Heróis da Resistência

Doublé de corpo

Eu não reconheço mais, olhando as fotos do passado 
O habitante do meu corpo, deste estranho dublê de retratos 
Talvez até eu já vivesse em algum corpo emprestado 
Esperando só por você pra reunir meus pedaços

Foi tanta força que eu fiz por nada, 
Pra tanta gente eu me dei de graça 
Só pra você eu me poupei 
Será que o tempo sempre disfarça, 
Tomara um dia isso tudo passa 
Desculpa as mágoas que eu deixei

Eu já dei a outra alma aos bruxos e vampiros 
Eu quero que eles façam a festa enquanto eu me retiro 
Só você sentiu por mim, o que nem eu sentiria 
Você foi o meu escudo, e eu a própria covardia

Foi tanta força que eu fiz por nada, 
Pra tanta gente eu me dei de graça 
Só pra você eu me poupei 
Será que o tempo sempre disfarça, 
Tomara um dia isso tudo passa 
Desculpa as mágoas que eu deixei

Se você ainda acreditar, eu prometo dublar seu corpo 
Te proteger, te poupar das dores, 
Te devolver o amor em dobro, não se ama, amor, em vão

Foi tanta força que eu fiz por nada, 
Pra tanta gente eu me dei de graça 
Só pra você eu me poupei 
Será que o tempo sempre disfarça, 
Tomara um dia isso tudo passa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>