Skank

Os Homens das Cavernas

Nós somos a molambeira
a vida nos trata a cacete
o que é morada eu não sei
se tive já esqueci
aqui debaixo da ponte
ô ô ô é o final

Vem na avenida senhor presidente
alguém de nós foi la ver
dizem que o homem tudo vê
por traz de seus vidros fumê
o presidente é a lei
molambada é como urubu

Nem palacio, nem barracão
nem duvida, nem ilusão
homens que vivem nas cavernas
where do they all belong?

Estado folha globo
e o fogo pra acender
para come a fome pra viver

Ali vai ser a trincheira
os carros merecem correr
são caros e velozes
um carro é o que eu queria ter

Levar meu pai na bahia
ele que gosta do mar
ele que gosta…

Aclimação, eu vacilei
parei na colônia penal
não sou de briga mas tirei
o sangue de um homen mal
separei sem querer
sua alma do corpo

Bom que se saiba
meu irmão cada vez que dorme aqui
truca-se um baralho,jogo bom
sibilina a lua chegou
sete lobas uivaram eu contei
ou quem sabe,irmã
foi a sirene da rotam
a farejar sua caça
essa raça não quer morrer
bala passa a mergulhar
acesa na escuridão
isso deve doer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>