Ô abre alas

Ô Abre Alas,
Que eu quero passar

Ô Abre Alas,
Que eu quero passar

Eu sou da Lira,
Não posso negar

Eu sou da Lira,
Não posso negar

Ô Abre Alas,
Que eu quero passar

Ô Abre Alas,
Que eu quero passar

Rosas de Ouro é quem vai ganhar!

Rosas de Ouro é quem vai ganhar!

Periquitinho verde

Meu periquitinho verde
Tire a sorte por favor
Eu quero resolver
Este caso de amor
Pois se eu não caso
Neste caso eu vou morrer

O que eu não quero
É depois de me casar
Ouvir a filharada
Noite e dia a me amolar
Pois eu juro que não tenho
Paciência de aturar
“mamãe eu quero mamar”

Upa upa (meu trolinho)

Lá vai o meu trolinho
Vai rodando de mansinho
Pela estrada além
Vai levando pro seu ninho

Meu amor, o meu carinho
Que eu não troco por ninguém

Upa! Upa! Upa!
Cavalinho alazão
Hê! Hê! Hê! Hê!
Não erre de caminho não
Vai assim
Vai assim
Sempre assim, pra minha sorte
Não ter fim

O sanfoneiro só tocava isso

O baile lá na roça
Foi até o sol raiar.
A casa estava cheia,
Mal se podia andar.
Estava tão gostoso
Aquele reboliço
Mas é que o sanfoneiro
Só tocava isso…

(solo de sanfona)

De vez em quando, alguém
Vinha pedindo pra mudar.
O sanfoneiro ria
Querendo agradar.
Diabo é que a sanfona
Tinha qualquer enguiço,
Mas é que o sanfoneiro
Só tocava isso…

(solo de sanfona)