A Cruz E A Espada

43 comentários

Renato Russo

Havia um tempo em que eu vivia
Um sentimento quase infantil
Havia o medo e a timidez
Todo um lado que você nunca viu

Agora eu vejo,
Aquele beijo era mesmo o fim
Era o começo
E o meu desejo se perdeu de mim

E agora eu ando correndo tanto
Procurando aquele novo lugar
Aquela festa o que me resta
Encontrar alguém legal pra ficar

Agora eu vejo,
Aquele beijo era mesmo o fim
Era o começo
E o meu desejo se perdeu de mim

E agora é tarde, acordo tarde
Do meu lado alguém que eu não conhecia
Outra criança adulterada
Pelos anos que a pintura escondia

Agora eu vejo,
Aquele beijo era o fim, ah era o fim
Era o começo
E o meu desejo se perdeu de mim
E nunca mais, nunca mais, ou..


43 comments on “A Cruz E A Espada

  1. Raphael disse:

    Sem duvi da é uma das letras mais belas de Renato Russo,é um exemplo de infidelidade, existem pessoas que por luxuria ou para satisfazer seu ego se submetem a estas atitudes, no caso da letra perdeu seu amor por infidelidade de sua parte, sua amada o viu e terminol o relacionamento mas não o amor que bus caz encontrar. Porem não sei se é com sua amada ou busca de um novo amor, acho que é um mistério da musica.

  2. Eduardo Gaia disse:

    É o fim da infância e o iníco conturbado de uma adolescência infeliz onde toda a sua base familiar construida na infância deixou espaço para uma vida em confronto com o que ele mesmo achava certo, mostrando que nem sempre as emoções conduzem a uma felicdade sedimentada. A cruz e a espada colocam para mim a escolha entre o lógico e o romântico e deixam claro que a razão traz um prazer muito mais sedimentado e com mais chances de se ser feliz. O maior amor é a razão que nós humanos as vezes desprezamos.

  3. isabel disse:

    Gostaria de saber análise do Sergio Soeiro , se não for incomodo é claro, acredito muito na sua avaliação bjos obrigada

  4. Sérgio Soeiro disse:

    Atendendo pedido da Isabel:
    Quando o grupo RPM gravou esta música do Renato Russo, optou por um arranjo “new wave” (estilo Duran Duran) que ficou muito bacana e, na minha opinião, é este andamento melódico que a valoriza muito. A letra não traz muitos mistérios e/ou metáforas, a não ser no título. Ao batizá-la de “A cruz e a espada”, o Renato quis mostrar o eu-lírico numa situação de dúvida atroz: quando se está entre a cruz e a espada, é porque temos uma difícil escolha a fazer. Não sei se esta letra é autobiográfica – provavelmente não – uma vez que neste período o Renato estava engajado em fazer letras usando como temática os problemas da juventude em geral.
    Na primeira estrofe ele mostra o eu-lírico envolvido com alguém mais maduro quando declara que “vivia um sentimento quase infantil”, onde “havia medo e timidez”, sentimentos dos quais o parceiro não nutria (“todo um lado que você nunca viu”).
    Em seguida vem o refrão, onde é mostrada toda sua dúvida se valeria à pena insistir naquela relação por achar que desde o primeiro beijo (“era o começo”) a relação já estava fadada ao insucesso (“e o meu desejo se perdeu de mim”). A decisão de colocar o refrão após cada estrofe é proposital, de forma insistente, para demonstrar que a dúvida persiste.
    Na segunda estrofe ele mostra que não está passivo e resolve “ir à luta” em busca de outro parceiro, e, para um adolescente, nada melhor do que uma festa para encontrar alguém que tenha os mesmos ideais.
    Na terceira e última estrofe ele mostra que sua busca tem se mostrado infrutífera. É muito legal o jogo de palavras que ele faz quando diz que “já é tarde” (quer dizer que já perdeu muito tempo procurando alguém), e “acordo tarde” (numa clara alusão às noites em festas procurando alguém).
    Ele mostra que nessas buscas sempre “fica” com alguém (“do meu lado alguém que eu não conhecia”), e mais uma vez expõe suas dúvidas sobre o que deseja realmente, pois não se mostra satisfeito ao acordar do lado de alguém muito jovem, cuja idade real está disfarçada pelo excesso de maquiagem.
    Enfim, ele quer dizer que não se sente confortável na situação de namorar alguém mais “madura” que ele, mas também não encontra aconchego nas jovens parceiras encontradas nas noites mundanas.

    Isabel, desejo que esta análise não tenha traido sua confiança e esteja dentro das expectativas. Bjs.

  5. Sérgio Soeiro disse:

    Só esclarecendo: na minha análise anterior, procuro não deixar claro se o eu-lírico se relaciona e/ou está em busca de um “parceiro” ou “parceira”. Na minha opinião, a letra é impessoal e serve para qualquer jovem, independente do sexo.

  6. Letícia Telles disse:

    Para mim, na primeira estrofe, Renato Russo apresenta um eu-lírico que assume um dia ter agido de forma infantil e insegura ( “Havia o medo e a timidez”), diante de uma paixão que nutria por uma pessoa mais madura, a qual não se dava conta de tal sentimento ( “Todo um lado que você nunca viu”)
    Fracassado, “ele” percebe q o beijo q recebeu dessa pessoa – provavelmente no rosto, ou não- era de despedida ( “Agora eu vejo, aquele beijo era mesmo o fim…”). Porém, também percebe, tardiamente, q podia ter sido diferente, caso “ele” tivesse reagido ( “Era o começo”), mas… mais uma vez, tímido, “ele” perdeu a chance de tomar uma postura ativa perante a situação… e deixou de viver tudo o q sonhou… ( “E o meu desejo se perdeu de mim”)
    Foi preciso uma perda para q “ele” tomasse as rédias de sua vida e fosse à luta ( “Agora eu ando correndo tanto…”), no entanto, “agora é tarde” (“Aquela festa o que me resta… Encontrar alguém legal pra ficar”), o negócio e dormir e acordar tarde, mesmo que seja ao lado de alguém desconhecido. Detalhe importante: “Outra criança ( pessoa frágil, falha, infantil… o q na verdade nunca deixamos de ser, já q estamos sempre em processo de desenvolvimento) adulterada (modificada, transformada, envelhecida…) pelos anos ( pela idade) que a pintura ( maquiagem -ou até mesmo tinta de cabelo- usada para disfarçar os sinais do tempo) escondia”, ou seja, ao contrário da interpretação do Sérgio, acredito q “ele” continuou se relacionando com pessoas mais velhas, e também descobriu q elas não são tão diferentes assim dele, pois “crianças” não têm idade.

    Gente, sou nova no site e essa é a minha primeira análise.

    Sérgio, andei lendo algumas análises suas e adorei, meus parabéns, vc é muito bom nisso, menino! Gostaria muito q, se possível, vc comentasse minha análise, ok?

    Abraços!

  7. Sérgio Soeiro disse:

    Letícia, em primeiro lugar; fico envaidecido pelos elogios. Obrigado, mesmo.
    Em relação à sua análise, não há o que discordar e acho que ela tem tudo a ver. Eu nunca tinha parado pra tentar analisar esta letra do Renato, pois não costumo fazê-lo com músicas pop. Nada contra – adoro Pop e sua razão de ser é essa mesmo: fugir do lance “cabeça”. Voltando à sua análise, percebo que a mesma difere da minha na parte final, ou seja, no fechamento da idéia. Cheguei a ter a mesma impressão que você, na visão dele haver fracassado, por insegurança, numa relação com alguém que não estava “muito afim”, daí ele não se faz de rogado, sai em busca de outras aventuras, consegue-as e, por fim, se convence que o erro não estava com ele, pois, apesar da maturidade daquela pessoa, ela sim, agira infantilmente naquela momento. Também pensei na hipótese dele estar se reportando a um interlocutor hipotético (aí já tem muito a ver com a análise do Eduardo Gaia, lá em cima). Por fim, resolvi optar por colocar aquela visão da dúvida que ele sentia entre se relacionar com alguém “mais cabeça”, ou alguém da sua realidade. O que me fez decidir por essa idéia foi justamente o título da obra. Acho que o Renato deixou essa pista quando escolheu o título “A cruz e a espada”. Bom, de repente estamos vijando legal na maionese, e nada disso tem a ver, afinal, de cabeça de poeta e de bumbum de neném, não sabemos o que pode vir, não é mesmo?. Mas o legal disso aqui é justamente isso: mostrar que cada um tem sua visão de mundo.
    Parabéns pela sensibiliade. Bjs.

  8. Letícia Telles disse:

    Completando minha análise:
    Sérgio, quanto ao título A Cruz E A Espada, encaixa-se em minha análise da seguinte forma: acredito que o grande dilema que o eu-lírico enfrentava estava entre o desejo de vivenciar um sentimento novo e o medo do desconhecido, medo de abrir mão de toda fantasia infantil, toda inocência… e entrar de vez em um mundo adulto e complexo. O beijo também simbolizou o fim da inocência (“aquele beijo era mesmo o fim”) e o início de uma nova fase ( “era o começo”), mas “já era tarde”, acabou perdendo a “pureza” e o “desejo” de uma só vez. E teve que seguir “sozinho”, lamentando…

    Talvez essas análises não passem de uma grande “viagem” nossa mesmo. Mas para que servem as músicas, né? Sérgio, obrigada pela excelente companhoa nessa viagem…
    Beijos!

  9. Erika Valente disse:

    Detalhe: A composição é de Paulo Ricardo

  10. HuggoBezerra disse:

    Ô Sergio Soeiro , me add no msn queria umas analises suas de algumas musicas qe tenho curiosidade : hugo_neto15@hotmail.com , add ae mano

  11. Angel disse:

    Eu gosto do Legião. Mas essa letra é bem simplesinha, concordo com a interpretação do sérgio, mas tb acho q seja falando dos jovens em geral e ñ especificamente do renato. Essa letra ñ tem gdes mistério mas é bonitinha.

  12. carla disse:

    e cruz e a espada
    essa menina escreve tudo do jeito dela e não sabe se espesar…
    mais ela tem ideia do que fala e fala bem… sabe esclarecer tudooo..
    parabens…

  13. carla disse:

    meeee ajudemmmm por favorrr essa musica é muito dificil de entenderr…
    socorroooooo!

  14. Letícia Telles disse:

    Desculpe-me, Carla, se eu não me fiz entender por você. É que eu não falo sua língua.(Rsss)

  15. Monica disse:

    a minha analise em relação a essa musica ée que ela foi tipo assim feita para expressar um sentimento que ele queria viver mas não podia
    o motivo nãao foi dadoo,quanto ao titulo é que ele estava dividido entre duas coisas..
    mas a letra ée óotima…

  16. INSANA disse:

    Lembrem-se espada é símbolo fálico….cruz é símbolo de religião…

    Pensem melhor!!!

  17. Mary disse:

    Essa letra não é uma letra retratando a pedofilia, como já li em algum lugar.
    Simplesmente retrata a realidade de um cara extremamente tímido e até infantil de sentimentos que um dia cismou de se “libertar”, procurando uma festa e conhecendo uma moça adolescente, mas que ele não sabia que era.
    A parte que deixa isso explícito é essa:
    “E agora é tarde, acordo tarde
    Do meu lado alguém que eu não conhecia
    Outra criança adulterada
    Pelos anos que a pintura escondia”
    Vejamos:
    A moça entrou no baile, usando maquiagem de adulto, e o enganou que era maior idade, mas o que ocasionou nele um complexo de culpa porque ele não queria isso, ao descobrir o erro cometido.
    “Outra criança adulterada” significa que ela, assim como ele, também tinha perdido a inocência, sendo que ela, a inocência física, e ele, a emocional.
    “Aquele beijo”, ao qual ele se refere, quer dizer que foi o seu fim, pois ao beijá-la na festa, sentiu uma atração muito forte, o que foi o início da paixão, só que o levou a se perder em amarguras e complexo de culpa.
    Ele procura a partir disso, outra festa e “alguém legal pra ficar”.
    “Alguém legal” tem outra conotação além do usual “maneiro”: significa, também, alguém que a justiça aprove enlaces amorosos, ou seja, alguém adulto.
    Ainda que o personagem tenha muita vontade de esquecer o erro cometido, seu sentimento de culpa o persegue, fato explícito em:
    “E o meu desejo se perdeu de mim
    E nunca mais, nunca mais, ou…”
    Adoro essa música e letra, e prefiro a interpretação do RPM, perfeita na voz do Paulo Ricardo.
    O título, naturalmente, se refere à expressão popular, “Estar entre a cruz e a espada”, que significa quando uma pessoa entra em situação de difícil solução, ou seja, indo para um lado ou outro, a pessoa vai estar numa enrascada muito grande, que é onde o personagem da música se meteu.
    Um abração a todos!

  18. Milla disse:

    Acho q a pessoa q postou isso interpretou bem…

    Eu costumava ouvir essa música e identificar a parte q ele fala de um sentimento quase infantiu com uma espécie de amor platônico… e criança adulterada ficava bem em duvida… mais imaginava mesmo q fosse isso, uma menina q perdeu a inoscencia…. ñ sei pq mais essas histórias assim são emocionantes!!!

    linda letra!

  19. Angelo disse:

    Essa musica retrata em partes o que é minha ou foi minha vida. Pessoas que me conhecem agora, como algum que faz festa e “aproveita” a vida nao conhecem o lado que ja tive, de inocencia e timidez até os 19 anos. Um beijo, de uma namorada nessa epoca, o primeiro beijo fez com que a partir daí minha vida muda-se radicalmente. a Vida foi só festa, um pouco de falta de respeito pelos sentimentos das outras pessoas, pelo desejo absurdo de ser livre e fazer o que bem queria. “agora eu vejo, aquele beijo, era o mesmo fim, e meu desejo, se perdeu de mim”

  20. João Felipe disse:

    Essa letra não é uma letra retratando a pedofilia, como já li em algum lugar.
    Simplesmente retrata a realidade de um cara extremamente tímido e até infantil de sentimentos que um dia cismou de se “libertar”, procurando uma festa e conhecendo uma moça adolescente, mas que ele não sabia que era.
    A parte que deixa isso explícito é essa:
    “E agora é tarde, acordo tarde
    Do meu lado alguém que eu não conhecia
    Outra criança adulterada
    Pelos anos que a pintura escondia”
    Vejamos:
    A moça entrou no baile, usando maquiagem de adulto, e o enganou que era maior idade, mas o que ocasionou nele um complexo de culpa porque ele não queria isso, ao descobrir o erro cometido.
    “Outra criança adulterada” significa que ela, assim como ele, também tinha perdido a inocência, sendo que ela, a inocência física, e ele, a emocional.
    “Aquele beijo”, ao qual ele se refere, quer dizer que foi o seu fim, pois ao beijá-la na festa, sentiu uma atração muito forte, o que foi o início da paixão, só que o levou a se perder em amarguras e complexo de culpa.
    Ele procura a partir disso, outra festa e “alguém legal pra ficar”.
    “Alguém legal” tem outra conotação além do usual “maneiro”: significa, também, alguém que a justiça aprove enlaces amorosos, ou seja, alguém adulto.
    Ainda que o personagem tenha muita vontade de esquecer o erro cometido, seu sentimento de culpa o persegue, fato explícito em:
    “E o meu desejo se perdeu de mim
    E nunca mais, nunca mais, ou…”
    Adoro essa música e letra, e prefiro a interpretação do RPM, perfeita na voz do Paulo Ricardo.
    O título, naturalmente, se refere à expressão popular, “Estar entre a cruz e a espada”, que significa quando uma pessoa entra em situação de difícil solução, ou seja, indo para um lado ou outro, a pessoa vai estar numa enrascada muito grande, que é onde o personagem da música se meteu.
    Um abração a todos!
    NOSSA , MUITO BOM MEESMO !

  21. Vinicius disse:

    A minha interpretação é totalmente diferente. O refrão trata de uma experiência do eu lírico de ter se sentido traído após ver a pessoa amada (provavelmente de forma platônica) beijando outro. Daí o rompimento do “sentimento quase infantil” (= amor platônico). Reparem que todo o texto é direcionado para essa pessoa que o traiu, o que mostra que ele não esqueceu a traição, mas se sente impotente para mudar os fatos. É possível, por exemplo, que a pessoa que ele amava passou a namorar outro cara porque ela nunca soube dos sentimentos dele; ele nunca tomou a iniciativa de conquistá-la.

    Daí o eu lírico procura “alguém legal para ficar”, ou seja, alguém que possa substituí-la. Porém, veja que o refrão sobre o beijo continua até mesmo quando o eu lírico acorda “do lado que alguém que nem conhecia”, o que mostra que a experiência é um fracasso em fazê-lo esquecer. Quem já não passou por uma experiência parecida?

    O oxímoro presente no verso “outra criança adulterada pelos anos que a pintura escondia” realmente não tem a ver com pedofilia. Como disse a Mary, existe uma referência ao eu lírico (que tinha um “sentimento quase infantil” que foi rompido). Só que, embora essa referência pudesse levar a uma identificação entre o eu lírico e a “outra criança”, isso não ocorre.

    Por isso, entendo que no trecho também há referência à decepção de encontrar alguém que por baixo da maquiagem não corresponde às nossas expectativas, uma pessoa vazia, que parece ser alguém infantil, sem graça, incapaz de substituir a pessoa que o traiu.

    Enfim, acho a letra linda e genial, principalmente por conter o maior oxímoro que já vi (para quem não sabe o que é “oxímoro”, veja na Wikipedia, a definição lá é boa). Para mim, rivaliza até com a comparação gigante que há na música “Luiza”, de Tom Jobim (“E um raio de sol nos teus cabelos como um brilhante repartindo a luz explode em sete cores revelando então os sete mil amores que eu guardei somente pra te dar”) e a metáfora da música do Elton John, “This train don’t stop there anymore” (“the chisel chips my heart again, the granite cracks beneath my skin, I crumble into pieces on the ground”). Deve ser realmente difícil para alguém compor letras assim.

  22. cida disse:

    vc e muito especial para mim

  23. ju disse:

    na minha opniao significa uma fase nova, fase essa que vem apos a perda da virgindade, o que no caso foi triste, dai o trecho: “Aquele beijo era mesmo o fim
    Era o começo
    E o meu desejo se perdeu de mim” esse era o começo dos desaejos desenfreados, mas notamos uma certa tristeza nisso tudo, parece que nao gostaria que tivesse acontecido.

  24. jeff disse:

    acho que foi do momento que ele virou homosexual. Sei la, acho q aconteceu por acaso de ele, em uma epoca da adolosencia, beijar um cara.

  25. Tomás Turbando disse:

    Aê galera, a letra é do Paulo Ricardo.
    Grato

  26. anonimo disse:

    Galera numa boa atpe gostei das analizes q vocês fizeram mas vocês analizam a letra como se tivesse sido escrito pelo Renato Russo quando na verdade foi escrita Por Luiz Schiavon e Paulo Ricardo

  27. heverson disse:

    Na minha interpretação como tema central desta letra destaco o amadurecimento de uma pessoa na questão do relacionamento isto se evidencia quando o eu poético na repetição de “agora eu vejo” e o conflito evidente é como já foi citado ter ficado com uma (criança) é físico pessoa de uma certa idade mas que fazendo uso da pintura (maquiagem) aparenta outra idade. O título a cruz e a espada tem relação com uma questão de crença moral arrependimento e luta o autor busca a compensação o perdão por algo feito de errado pode ser até o sentimento de se apaixonar inocentemente e que agora ele busca (espada) se sobressair isto se revela na ultima parte quando ele diz agora é tarde (arrependimento) Concluindo existe uma relação passional onde se evidencia o amadurecimento dentro de um conflito de culpa e de um desejo de se reerguer. É isso!

  28. Anne disse:

    O eu lírico é uma pessoa amarga, que não acredita mais no amor, e se relaciona com alguém mais jovem, portanto cheia de esperancas quanto ao namoro, que se decepciona com seu amor por este não corresponder às suas espectativas. Isso eu percebi logo no comeco da música, quando o eu lírico relata para sua amada que um dia ele também já foi sonhador como ela ainda é:

    “Havia um tempo em que eu vivia
    Um sentimento quase infantil
    Havia o medo e a timidez
    Todo um lado que você nunca viu”

    Como consequência a namorada o deixa:

    “Agora eu vejo,
    Aquele beijo era mesmo o fim
    Era o começo
    E o meu desejo se perdeu de mim”

    Por era “o comeco” entendo que ela precisava amadurecer, aprender com a vida, longe dele que a protegia. Ela se entregou para outro (s) homem (s)depois de terminar o namoro, como tinha que ser, pois ele não queria iludir ela, ele gostava de estar perto dela porque ela era pura e não queria torna-la igual a ele, uma pessoa sem esperanca.
    O “meu desejo” era a amada, aquela que ainda era virgem/pura/jovem/inocente, mas que foi embora por culpa de sua falta de romantismo.

    “E agora eu ando correndo tanto
    Procurando aquele novo lugar
    Aquela festa o que me resta
    Encontrar alguém legal pra ficar”

    Aqui a passagem é bem clara, depois que ela o deixou ele retoma sua vida novamente, procura crescer na vida, e como não acredita no amor só frequenta as festas para ter uma boa companhia. Mas ela retorna:

    “E agora é tarde, acordo tarde
    Do meu lado alguém que eu não conhecia
    Outra criança adulterada
    Pelos anos que a pintura escondia”

    E eles vão para a cama, mas ele não reconhece mais aquela menina inocente de outrora, ela cresceu e está adulterada, ou seja, perdeu a virgindade/ pureza que ele gostava tanto nela. Ele diz que é tarde, pois agora ela se tornou igual a ele, a mesma pessoa amarga e que não acredita mais no amor.Igual como aconteceu com ele, agora ela se perdeu para sempre! Na verdade esse rapaz não amava sua namorada, apenas amava sua inocencia física-virgindade- e a psicologica – sonhos juvenis de amor eterno, e queria ficar junto dela para retroceder alguns anos em sua vida, para reviver aquela juventude da qual sente saudades, mas que agora é tarde pois ela já não é mais uma menina.

    Bom, foi o que eu entendi, uma coisa meio Lolita… hehehehe, espero que gostem de minha interpretecão.

  29. Guido disse:

    Além da composição ser do Paulo Ricardo com o Luiz Schiavon, a música nunca foi gravada pela Legião Urbana. A primeira gravação foi com o RPM e posteriormente o Paulo Ricardo a regravou com a participação do Renato Russo.

  30. Silvia disse:

    É pelo que li nos comentários, cada um tem a sua opinião sobre o entendimento da letra desta musica. É muito relativo mesmo. Eu particulamente, também tenho a minha opinião sobre ela e claro que vou expor aqui. A minha opinião sobre esta musica, é aquilo que eu sinto de verdade quando eu ouço ela, é aquilo que a letra transmite pra mim, é aquilo que eu acho quando eu ouço ela. Gosto demais dessa musica, muito mesmo. É uma das musicas mais lindas que já ouvi. Pra mim, essa musica é muito triste, mas ao mesmo tempo muito profunda, porque mostra uma realidade que grande parte das pessoas já vivenciaram ou se nao vivenciaram, ainda vão vivenciar, pois ninguém está livre de ficar entre a cruz e a espada. Essa musica é muito triste, e toda vez que eu a ouço me dá uma vontade de chorar. Pra mim o significado dessa letra, é de uma pessoa que relata que já esteve numa situação entre a cruz e a espada, e nao sabia o que fazer. Indecisão, é a pelavra certa. Uma pessoa que tomou a decisão errada, mas só percebeu isso, depois de um tempo, que o arreependimento veio a tona, mas que já era muito tarde pra correr atras do tempo perdido. Uma situação da qual ninguém está livre de passar. No meu ponto de vista, a letra mostra a indecisão de uma pessoa entre dois amores, o quanto foi dificil escolher entre duas pessoas, principalmente no que diz o verso: “havia um tempo em que eu vivia, um sentimento quase infantil, havia o medo e a timidez, todo o lado que você nunca viu”. É a tipica indecisão de uma pessoa que está com alguém e de repente se apaixona por outra pessoa, mas que nao tem a coragem de terminar o seu relacionamento, de se arriscar pra viver uma nova paixão, por medo, por receio, ou por falta de coragem. Na letra, a pessoa deixou de viver uma paixão, deixa de viver um grande amor, perdeu uma oportunidade de ser feliz, pois optou em continuar o seu relacionamento. E posteriormente, depois de algum tempo, essa pessoa concluiu que fez a opção errada na vida, escolheu a pessoa errada, mas que o momento já é inoportuno pra correr atras do tempo perdido e de viver aquela paixão que deixou passar. É a paixão que ficou reprimida, por nao ter vivido. É o arrependimento que veio a tona, por nao ter se permitido se arriscar na epoca, e de ter vivido aquela paixão. Quando a letra da musica diz: “Agora eu vejo,aquele beijo era mesmo o fim. Era o começo. E o meu desejo se perdeu de mim”, pra mim este é o exato momento em que a letra diz que a pessoa está abrindo mão de sua paixão, de seu amor, está se despedindo da sua paixão, pra viver aquele relacionamento que ela nao tem coragem de terminar e claro depois de algum tempo vem o arrependimento por nao ter tentado viver essa nova paixão. A pessoa percebe que a história poderia ter terminado diferente, poderia ter sido feliz.
    Quando a letra da musica diz: “E agora é tarde, acordo tarde. Do meu lado alguém que eu não conhecia. Outra criança adulterada, pelos anos que a pintura escondia”, eu entendo que a pessoa se deu conta que deveria ter tentado aquela paixão, deveria ter sido feliz, mas que hoje já é tarde pra correr atras dessa pessoa e no momento, essa pessoa, anda procurando em festas, nos mais diversos lugares pessoas legais, companhias legais para passar o tempo, ou seja, a pessoa anda conhecendo diversas pessoas, dormindo com diversas pessoas, tentando encontrar a sua felicidade, mas na realidade sabe que a sua felicidade está em uma unica pessoa. Aquela pessoa que infelizmente nao pode ser mais sua.
    Eu acho que essa situação é muito mais comum do que agente imagina. E todos estão sujeitos a acontecer isso. Ninguém está livre disso. E só eu, já presenciei essa situação acontecer com duas pessoas diferentes. O arrependimento por ter feito a decisão errada, por ter escolhido a pessoa errada e depois quando a pessoa se dá conta disso, já é tarde pra correr atras do prejuizo. Por isso, o meu conselho é: “Se permitam ser felizes, a vida é muito curta, mais curta do que você realmente imagina”

  31. Eva Lins disse:

    Incrível essa letra… a interpretação dela foca dentro do momento em que cada um esteja vivendo! Para mim ele esta entre o presente e o passado, vivendo entre aceitar a liberdade que um dia escolheu e o desejo de ter ficado com o seu verdadeiro amor. Enfim a criança é ele mesmo quando se olha no espelho se vê amadurecido porém ainda uma criança dentro de si, mais ainda conflitado com a dureza da vida com a ingenuidade dentro do coração.

  32. Symone disse:

    na minha opinião é que essa pessoa leva uma vida louca…vazia, a procura de emoções que ele não mais encontra porque quando era mais nova viveu um sentimento devastador por alguém…e o beijo fez nascer nele alguém que hoje ele é.

    No começo ele fala que:
    “Havia um tempo em que eu vivia
    Um sentimento quase infantil
    Havia o medo e a timidez
    Todo um lado que você nunca viu”…

    Isso seria antes desse beijo acontecer (o beijo, no meu ponto de vista, é simbólico…foi uma paixão que transformou ele)

    Ele sentiu um desejo taõ grande que “se perdeu dele” e deixou de ser aquela pessoa quase infantil do 1º verso.

    “E agora eu ando correndo tanto
    Procurando aquele novo lugar
    Aquela festa o que me resta
    Encontrar alguém legal pra ficar”

    E depois daquele sentimento vivido, tudo que ele procura sao emoções que preencham o que ele perdeu dele mesmo…mas no fundo ele nao acredita que isso é possível…entendo que seguira vivendo procurando emoções, mas sem se preencher (o que me resta é encontrar alguem legal pra ficar) – reparem na ultima frase da musica “e nunca mais….”

    E ao viver essas emoções, encontra pessoas tbem vazias, talvez a mesma pessoa do primeiro beijo…mas a situação mudou tando, e os seus sentimentos também…parece que ele constatou que nunca mais nada será como antes, que o sentimento que um dia viveu e que se decepcionou fez que tudo se perdesse.

    “E agora é tarde, acordo tarde
    Do meu lado alguém que eu nem conhecia
    Outra criança adulterada
    Pelos anos que a pintura escondia”

  33. JOCIMAR disse:

    Em primeiro lugar essa música não é do Renato Russo (Legião Urbana) e sim de Paulo Ricardo (Letra) e Luiz Schiavon (melodia). RPM. Minha versão é a seguinte: “A CRUZ” pode significar aquilo que há de mais sagrado para uma pessoa nessa idade, e nesse caso, deve ser o primeiro amor. “E A ESPADA”, pode significar a luta contínua de todo ser humano, após a perda da inocência (primeiro amor). Notem que ele não a intitulou “ENTRE A CRUZ A E A ESPADA.” Por dois motivos óbvios: Ficaria muito comum ou perderia todo o direito à licença poética na musica. Quando ele diz “HAVIA UM TEMPO, EM QUE EU VIVIA, UM SENTIMENTO QUASE INFANTIL” , ele volta no tempo pra falar daquela idade pré-adolescente em que a maioria dos meninos descobre o amor verdadeiro. Porque daí em diante, tudo, por mais vívido que seja, é sempre igual. “HAVIA O MEDO E A TIMIDEZ, TODO UM LADO QUE VOCÊ NUNCA VIU.” Nesse trecho, ele conclui que ao descobrir o amor, destampa também um vulcão de outras emoções como o medo a timidez, diante de um sentimento novo e extremamente desconhecido, que geralmente desperta nos meninos dessa idade, acostumados apenas a brincar. Ele (Paulo Ricardo) coloca a frente de cada verso o refrão: “E AGORA EU VEJO, AQUELE BEIJO ERA O FIM. ERA O COMEÇO E O MEU DESEJO SE PERDEU DE MIM. Ele insinua claramente que ao ver alguém beijando quem ele mais ama, todo aquele amor platônico, o seu desejo (a pessoa amada), no caso, simplesmente se perde.
    O amor platônico é um amor à distância, que não se aproxima, não toca, não envolve. Reveste-se de fantasias e de idealização. O objeto do amor é o ser perfeito, detentor de todas as boas qualidades e sem máculas.
    Olhem como é paradoxo: Amor platônico é o amor sem a sexualidade, baseado apenas na virtude, na pureza (pré-adolescência). Outra pessoa fazendo o que ele deveria fazer, porém não teve a coragem de se revelar, ceifa todo aquele sentimento puro, tornando-o mais a frente, perdido, fazendo com que ele tenha que seguir em frente:

    “AGORA EU ANDO, CORRENDO TANTO”. Significa que passado o tempo, a vida se transforma em uma correria, fazendo de todo ser humano, uma maquina de interesses.

    “PROCURANDO AQUELE NOVO LUGAR” Ele tenta trazer aquele antigo sentimento e suas sensações para a sua nova realidade.

    “AQUELA FESTA, O QUE ME RESTA, ENCONTRAR ALGUÉM LEGAL PRA FICAR.” O ser humano que ele era (puro, virtuoso) se transforma em alguém que tem que sobreviver a todo custo, no mundo. Ele se transforma em alguém parecido com aquele que ele viu beijar seu grande amor. Ele percebe, que se tivesse sido assim antes, não teria perdido o seu desejo (amor verdadeiro). O paradoxo é que “meu desejo” se conflitua com o “amor platônico” que ele sentia no primeiro verso. É um mistura de dúvidas que todo ser humano normal tem nessa idade.(AQUELA FESTA, O QUE ME RESTA…)Assim, tanto faz. O que vier é lucro.

    E AGORA É TARDE, ACORDO TARDE.
    Tarde demais pra voltar atrás. Ele está envolvido com outra pessoa. Ele agora, percebe as coisas com demora.

    DO MEU LADO ALGUÉM QUE EU NÃO CONHECIA.
    A chance de fazer diferente e não fez. A pessoa ao seu lado, não é o seu primeiro amor.

    OUTRA CRIANÇA ADULTERADA, PELOS ANOS QUE A PINTURA ESCONDIA.
    A pessoa com quem ele está, é infantil, como um dia ele foi. A maquiagem adulta esconde o comportamento infantil de sua parceira.

    E finalizando:

    E AGORA EU VEJO, AQUELE BEIJO, ERA MESMO O FIM.
    Ele insiste que realmente é tarde demais pra voltar atrás.

    ERA O COMEÇO, E O MEU DESEJO SE PERDEU DE MIM.
    É o início da ruína humana e dos valores. E a vontade de reencontrá-la (primeiro amor), literalmente chegou a fim.

    “E NUNCA MAIS, NUNCA MAIS”
    Nada, nunca mais será o mesmo. Tudo está perdido.

    A letra dessa música é uma das mais perfeitas que já vi em toda a minha vida. Acredito que Paulo Ricardo estava em um estado de êxtase quando a compôs.
    Quem tiver a oportunidade de ouvi-la no Remix de 1985, perceberá alguns acréscimos como o sax no começo, meio e fim da musica. Imperdível. Acho impossível alguém escrever uma musica tão perfeita quanto essa.

    É isso aí.
    Uma vez que provamos o primeiro amor, ninguém mais é o mesmo. Uma vez que não provamos, não somos nada.
    Raul Seixas dizia em uma de suas músicas “MEDO DA CHUVA” a seguinte frase: “Porque quando eu jurei meu amor eu traí a mim mesmo.”
    “ Hoje eu sei, que ninguém nesse mundo é feliz tendo amado uma vez.”

  34. JP disse:

    na boa, a cruz é o sexo feminino e a espada eo sexo masculino. o beijo o fim da inocencia… a unica duvida fica na criança na cama, tem quem ache que é prostituicao infantil, outros que simplemente o fim da adolescencia…

  35. Ricardo disse:

    A letra da música é clara que ele comenta de uma criança indo pra adolescencia, onde conhece uma nova visão,tais como, namorar ir pra festas e chegar tarde. Fica entre a cruz e a espada… não sabendo realmente o que é certo nesta idade…

  36. Jaqueline D disse:

    Ele conta um desencanto amoroso:

    1) “Havia um tempo em que eu vivia
    Um sentimento quase infantil”

    – que ele tinha um amor inocente, e por isso só havia com o coração.

    2)”Havia o medo e a timidez
    Todo um lado que você nunca viu”

    – ele tinha medo de perdê-la e era tímido.. Por isso houve coisas que ela nunca soube (ele não disse)

    3) “Agora eu vejo,
    Aquele beijo era mesmo o fim”

    – “era o fim” = era o problema, a perdição;

    4) “Era o começo

    – o beijo marcou o início do relacionamento-problema.

    5) “E o meu desejo se perdeu de mim”

    – mas hoje ele já não sente mais nada pela pessoa.

    6) “E agora eu ando correndo tanto
    Procurando aquele novo lugar
    Aquela festa o que me resta
    Encontrar alguém legal pra ficar”

    – agora ele está querendo/tentando encontrar alguém para se relacionar..

    7) Agora eu vejo,
    Aquele beijo era mesmo o fim
    Era o começo
    E o meu desejo se perdeu de mim

    – Agora eu vejo que aquele beijo era o fim, poque que deu ínicio ao relacionamento que o fez sofrer…
    E agora a paixão acabou…

    8) E agora é tarde, acordo tarde
    Do meu lado alguém que eu não conhecia

    – perdeu tempo, só agora percebeu que se enganou..
    que não conhecia bem a pessoa.

    9) Outra criança adulterada
    Pelos anos que a pintura escondia

    – retomando a frase do ínicio, quando ele disse que sentia um “sentimento infantil”, é como se ele dissesse que ela não era uma criança (não tinha a mesmo sentimento infantil), mas fingia (ela apenas se pintava de inocente, enganando-o)

    10) Agora eu vejo,
    Aquele beijo era o fim, ah era o fim
    Era o começo
    E o meu desejo se perdeu de mim
    E nunca mais, nunca mais, ou..

    Retomando

    Aquele beijo era o começo de um relacionamento que foi tempo perdido.. Mas que agora ele não está mais apaixonado e nunca mais o repetirá…

  37. Jaqueline D disse:

    Sobre o curioso o comentario do JP, 28 de agosto de 2012..

    De fato vejo a cruz e a espada, o homem e a mulher…

    Porém, Quando ele fala que ela é “uma criança adulterada pelos anos que a pintura escondia…”

    Ele fala que ela já não amava com a mesma inocencia que ele disse amar na primeira estrofe…
    Os anos (os acontecimentos) já haviam adulterado sua inocência…
    Mas ele não havia percebido isso (“a pintura escondia”).

  38. Mariana disse:

    o eu-lírico fala de quando ele começou a gostar da amada dele, e que ela foi embora sem esclarecer as coisas no momento em que ele estava realmente gostando dela, começando a ter um relacionamento com ela (Agora eu vejo,
    Aquele beijo era mesmo o fim
    Era o começo
    E o meu desejo se perdeu de mim). Depois ela fala que tenta se divertir indo em festa, pra se distrair e não pensar nela ou pra achar alguém que ocupe seu lugar (E agora eu ando correndo tanto
    Procurando aquele novo lugar
    Aquela festa o que me resta
    Encontrar alguém legal pra ficar). Nessa estrofe(E agora é tarde, acordo tarde
    Do meu lado alguém que eu não conhecia
    Outra criança adulterada
    Pelos anos que a pintura escondia)o eu-lírico conta como esta decadente a sua vida sem ela, quando ele percebi que dormiu com uma pessoa que ele não conhece, não sabe quem é, e que ainda é uma adolescente.

  39. RPM disse:

    Essa Letra não é do Renato Russo e sim do Paulo Ricardo e Luis Schiavon.

  40. jocimar disse:

    Ei pessoal, também fiz um comentário aqui sobre essa letra há muito tempo. Cada um tem sua opinião e eu respeito todas. Sinto decepcionar a todos, mas estive com o próprio Paulo Ricardo no hotel que ele ia ficar aqui perto da minha cidade antes de um show. Além dele autografar o livro “Revelações por Minuto”, pedi que me dissesse qual foi sua inspiração para letra dessa música. A resposta foi a seguinte: “Ah, me inspirei na minha primeira namorada, quando eu tinha dezesseis anos! Eu e ela nos guardamos um pro outro, e quando aconteceu, descobrimos que não era nada daquilo que queríamos! Então tudo acabou. Simples assim.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *