Aquarela mineira

Francisco Alves

Compositor(a) da letra: Ary Barroso

Álbum da letra: 78 RPM

Ano de lançamento: 1950

Negras redondas de gordas
Levando a comida dos negros suados,
Dos negros cansados de capinar;
Bate o monjolo a cadência do milho socado.
“- Moleque, olha o gado, inda está no curral
Põe prá pastar!”
Roda o engenho de cana, de cana caiana
É de manhãzinha…
A vida começa, na Fazenda da Barrinha
Minas Gerais, ó meu Minas Gerais,
Se eu pudesse voltar a trinta anos atrás
Tocava os meus bois,
Fumava escondido entre os cafezais.
Ó tempinho bom, que não volta mais!

Em Minas Gerais, tem ferro, tem ouro, tutu
Tem gado Zebú,
Tem também, umas toadas,
Alma sonora das quebradas…
Encantos das noites de luar…
E a história do Brasil
Tem muitas páginas heróicas, imortais
Escritas, com sangue mineiro,
Salve, o meu estado de Minas Gerais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>