Categorias
Chico Buarque Edu Lobo Maria Bethânia

A Moça Do Sonho

Súbito me encantou
A moça em contraluz
Arrisquei perguntar: quem és?
Mas fraquejou a voz
Sem jeito eu lhe pegava as mãos
Como quem desatasse um nó
Soprei seu rosto sem pensar
E o rosto se desfez em pó

Por encanto voltou
Cantando a meia voz
Súbito perguntei: quem és?
Mas oscilou a luz
Fugia devagar de mim
E quando a segurei, gemeu
O seu vestido se partiu
E o rosto já não era o seu

Há de haver algum lugar
Um confuso casarão
Onde os sonhos serão reais
E a vida não
Por ali reinaria meu bem
Com seus risos, seus ais, sua tez
E uma cama onde à noite
Sonhasse comigo
Talvez

Um lugar deve existir
Uma espécie de bazar
Onde os sonhos extraviados
Vão parar
Entre escadas que fogem dos pés
E relógios que rodam pra trás
Se eu pudesse encontrar meu amor
Não voltava
Jamais

3 respostas em “A Moça Do Sonho”

O clima onírico está por toda a música Como nos quadros surrealistas, as pessoas amadas fogem, se transformam e se desfazem. Os relógios não marcam o tempo, e as escadas não levam a lugar algum. Casarões, bazares, criam clima angustiante onde tudo foge e se desfaz.

Chico magistralmente cria o cenário onírico de todos . Sabe aquele sonho seque acordamos dizendo : Ah!!era sonho! Vou dormir de novo pra ver se volto a sonhar!! Pois é!! Ele conseguiu traduzir em música. Gênio como sempre. Todos os elementos de nossos desejos estão presentes. Parabéns ao nosso maior poeta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *