Diamante de Mendigo

6 comentários

Raul Seixas

Eu tive que perder minha família
Para perceber o benefício que ela me proporcionava
É triste aceitar esse engano
Quando já se esgotaram as
possibilidades
E agora sofro as atitudes que tomei
Por acreditar em verdades ignorantes
Que na época tomei acreditando
Numa moda passageira
Que se foi tal qual fumaça
Não respeitei o sacrifício
Que custa para construir
A fortaleza que se chama família
Acabamos no fim perdendo a
quem nos ama
Só por que o jornaleiro da esquina
Falou que é otário aquele que confia
E é tão difícil confiar em alguém
Quando a gente aceita se mentir, se mentir
Somente conhecendo a beleza da união
É que a gente tem a força
Para não, não se enganar
Eu que me achava um diamante
Nas mãos de mendigos
Só pelo medo de não sê-lo
Não respeitei o sacrifício
Que custa para construir
A fortaleza que se chama família
Acabamos no fim perdendo a quem nos ama
Só porque o jornaleiro da esquina
Falou que é otário aquele que confia
E é tão difícil confiar em alguém
Quando a gente aceita se mentir, se mentir
Somente conhecendo a beleza da união
É que a gente tem a força para
não, não se enganar
Eu que me achava um diamante
Nas mãos de mendigos, pelo
medo de não sê-lo
Eu que me achava um diamante
Nas mãos de mendigos
Pelo medo de não sê-lo…


6 comments on “Diamante de Mendigo

  1. O jornaleiro da esquina é o cara, que nos chama de careta, quando ficamos juntos dos nossos filhos,da nossa esposa, e nos chama de otario por confiar na segurança do lar, e abandonar a vida de farras!

  2. Eli disse:

    Raul nessa letra fala um pouco da importância de deve ser dada a pessoas que fazem parte de nossa família e que na maioria das vezes só damos valor depois de perdê-las.

  3. joão henrique lo disse:

    Eu que me achava um diamante
    Nas mãos de mendigos
    Pelo medo de não sê-lo…
    A letra é uma grande ironia
    A falta de segurança em ser valorizado é que já demonstra todo o não reconhecimento exposto pela família,pois se houvesse reconhecimento não haveria ”o medo de não sê-lo”e no trecho:
    …”Para perceber o benefício que ela me proporcionava,
    É triste aceitar esse engano
    Quando já se esgotaram as
    possibilidades”.Aceitar esse engano é o mesmo que querer se iludir ou seja fingir estar bem e “possibilidade esgotada” é o mesmo que não ter mais o que pensar,não há outra interpretação
    “Aceitar se mentir” é o mesmo que viver se enganando,mentindo pra si mesmo
    Diamante de mendigo é como ouro de tolo,um valor que não existe e em meio a tanto descaso e desrespeito da nova geração da família brasileira esse valor inexiste mais intensamente.A beleza da união não encontrou ainda sua força.

  4. Caio Fontana disse:

    Do meu ponto de vista essa música não tem nenhum mistério. Ele simplesmente deixa de lado a família e se coloca em foco, como se ele fosse o centro de tudo.
    E depois se arrepende.

    “eu que me achava um diamante nas mãos de mendigo”
    Imagina o valor que tem o diamante na mão de alguém
    que não tem quase nada.

    Depois ele se arrepende quando diz, que não percebeu o sacrifício que custa para construir a fortaleza que se chama “família”. Ou seja, perdeu por que achou que era mais do que era

  5. Anna Ferreira disse:

    Ao contrário do que falaram, não acredito que seja uma ironia, não. Ela me parece absolutamente despida de ironia e está completamente cheia de arrependimento.
    ‘É triste aceitar esse engano quando já se esgotaram as possibilidades’ trata do engano que o fez perder a família. E as possibilidade que se esgotaram foram as de reconstrui-la.
    Quando Raul se refere à família ele não está se referindo ao casamento, não ao cônjuge, por isso não tem como as possibilidades se esgotarem. Um casamento falido é uma dor que esgota possibilidades, sim, mas filhos? Como esgotar possibilidades de construir convívio amoroso com os filhos?
    Ele deixa bem claro que perdeu a quem o amava e que o que julgava perene foi efêmero e passageiro.
    ‘Eu que me achava um diamante nas mãos de mendigos por medo de não sê-lo’: Se achar especial demais para as pessoas com quem convive, quem nunca? E o medo de não sê-lo consiste em ter medo de admitir que você não é melhor, é igual a pessoas que considera inferiores, que não entendem sua ânsia por grandes horizontes e se contentam com uma vida que você considera pouca. Se você aceitar isso, não será pouco também? Então, melhor achar que você é demais pra essas pessoas. É um diamante entre mendigos.

    • MOACYR LUIZ DA SILVA disse:

      Anna Ferreira…você disse tudo. As pessoas são cegas…Não tem o que ANALISAR, a música é bem clara: ARREPENDIMENTO….FAMÍLIA…. ainda tem gente em deturpar até isto (letras claras)..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *