Menino caçador

Quando vejo uma corrida serra abaixo descambando
Me lembro do goianinho quando tinha quinze anos
O seu pai chegou e disse, pegue aqui minha dois canos
Acompanhe os caçadores que estou pouco enxergando
Ele pegou a cartucheira e colocou em sua cintura
E disse pros companheiros não repare a estatura
Tenho fé que esse moleque vai fazer boa figura
Se ele puxar o pai a chumbada é segura

Soltaram os americanos bem no pé de uma espera
Naquelas matas sombrias onde que as pintadas béra
A onça dava miado que tremia toda a serra
Goianinho de coragem ficou sozinho na espera
Quando a corrida apontou dois tiros abalou o sertão
Goianinho foi ligeiro e acertou no coração
A onça veio na fumaça bem na sua direção
E numa luta de morte rolaram os dois pro grotão

Meu corpo até arrepia quando lembro essa passagem
Goianinho estava morto debaixo de uma ramagem
Mais na frente estava a onça, o terror dessas paragens
Os cachorros em silêncio na derradeira homenagem
Naquele espigão de serra nunca mais ninguém caçou
Quando canta uma cigarra numa tarde de calor
Uma buzina de longe enche um coração de dor
Pelo toque o povo fala, é o menino caçador