Cartola

As Rosas Não Falam

Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão,
Enfim

Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar
Para mim

Queixo-me às rosas,
Mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti, ai

Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
Por fim

0 comentário sobre “As Rosas Não Falam

  • Acredito que essa música Cartola esta falando com sua primeira mulher, pois após sua morte Cartola adoeceu e sumil do senário musical, voltou a mídia após ser redescoberto por um jornalista, por isso ele fala “bate outra vez com esperanças o meo coração…”, e o jardim que ele diz voltar seria o cemitério.
    Essa é minha interpretação.

  • O perfume que roubam de ti. Perfeito, mais romântico impossível, imagine, que toda a beleza, delicadeza, perfume da rosa são roubados do ser amado. Maravilhoso.

  • JA ouvi a historia que foi quando a mulher do cartola estava cuidando do jardim, quando perguntou ao cartola o que as rosas devem estar achando do jardim que ela cuidava…Quando Cartola respondeu:
    -não sei…As rosas não falam…

    Genial!

  • zilio costa disse:

    O que ouvi sobre esta composição diz que:
    Certa vez no jardim,D Zica,chegou p Cartola e falou,que ele fez musicas para todas ex,menos p ela,daí ,saiu esta preciosidade

  • Cesar Martiio de Souza disse:

    Não importa a quem Mestre Cartola queria homenagear.O que importa, é que esta poesia (letra e música) e a obra mais refinada do cancioneiro brasileiro. Nos eleva aos altos céus.Linda !Linda!Linda. A sutileza da obra, nos é mostrada na íntegra da sutileza flôr comcheiro magistral.

  • Cesar Martiio de Souza disse:

    Não importa a quem Mestre Cartola queria homenagear.O que importa é que esta poesia (letra e música) é a obra mais refinada do cancioneiro brasileiro. Nos eleva aos altos céus.Linda !Linda!Linda. A sutileza da obra nos é mostrada na íntegra da sutileza flôr com seu cheiro magistral.

  • Anna Palhares Passos disse:

    Esta música me remete ao tempo de menina,quando minha mãe viajava, meu escrevia lindas cartas para ela e um vez mencionou esta poesia, ele bem quis dizer o que ela significava para ele. Eu hoje tenho 71 anos e relembro com saudades. Não me resta nada mais a homenagear tão grande poeta. O que está faltando hoje em dia.

  • Paulo do Nascimento disse:

    Gostaria de saber se na letra da música “As rosas não falam”

    Devias VIR para ver os meus olhos tristonhos, VIR significa VIR ou do verbo VER?

    • Gabriel Cariello disse:

      Olá, Paulo! O verbo ao qual você se refere é o verbo “vir”, que está conjugado no futuro do subjuntivo e não o verbo “ver”. Ou seja, a pessoa deveria ir ao encontro do eu-lírico e ver os seus olhos tristonhos.
      Vale perceber as distinções dos verbos no verso em seguida: “Para VER os meus olhos tristonhos.”
      Abraço!

  • Dona Zica, o grande amor de Cartola, ganhou umas mudas de roseiras e as plantou no jardim tão logo chegou em casa. Tempos depois, numa manhã, ela ficou extasiada diante da quantidade de rosas desabrochadas e na hora ela chamou e perguntou ao marido “porque é que nasceu tanta rosa assim Cartola? ele responeu “Não sei Zica, as rosas não falam…”.

    Cartola ficou com a frase na cabeça, romoendo… quando a inspiração apareceu a música brotou, inteira. Faltam três dias para o compositor completar 67 anos. segundo o próprio Cartola a música então se tornou um presente que ele deu a si mesmo, naquele aniversário.

  • Nilson de Souza Gaya disse:

    Acredito que ele conta a história de um amor viuvi, onde terminando o verão ele vai ao cemitério onde sua amada está sepultada e com esperanças de falar com ela, não consegue. Volta ao jardim, com a certeza de chorar de saudade, porque sabendo que não mais voltará sua amada, queixa-se as rosas no jardim da sepultura. Que bobagem, as rosas não falam, simplesmente exalam o perfume que roubam do túmulo da amada. Lastima ele que ela deveria vir a ele, para ver a tristeza dos olhos e quem sabe sonhar o sonho de tê-la novamente. Muito romântico.

    • Paulo Sperandio disse:

      Gostei da interpretação! Acho que é a que mais condiz com relato, grande senso poético ao analisar essa obra de Cartola.!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>