Lulu Santos

Certas Coisas

Não existiria som
Se não houvesse o silêncio
Não haveria luz
Se não fosse a escuridão
A vida é mesmo assim,
Dia e noite, não e sim…

Cada voz que canta o amor não diz
Tudo o que quer dizer,
Tudo o que cala fala
Mais alto ao coração.
Silenciosamente eu te falo com paixão…

Eu te amo calado,
Como quem ouve uma sinfonia
De silêncios e de luz.
Nós somos medo e desejo,
Somos feitos de silêncio e som,
Tem certas coisas que eu não sei dizer…

A vida é mesmo assim,
Dia e noite, não e sim…

Eu te amo calado,
Como quem ouve uma sinfonia
De silêncios e de luz,
Nós somos medo e desejo,
Somos feitos de silêncio e som,
Tem certas coisas que eu não sei dizer…
E digo.

0 comentário sobre “Certas Coisas

  • Marcos Antonio S. S. disse:

    A música fala da dualidade da vida, isso está presente em todo o texto, silêncio e som, tudo o que cala fala,eu te amo calado como quem ouve uma sinfonia. Isso mostrar que até a luz produz a sua própria sombra, por isso, Deus criou o diabo para que existisse o equilíbrio universal. E a musica trata disso.Em uma música de Raul Seixas, ele diz que, o segredo da vida é a morte.Damos valor a vida porque existe a morte. Se ela não existisse, talvez ninguém desse valor a nada.

    13
    4
  • EDILSON VELOSO disse:

    NESTA CANÇÃO O AUTOR USA A FIGURA DE LINGUAGEM CHAMADA ANTÍTESE. NELA, ELE CONFRONTA SITUAÇÕES CONTRÁRIAS.

    6
    1
  • Esta música mostra o quanto é difícil explicar certas coisas aparentemente simples e, que nos deixam sem palavras e sem explicação.

    3
    1
  • Anonimous disse:

    eu te amo calado como quem ouve uma sinfonia… e tem certas coisas que ele não sabe dizer? Grande intelectual, Salve LULU!!

  • Gilmau Vadao disse:

    Deus criou o diabo para que existisse o equilíbrio universal…kkkkkk essa foi péssima… Essa música retrata o paradoxo inter-relacional do homem com o universo, quando o autor fala que não haveria som, se não houvesse o silencio, a inter relação de um para existência do outro explicita sua condição. Não haveria luz se não fosse a escuridão já é uma antítese, pois a luz existe, ao passo que a escuridão é a ausência de luz.

  • Cleyton disse:

    A música pode assumir duas interpretações:
    A primeira de um amor não declarado a pessoa amada:
    “Eu te amo calado
    Como quem ouve uma sinfonia..”
    “Cada voz que canta o amor não diz
    Tudo o que quer dizer…”
    Aparentemente, o eu lírico tem medo de se declarar e reconhece a sua ignorância, incapacidade ou dificuldades diante das coisas do amor, como podemos observar nos versos abaixo:
    “Nós somos medo e desejo
    Tem certas coisas que eu não sei dizer…”
    O eu lírico apresenta ainda sentimento de conformidade em relação a essa situação:
    “A vida é mesmo assim
    Dia e noite, não e sim…”
    Uma outra interpretação que a música pode assumir é a de um amor proibido, que o eu lírico e a pessoa amada sabem. Para o eu lírico o amor luz, algo sublime, sublime, porém hesita e vive entre o medo e desejo de declará-lo ou revelá-lo acabando por vivê-lo em silêncio e “escuridão”, algo que não pode ser visto ou mostrado.
    Enfim é uma música fantástica, que nos permite várias visões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>