Manguetown

4 comentários

Nação Zumbi

Estou enfiado na lama
É um bairro sujo
Onde os urubus têm casas
E eu não tenho asas
Mas estou aqui em minha casa
Onde os urubus têm asas
Vou pintando segurando as paredes do mangue do meu quintal
Manguetown
Andando por entre os becos
Andando em coletivos
Ninguém foge ao cheiro sujo
Da lama da Manguetown
Andando por entre os becos
Andando em coletivos
Ninguém foge à vida suja dos dias da Manguetown
Esta noite eu sairei
Vou beber com meus amigos
E com as asas que os urubus me deram ao dia
Eu voarei por toda a periferia
Vou sonhando com a mulher
Que talvez eu possa encontrar
Ela também vai andar
Na lama do meu quintal
Manguetown
Fui no mague catar lixo
Pegar caranguejo, conversar com urubu


4 comments on “Manguetown

  1. Matheus disse:

    O mangue. O tão citado mangue é um modo de tirar o sustento pra vida, mas é uma subexistência miserável, onde ele chega a invejar os urubus.

  2. manguetown disse:

    faça um texto narrativo inspirando na musica do trabalho

  3. Guilherme disse:

    Na minha opinião, como tantas outras letras do Chico Science, esta se trata de uma crítica social muito forte. A lama que compõe o mangue citado, nada mais é do que a miséria que nosso personagem vive. E, nesse mesmo ambiente, nomeado “Manguetown” (cidade-mangue, em tradução livre), também é habitado por urubus que, claramente são privilegiados por asas (que pode se entender como poder, dinheiro). E, então, num belo dia, nosso personagem recebe asas dos urubus e vai se divertir com amigos e sonhar com a mulher que talvez ele possa encontrar para também morar no manguetown, com toda lama e sujeira descrita.

    PS: Minha dúvida só fica em relação aos caranguejos.

    PS 2: Os urubus citados na letra, assim como o animal propriamente dito, se alimentam de carcaças, são sugadores de almas. A quem, ou o que, isso te lembra? Pense.

  4. Narjara disse:

    Caramba, quanta viagem na interpretação da letra… kkkkk

    Essa música faz parte do álbum “Da Lama ao Caos”, de Chico Science & Nação Zumbi. No livrinho que vinha, eles explicavam algumas curiosidades, inclusive sobre a Manguetown, como também é conhecida Recife/PB.
    A planície costeira onde a cidade de foi fundada é cortada por 6 rios, e após a expulsão dos holandeses no século XVII, a cidade passou a crescer desordenadamente às custas do aterramento indiscriminado e da destruição dos seus manguezais. Com isso, em 1994 (quando o álbum foi lançado), a cidade de Recife possuía o maior índice de desemprego do país e mais da metade dos seus habitantes moram em favelas e alagados, em situação precária e sem seus direitos básicos atendidos. Por isso a forte crítica social presente na letra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *