Chico César

Teofania

Além do bem e do mal
Com seu amor fatal
Está o ser que sabe quem sou
No tempo que é um lugar
No espaço que é um passar
Espreita-nos um olhar criador

Muitos me dirão: que não!
Que nada é divino: nem o pão, o vinho, a cruz
Outros rezarão: em vão!
Pois nada responde e tudo se esconde – em luz

Deus do roseiral, do sertão
Do ramo de oliveira e do punhal
Deus dos temporais, dos tufões
Da dúvida, da vida e a morte vã

Quanta solidão e eu não sei
Se homem só suportarei
Um sinal, um não,
E silencie, aqui e além, a dor

Deus das catedrais, dos porões,
Da bíblia, do alcorão, da torá
Deus de ariel e caliban
Da chuva de enxofre, do maná

Quanta solidão e eu não sei
Se homem só suportarei
Um sinal, um não,
E silencie, aqui e além, a dor

Além do bem e do mal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>