Poeta: Alberto de Oliveira

Conhecido como Alberto de Oliveira, Antônio Mariano Alberto de Oliveira nasceu em Palmital do Saquarema (RJ) no dia 28 de abril de 1857. Filho de Ana de Oliveira e José Mariano de Oliveira, estudou o primário em escola pública e formou-se, em 1884, em Farmácia. Além disso, estudou Medicina até o terceiro ano, onde conheceu e se tornou colega de Olavo Bilac.

A “tríade parnasiana” foi formada por Alberto de Oliveira, Olavo Bilac e Raimundo Correia. Alberto foi o que melhor adequou- se aos princípios parnasianos, logo tornou-se uma espécie de líder do movimento. Sua poesia é intelectualizada e fria, dando destaque ao preciosismo formal e linguístico. Já em pleno Modernismo, em 1924, sob a influência da Semana de Arte Moderna, Alberto de Oliveira foi eleito o “Príncipe dos Poetas”, no lugar ocupado anteriormente por Olavo Bilac. 

Embora tenha vivido 80 anos de profundas transformações econômicas, políticas, sociais e literárias, Alberto de Oliveira sempre foi fiel ao Parnasianismo. Foi considerado o mestre dessa estética e um dos mais perfeito parnasianos. Entre as principais obras de destaque estão: Canções Românticas (1878), Meridionais (1884), Sonetos e Poemas (1885), Versos e Rimas (1895), Série Poesias (1900), Poesias Escolhidas (1933), entre outras.

Vaso grego – Alberto de Oliveira

Esta de áureos relevos, trabalhadaDe divas mãos, brilhante copa, um dia,Já de aos deuses servir como cansada,Vinda do Olimpo, a um novo deus servia. Era o poeta de Teos que o suspendiaEntão, e, ora repleta ora esvasada,A taça amiga aos dedos seus tinia,Toda de roxas pétalas colmada. Depois… Mas, o lavor da taça admira,Toca-a, e …

Vaso grego – Alberto de Oliveira Leia mais »

Vaso chinês – Alberto de Oliveira

Estranho mimo aquele vaso! Vi-o,Casualmente, uma vez, de um perfumadoContador sobre o mármor luzidio,Entre um leque e o começo de um bordado. Fino artista chinês, enamorado,Nele pusera o coração doentioEm rubras flores de um sutil lavrado,Na tinta ardente, de um calor sombrio. Mas, talvez por contraste à desventura,Quem o sabe?… de um velho mandarimTambém lá …

Vaso chinês – Alberto de Oliveira Leia mais »

Fantástica – Alberto de Oliveira

Erguido em negro mármor luzidio,Portas fechadas, num mistério enorme,Numa terra de reis, mudo e sombrio,Sono de lendas um palácio dorme. Torvo, imoto em seu leito, um rio o cinge,E, à luz dos plenilúnios argentados,Vê-se em bronze uma antiga e bronca esfinge,E lamentam-se arbustos encantados. Dentro, assombro e mudez! quedas figurasDe reis e de rainhas; penduradasPelo …

Fantástica – Alberto de Oliveira Leia mais »

Beija-flores – Alberto de Oliveira

Os beija-flores, em festa,Com o sol, com a luz, com os rumores,Saem da verde floresta,Como um punhado de flores. E abrindo as asas formosas,As asas aurifulgentes,Feitas de opalas ardentesCom coloridos de rosas, Os beija-flores, em bando,Boêmios enfeitiçados,Vão como beijos voandoPor sobre os virentes prados; Sobem às altas colinas,Descem aos vales formosos,E espraiam-se após ruidososPela extensão …

Beija-flores – Alberto de Oliveira Leia mais »

Aspiração – Alberto de Oliveira

Ser palmeira! existir num píncaro azulado,Vendo as nuvens mais perto e as estrelas em bando;Dar ao sopro do mar o seio perfumado,Ora os leques abrindo, ora os leques fechando; Só de meu cimo, só de meu trono, os rumoresDo dia ouvir, nascendo o primeiro arrebol,E no azul dialogar com o espírito das flores,Que invisível ascende …

Aspiração – Alberto de Oliveira Leia mais »

A cancela da estrada – Alberto de Oliveira

Bate a cancela da estradaConstantemente. Cavaleiro, à disparada,Lá vai no cavalo ardente.Cavaleiro em descuidadaMarcha, lá vem indolente. Passa, ondeia levantadaA poeira, toldando o ambiente. Bate a cancela da estradaConstantemente. Bate, e exaspera-se e bradaOu chora contra o batente:(Ninguém lhe ouve na arrastada,Roufenha voz o que sente) — “Minha vida desgraçadaRepouso não me consente;Vivo a bater …

A cancela da estrada – Alberto de Oliveira Leia mais »

Horas mortas – Alberto de Oliveira

Breve momento após comprido diaDe incômodos, de penas, de cansaçoInda o corpo a sentir quebrado e lasso,Posso a ti me entregar, doce Poesia. Desta janela aberta, à luz tardiaDo luar em cheio a clarear no espaço,Vejo-te vir, ouço-te o leve passoNa transparência azul da noite fria. Chegas. O ósculo teu me vivificaMas é tão tarde! …

Horas mortas – Alberto de Oliveira Leia mais »

Afrodite – Alberto de Oliveira

I Móvel, festivo, trépido, arrolando,À clara voz, talvez da turba iriadaDe sereias de cauda prateada,Que vão com o vento os carmes concertando, O mar, — turquesa enorme, iluminada,Era, ao clamor das águas, murmurando,Como um bosque pagão de deuses, quandoRompeu no Oriente o pálio da alvorada. As estrelas clarearam repentinas,E logo as vagas são no verde …

Afrodite – Alberto de Oliveira Leia mais »

Terceiro canto – Alberto de Oliveira

I Embala-me, balanço da mangueira,Embala-me, que enquanto vou contigo,Contigo venho, o meu pesar esqueço.Rompe a luz da manhã rosada e linda,Tudo desperta. E essa por quem padeço,Lânguida e preguiçosa,Entre brancos lençóis repousa ainda.Embala-me, pendente da mangueira,Na tensa corda, meu balanço amigo!Em claro a noite inteiraPassei, pensando nela. Ah! que formosaEstava ontem à tarde no mirante,Um …

Terceiro canto – Alberto de Oliveira Leia mais »