Evaldo Gouveia, Sônia Mamede

Maria Chiquinha

Que que cocê foi fazer no mato, maria chiquinha?
Que cocê foi fazer no mato?
Eu precisava cortar lenha, genaro, meu bem
Eu precisava cortar lenha

Quem é que tava lá com você, maria chiquinha?
Quem é que tava lá com você?
Era filha de sádona, genaro, meu bem
Era filha de sádona

Eu nunca vi mulher de culote, maria chiquinha
Eu nunca vi mulher de culote
Era a saia dela amarrada nas pernas, genaro, meu bem
Era a saia dela amarrada nas pernas

Eu nunca vi mulher de bigode, maria chiquinha
Eu nunca vi mulher de bigode
Ela tava comendo jamelão, genaro, meu bem
Ela tava comendo jamelão

No mês de setembro não dá jamelão, maria chiquinha
No mês de setembro não dá jamelão
Foi uns que deu fora do tempo, genaro, meu bem
Foi uns que deu fora do tempo

Então vai buscar uns que eu quero ver, maria chiquinha
Então vai buscar uns que eu quero ver
Os passarinhos comeram tudo, genaro, meu bem
Os passarinhos comeram tudo

Então eu vou te cortar a cabeça, maria chiquinha
Então eu vou te cortar a cabeça
Que cocê vai fazer com o resto, genaro, meu bem?
Que cocê vai fazer com o resto?

O resto?
Pode deixar que eu aproveito

Um comentário sobre “Maria Chiquinha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>