Mulamba

Vila Vintém

Cara para com isso
É o meu trabalho, o meu ofício
Minha senhora, minha guarita
O meu salário, minha marmita

O meu casaco em nome do santo
O meu boné que era inteiro branco

Tira essa pata do meu barraco
Eu tenho nervos eu não sou de aço
É isso mesmo a nossa herança?
Esse trabuco, minhas crianças?
Eu sinto asco da tua farda
Me diz se dorme quando o dia acaba

Eu só queria saber
Como segue essa cena depois que eu desligo a tv
Novela da vida real que não paga cachê

Mas o que temos com isso, né galega?
É um horror tudo isso, né princesa?
Já abri uma conta na gringa, tá meu dengo?
Vamos mudar de país

Cara já não me importa
Teu Deus não vai passar da minha porta
Tu já deu cabo da minha alma e agora quer levar a minha calma

O meu casaco em nome do santo
O meu boné que era inteiro branco
Tira essa pata do meu barraco
Eu tenho nervos eu não sou de aço
É isso mesmo a nossa herança?
Esse trabuco, minhas crianças?
Eu sinto asco da tua farda
Me diz se dorme quando o dia acaba

Eu só queria saber
Como segue essa cena depois que eu desligo a tv
Novela da vida real que não paga cachê

Mas o que temos com isso, né galega?
É um horror tudo isso, né princesa?
Já abri uma conta na gringa, tá meu dengo?
Vamos mudar de país

O meu casaco em nome do santo
O meu boné que era inteiro branco
Tira essa pata do meu barraco
Eu tenho nervos eu não sou de aço
É isso mesmo a nossa herança?
Esse trabuco, minhas crianças?
Eu sinto asco da tua farda
Me diz se dorme quando o dia acaba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>