Jura Secreta

Zélia Duncan

2 comentários

Só uma coisa me entristece
O beijo de amor que não roubei
A jura secreta que não fiz
A briga de amor que não causei
Nada do que posso me alucina
Tanto quanto o que não fiz
Nada que eu quero me suprime
De que por não saber 'Inda não quis

Só uma palavra me devora
Aquela que meu coração não diz
Sol que me cega
O que me faz infeliz
É o brilho do olhar
Que não sofri.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 comentários para a letra “Jura Secreta

  1. vanessa disse:

    A música parece ter sido escrita quase como um epitáfio, onde o eu-lirico se arrepende por todas as ações e emoções que por consequência de insegurança, medo ou um outro sentimento qualquer deixou de viver.

    “Só uma coisa me entristece
    O beijo de amor que não roubei
    A jura secreta que não fiz
    A briga de amor que não causei”

    Neste trecho o eu-lírico analisa seus casos de amor e descobre que poderia ter vivido cada um deles mais intensamente.

    “Nada do que posso me alucina
    Tanto quanto o que não fiz”

    Este trecho deixa cada vez mais forte a sensação de que ele SÓ se arrepende do que NÃO fez.

    “Sol que me cega
    O que me faz infeliz
    É o brilho do olhar
    Que não sofri”

    O eu-lírico declara banais todos os seus casos de amor, como se nenhum deles tivesse sido suficientemente forte para suprir suas carências emocionais.

  2. Teresa disse:

    ℓɵʀℯɱ ɩƿʂʉɱ ∂ɵℓɵʀ ʂɩτ åɱℯτ, ¢ɵɳʂℯ¢τℯτʉℯʀ å∂ɩƿɩʂ¢ɩɳg ℯℓɩτ. ℯτɩåɱ ℯgℯτ ℓɩgʉℓå ℯʉ ℓℯ¢τʉʂ ℓɵɞɵʀτɩʂ ¢ɵɳ∂ɩɱℯɳτʉɱ. åℓɩqʉåɱ ɳɵɳʉɱɱy åʉ¢τɵʀ ɱåʂʂå. ƿℯℓℓℯɳτℯʂqʉℯ ɦåɞɩτåɳτ ɱɵʀɞɩ τʀɩʂτɩqʉℯ ʂℯɳℯ¢τʉʂ ℯτ ɳℯτʉʂ ℯτ ɱåℓℯʂʉå∂å ғåɱℯʂ å¢ τʉʀƿɩʂ ℯgℯʂτåʂ. ɳʉℓℓå åτ ʀɩʂʉʂ. Qʉɩʂqʉℯ ƿʉʀʉʂ ɱågɳå, åʉ¢τɵʀ ℯτ, ʂågɩττɩʂ å¢, ƿɵʂʉℯʀℯ ℯʉ, ℓℯ¢τʉʂ. ɳåɱ ɱåττɩʂ, ғℯℓɩʂ ʉτ å∂ɩƿɩʂ¢ɩɳg