Olho de Peixe

Lenine

0 comentários

Permanentemente, preso ao presente
O homem na redoma de vidro
São raros instantes
De alívio e deleite
Ele descobre o véu
Que esconde o desconhecido,
O desconhecido
E é como uma tomada à distância
Uma grande angular
É como se nunca estivesse existido dúvida,
Existido dúvida
Evidentemente a mente é como um baú
E homem decide o que nele guardar
Mas a razão prevalece,
Impõe seus limites
E ele se permite esquecer de lembrar,
Esquecer de lembrar
É como se passasse a vida inteira
Eternizando a miragem
É como o capuz negro
Que cega o falcão selvagem,
O falcão selvagem

Se na cabeça do homem tem um porão
Onde moram o instinto e a repressão
(diz aí)
O que tem no sótão?
O que tem no sótão?
O que tem no sótão?

Se na cabeça do homem tem um porão
Onde moram o instinto e a repressão
(diz aí)
O que tem no sótão?
O que tem no sótão?
O que tem no sótão?

O que tem no sótão?
O que tem no sótão?
O que tem no sótão?




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *