Natiruts

Homem do Povo

Tirou a farda e não viu que era um homem do povo
Não consegue perceber é complicado pra sua cabeça
E tome chute na moleira do maluco
Tapa na cara do trabalhador
E pro velho currupto Bom dia doutor

Na falta de crença decrete a falência total
Do mundo real que segue por má influência se apega no mal
Ponha a janta na mesa e convide os homens da defesa
E tire um retrato da sua pobreza espiritual, que tal
Pintura borrada a óleo dísel
Como vou saber se ninguém me avisou
Percepção, segundo me diz o falso rei
Que detém a lei que a arma na mão assegura o bem
Mas rouba o que há no seu coração
They’re crushing the people
With helmets and boots
But GOD blessed the people with NATIRUTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>