Roberto Carlos e Erasmo Carlos

Todas as Manhãs

Todas as manhãs quando eu acordo eu me lembro de você
Todos os momentos do meu dia não consigo te esquecer
Diga meu amor o que é que eu faço,
Pra não me lembrar do seu abraço, eu preciso te esquecer
Entro no meu carro e ligo o rádio e uma canção que traz você
Tudo que eu vejo de bonito se parece com você
Diga meu amor o que que eu faço
Eu preciso arrebentar de vez os laços que me prendem a você

Chuva fina no meu para-brisa, vento de saudade no meu peito
Visibilidade distorcida, pela lágrima caída pela dor da solidão
E a chuva no meu pára-brisa vento de saudade no meu peito

Visibilidade distorcida pela lágrima caída pela dor da solidão
Sempre nos lugares onde eu vou alguém pergunta de você
Paro num sinal e olho a rua na esperança de te ver
Diga meu amor o que que eu faço
Tudo faz lembrar você por onde eu passo eu preciso te esquecer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>