuidar melhor do nosso planeta, porém a ganância fala mais alta e nunca chega-se em um acordo!

“Faltou luz mas era dia… “me remete ao Iluminismo um movimento no séc XIX que entre tantaa mudanças quis trazer luz (conhecimento)… as pessoas deixaram de viver no escuro … acredito que posso trazer a interpretação: nos temos o conhecimento mas vivemos interrados.. vivemos como alienados.. falta luz mas é dia.. o ser humano quanto mais conhece do mundo desconhece de si… =(

Em relação a primeira estrofe
Faltou luz mas era dia, o sol invadiu a sala
Fez da TV um espelho refletindo o que a gente esquecia.

Ele que dizer sobre as pessoas assistirem a novela ver que tudo é perfeito.
Mas quando desliguem a televisão vê sua vida refletida lembra dos problemas e dificuldades da vida.

O chá pra curar esta azia
Um bom chá pra curar esta azia
já nesta estrofe quer dizer
fumar maconha para esquecer os problemas.

Para mim a música retrata a realidade vivida nas favelas.

Faltou luz mas era dia, o sol invadiu a sala, fez da tv o espelho refletido que a gente esquecia ->
Creio que a falta de luZ durante o dia representa a estagnação de mudanças, nao faz diferença, nunca muda.

A tv -> o espelho da sociedade violenta, assalto, morte, sangue.

O som das crianças -> a rua como moradia das crianças.

A cerveja -> o alcoolismo, as drogas, os “únicos” meios de distração que existentes.

O chá -> mostrando a ausência da saúde pública tendo que recorrer a métodos alternativos.

As cores escondidas nas nuvens -> o meio (favela) os impede de ver a alegria representada pelo colorido.

Por entre os predios -> luxuosos apartamentos, vista pro mar “tudo de bom” o paraíso, céu. A favela o resto, o que sobrou.

Compreendo isso. Não concordo com as análises que indicam que temos que olhar para nós e esquecer-mos os aparatos tecnológicos. Na análise tem que ser considerado o videoclipe da música, que para mim em nenhum momento induz a uma concepção “romântica” da música.

A música “homem na estrada – racionais mcs” se assemelha à esta.

Em um dia em que a luz elétrica foi cortada, as pessoas resolveram fazer as coisas que há muito não se importavam.
Durante o dia, perceberam então, que a luz solar entrou pelas frestas das janelas, refletiu no espelho, atravessou o vidro da janela e embora estivesse ali todos os dias, a luz do sol foi notada como nunca. (Fez da tv um espelho- tv desligada pela falta de energia, as pessoas estão viram o brilho do sol no vidro- refletindo o que a gente esquecia- esquecia o mundo de oxigênio e nuvens tóxicas)
As crianças como não tinham mais tv para assistir, resolveram brincar na rua
Os pais de família, foram até o bar de esquina para comprar cerveja antes que ela esquente.
As senhoras resolveram fazer um chá no fogão a gás
Todas as “ciências” de baixa tecnologia, ou seja, tudo que não necessitava de eletricidade- brincar na rua (e não no video-game), tomar cerveja na esquina( e não assistir ao domingão)- um chá no fogão ligado no esqueiro)
Perceberam então, que no firmamento, o azul do céu, o branco das nuvens, o preto da do dióxido de carbono, o sol e suas cores.
Os grandes arranha-céus da metrópole, ofuscaram a visão do céu, olhamos direto para a fachada dos grandes edifícios contemplando o arrojo da arquitetura urbana.
Pra gente ver o que sobrou do sol…. parte do céu ficou visível, outra parte tampada
pela geometria dos edifícios.
__________________________________________________________________

basta ver o clipe da musica para entender…ele fala da vida nos lugares de baixa renda(favela). e retratada exatamente como é a vida la em diversas situacoes abss

A letra da música fala sobre o cotidiano do povo que vive na miséria, limitado e que sofre todos os dias, mas tenta apesar de tudo ser feliz, mesmo que seja snestesiando a mente pra suportar as adversidades da vida. Numa linguagem simbólica o que sobrou do céu é o inferno, são zonas de pobreza, miséria e escuridão, por isso a luz falta de dia, ou seja, nem de dia existe luz nos caminhos de quem vive essa rotina sofredora, e fazendo um paralelo com as imagens do clipe, o governante pode ver de perto essa realidade e presenciou também como as pessoas acabam sendo envolvidas em crimes mesmo sem ter culpa, ao contrário dele que opta em ser corrupto. Enfim, um belo clipe!

“Faltou luz mas era dia
O sol invadiu a sala
Fez da TV um espelho
Refletindo o que a gente esquecia”

O EU LIRICO NARRADOR OBSERVADOR ENFATIZA A FALTA DE LUZ FEZ UM APARELHO DE TV DESLIGADO SE TRANSFORMA EM UM ESPELHO, A CONSTATAÇÃO DE QUE NAO HA FUGA DE SI E DA CONSEQUENCIA DE UM MUNDO TEMPORARIENTE SEM ENERGIA, OU O MAIS ÓBVIO, TUDO ISSO E NOS MESMOS NO ESPELHO É O QUE ESQUECIAMOS.

“O som das crianças brincando nas ruas
Como se fosse um quintal
A cerveja gelada na esquina
Como se espantasse o mal”

ESSAS AINDA PARECEM SER AS COISAS QUE ESQUECIAMOS, EMENDANDO METAFORAS, A ROTINA DAS CRIANCAS E DA CERVEJA DA ESQUINA É O QUE SE VÊ DE DENTRO DE UM CONDOMINIO SEM LUZ. MUITO ALUDIDO PELO LETRISTA ” AS grades do condomínio são pra trazer proteção” EM OUTRAS LETRAS, A CONSTATACAO DA AUSENCIA DE DISTRACAO, DO TÉDIO, DO CAOS MOMENTANEO DA AUSÊNCIA DE ENERGIA E DO CONFLITO DISSO COM O UNIVERSO EM VOLTA.

“Um chá pra curar esta azia
Um bom chá pra curar esta azia
Todas as ciências
De baixa tecnologia
Todas as cores escondidas
Nas nuvens da rotina”

MEDIANTE O SOFRIMENTO DO EU SOMENTE A CANABIS SATIVA PODERIA SER O CHÁ COM SEU PODER ANTIEMETICO CURAR AQUELA AZIA, NAUSEA EXISTENCIAL,SOCIAL, E ENFRENTAMENTO DA FOBIA SOCIAL E TEDIO DO EU LIRICO, TODAS AS CIENCIAS DE TECNOGIA BAIXA REMEDIOS E MEDICINA FALIDA DO TERCEIRO MUNDO, E A IRONIA DAS CORES DA ROTINA…

“Pra gente ver
Por entre os prédios e nós
Pra gente ver
O que sobrou do céu”

… PARA PODERMOS ENCHERGAR POR ENTRE OS PREDIOS E ATRAVES DE NOS SEGUNDO ELE A FORMA DE VER O QUE RESTOU DO PARAÍSO, IRONIA TEOLÓGICA, OU PODE SER ENTENDIDO DE OUTRA FORMA POR SER SUBJETIVO DEMAIS, O AUTOR NAO PARECE SE PREOCUPAR EM ESECIFICAR A QUE CÉU SE REFERE, OU EM QUAL SENTIDO QUER USAR A PALAVRA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *