Falcão

Holiday Foi Muito

O homem nasce sem maldade
Em parte nenhuma do corpo.
O homem é lobo do homem.
Isso explica a viadagem côngenita
E a baitolagem adquirida.

Sendo assim, quem nunca
Queimou o anel quando menino,
Queimá-lo-á quando crescido.
Isso explica novamente a história
Da viadagem adquirida.

Porque homem é homem,
Menino é menino,
Macaco é macaco,
E viado é viado.
Homem é homem,
Menino é menino,
Político é político,
E baitola é baitola.

O indivíduo nasce, cresce
E adentra ao mundo social e político,
Filosófico e artístico.
Fica danado, letrado,
Inteligente e sabido.

Conhece tudo, explica tudo
E discute com bastante elegância
Os rumos da “catilogência”.
Fica suave, delicado e aberto
A novas experiências.

Nada de novo no front.
Despombalizado, leso,
A saída é a retaquarda.
Isso explica a evolução
Da perobagem adquirida…

Fica díficil um estudo,
Uma tese, uma analise
À luz da ciência:
O homem inteligente dá
Ou dá por que é inteligente?

0 comentário sobre “Holiday Foi Muito

  • Viado Congênito disse:

    Na verdade a música fala de como nascemos sem preconceitos quanto a homossexualidade, mas depois aprendemos a ser machos e, consequentemente, machistas e preconceituosos. Mas depois de estudados e esclarecidos desconstruímos essa palhaçada e nos abrimos para novas experiências.

    10
    2
  • Emerson disse:

    Pelo que eu entendi da música, apesar dos termos utilizados, é uma letra que foi bastante a frente do seu tempo no que diz respeito a homossexualidade.

    Ao apresentar a dicotomia Hobbes e Rousseau ele diz acreditar na existência dos dois tipos do que ele diz ser “viadagem”,a inata e a adquirida. Algo bem a frente do que as músicas dos anos 90 diziam.

    No refrão ele fala que cada um é o que é, então não cabe a um ou a outro intrometer-se nisso. Outro detalhe é que ele faz uma escala evolutiva(no clipe)onde o gay está no estágio mais evoluído. Isso também é ressaltado na própria letra quando Falcão diz que os homens que adquirem mais conhecimento estão abertos a novas experiências.

    6
    2
  • Gilberto Duque de Oliveira disse:

    Não adianta tergiversar. A letra fala claramente e em todas as estrofes que a “viadagem” não é natural e sim adquirida!!!

    1
    2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>