A Palo Seco

Belchior

1 comentários

Se você vier me perguntar por onde andei
No tempo em que você sonhava
De olhos abertos, lhe direi
Amigo, eu me desesperava

Sei que assim falando pensas
Que esse desespero é moda em 76
Mas ando mesmo descontente
Desesperadamente, eu grito em português
Mas ando mesmo descontente
Desesperadamente, eu grito em português

Tenho vinte e cinco anos
De sonho e de sangue
E de América do Sul
Por força deste destino
Um tango argentino
Me vai bem melhor que um blues

Sei que assim falando pensas
Que esse desespero é moda em 76
E eu quero é que esse canto torto
Feito faca, corte a carne de vocês
E eu quero é que esse canto torto
Feito faca, corte a carne de vocês

Tenho vinte e cinco anos
De sonho e de sangue
E de América do Sul
Por força deste destino
Um tango argentino
Me vai bem melhor que um blues

Sei que assim falando, pensas
Que esse desespero é moda em 76
E eu quero é que esse canto torto
Feito faca, corte a carne de vocês
E eu quero é que esse canto torto
Feito faca, corte a carne de vocês




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um comentário para a letra “A Palo Seco

  1. Jhonatan Costa disse:

    Em ” A Palo Seco” , Bel trata sobre os desprazeres, a opressão e o enquadramento em que um país em plena ditadura impõe um jovem cheio de sonhos de paz, harmonia, união e amor entre seus semelhantes. O nome remete ao cantar ” seco”, ao canto sem nenhum tipo de máscara ou censura. Remete ao canto do oprimido, transmitindo ao seu opressor que o mesmo está vivo, pelejando e deseja que o ” canto torto “, aquele canto que não é pra soar bonito, nem que agrade o senso comum, que passe uma mensagem de resistência.