Jorge Mautner, Nelson Jacobina

Zum-zum

Chove a chuva como antigamente
Lá fora o vento faz zum zum
Aqui dentro do apartamento
O tormento vence o amor de dois a um

Coço o nariz tão nervosamente
Esperando o telefone tilintar
Mas quando responder, eu sei que vou dizer
É engano, ele não está

Chove a chuva como antigamente
Lá fora o vento faz zum zum
Aqui dentro do apartamento
O tormento vence o amor de três a um

Coço o nariz tão nervosamente
Esperando o telefone tilintar
Mas quando responder, eu sei que vou dizer
É engano, ele não está

Depois ficarei gargalhando
Gargalhadas pelo ar
Podem dizer que isto é loucura
Mas é somente a mais pura
Maneira de se amar

Chove a chuva como antigamente
Lá fora o vento faz zum-zum
Aqui dentro do apartamento
O tormento vence o amor de quatro a um (já é uma goleada)

Coço o nariz tão nervosamente
Esperando o telefone tilintar
Mas quando responder, eu sei que vou dizer
É engano, ele não está

Depois ficarei gargalhando
Gargalhadas pelo ar
Podem dizer que isto é loucura
Mas é somente a mais pura
Maneira de se amar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>