Cidadao

51 comentários

Zé Ramalho

Tá vendo aquele edifício moço
Ajudei a levantar
Foi um tempo de aflição, era quatro condução
Duas pra ir, duas pra voltar
Hoje depois dele pronto
Olho pra cima e fico tonto
Mas me vem um cidadão
E me diz desconfiado
"Tu tá aí admirado ou tá querendo roubar"
Meu domingo tá perdido, vou pra casa entristecido
Dá vontade de beber
E pra aumentar meu tédio
Eu nem posso olhar pro prédio que eu ajudei a fazer
Tá vendo aquele colégio moço
Eu também trabalhei lá
Lá eu quase me arrebento
Fiz a massa, pus cimento, ajudei a rebocar
Minha filha inocente vem pra mim toda contente
"Pai vou me matricular"
Mas me vem um cidadão:
"Criança de pé no chão aqui não pode estudar"
Essa dor doeu mais forte
Por que é que eu deixei o norte
Eu me pus a me dizer
Lá a seca castigava, mas o pouco que eu plantava
Tinha direito a comer
Tá vendo quela igreja moço, onde o padre diz amém
Pus o sino e o badalo, enchi minha mão de calo
Lá eu trabalhei também
Lá foi que valeu a pena, tem quermesse, tem novena
E o padre me deixa entrar
Foi lá que Cristo me disse:
"Rapaz deixe de tolice, não se deixe amendrontar
Fui eu quem criou a terra
Enchi o rio, fiz a serra, não deixei nada faltar
Hoje o homem criou asas e na maioria das casas
Eu também não posso entrar"


51 comments on “Cidadao

  1. ALINE disse:

    gostaria de ter acesso a interpretaçao da musica cidadão, sou professora e vou trabalhar essa musica com os alunos

  2. Sérgio Soeiro disse:

    Atendendo a solicitação da Aline:

    A música “Cidadão” foi composta na década de 70 pelo poeta baiano Lúcio Barbosa, em homenagem ao seu tio Ulisses.
    Ela narra a saga de um eu-lírico que trabalha como pedreiro, mas em razão da sua condição humilde, não pode freqüentar nenhuma das obras por ele construídas. A inspiração veio do fato do tio também ser pedreiro, ter construído inúmeras obras na cidade grande, mas não possuir casa própria.
    É uma música forte que aborda o preconceito e a discriminação que os nordestinos sofrem nas grandes cidades e faz referência a alguns problemas sociais, tais como moradia, educação e trabalho.
    O título “Cidadão” é proposital para demonstrar distanciamento entre os indivíduos privilegiados, em pleno gozo dos direitos civis e políticos, ou no desempenho de seus deveres para com o Estado, e demonstra que a sociedade burguesa pode ser muito cruel, quando não considera as pessoas pobres como “cidadãs”.
    Nas duas primeiras estrofes o Eu-lírico cita sempre a presença de um “cidadão” que o proíbe de entrar nos lugares, mas, na verdade, ele próprio não é capaz de enxergar-se como cidadão. Ou seja, em sua cabeça, o “cidadão” que o proíbe está em pleno gozo de seus direitos civis, e a ele, como cidadão excluído, cabe desempenhar os deveres para com o estado.
    Sentindo-se excluído, cita outra faceta comum de infortúnio que cerca os desprivilegiados: a falta de lazer e o alcoolismo (“meu domingo está perdido / Dá vontade de beber”).
    Ele também faz questão de incluir as pessoas de seu universo social também como seres excluídos (“minha filha inocente, vem pra mim toda contente…”) e mostra o preconceito entre os “Brasis” rico (sul) e pobre (norte) usando os advérbios “lá” e “cá” (Lá a seca castigava… / Aqui não pode estudar…).
    Na última estrofe o poeta, como bom nordestino, demonstra toda a fé que deposita no filho de Deus, pois o considera também excluído pela sociedade. Nesta estrofe ele faz questão de não usar o termo “cidadão” para enfatizar que, como ele, Cristo também serviu (“fui em quem criou a terra, enchi os rios, fiz a serra…”) e a maioria dos “cidadãos” também virou-lhe as costas (“e na maioria das casas eu também não posso entrar.

    Aline, espero que a análise possa lhe ajudar, ok?. Boa sorte.

  3. Elizabeth de viveiros Silva disse:

    Quero trabalhar com alunos de 1º,2º e3 ano, DISCIPLINA FILOSOFIA

  4. JORDANA NEVES disse:

    Sergio, parabens, você demonstra ser um conhecedor fiel da MPB!Gostaria de trocar umas ideias com você. Você tem orkut?

  5. Ciro disse:

    Analisando rapidamente.
    Vemos nessa letra a injustiça e o desnível da sociedade e uma classe de pessoas que nunca vão participar de certos lugares ou ambientes.
    Quando ele diz:
    “Ta vendo aquela igreja moço, onde o padre diz amém
    Pus o sino e o badalo, enchi minha mão de calo
    Lá eu trabalhei também.”
    Sempre que vc olha para uma igreja logo vc avista uma torre a qual aponta para o ceu,
    onde é a morada de DEUS.
    Quando ele diz:
    “Foi lá que Cristo me disse:
    Rapaz deixe de tolice, não se deixe amedrontar
    Fui eu quem criou a terra
    Enchi o rio, fiz a serra, não deixei nada faltar
    Hoje o homem criou asas e na maioria das casas
    Eu também não posso entrar”
    A maioria das pessoas está preocupada com o momento deles mesmo sem se preocupar no porvir.
    O homem se acha auto-suficiente e DEUS esta batendo a porta do coração do homem, mas ele não abre a porta pra DEUS.

  6. eu disse:

    eu acho que foi assim

  7. mariana nere disse:

    gostaria de receber a interpretaçao da musica cidadao.

  8. tamires disse:

    citi algumas diferenças sociais existentes no brasil

  9. adryanna souza disse:

    eu queria saber qual e a historia da da musica cidadao
    ?

  10. Débora disse:

    Ei, adryanna. Se você tivesse realmente interesse de saber alguma coisa da música Cidadão teria prestado atenção na análise número 9 do Sérgio Soeiro que está muito esclarecedora.
    Este sítio já foi muito bom… Atualmente o que se percebe é muita abobrinha de gente sem noção.

  11. Naiara Souza disse:

    A música faz uma reflexao do exodo rural que e um dos grandes problemas sociais do pais, pois muitos brasileiros saem do interior e vao para cidade, ficando muitas vezes subordinados a uma pessima condição de trabalho. O autor retrataa exclusao social, como os interesses capitalistas afetam diretamente a vida de cidadaos de baixa renda deixando-os à margem da sociedade onde a falta de oportunidades como de educção e habitação é uma consequencia direta da falta de açoes de policas publicas.

  12. Andréia disse:

    Qual é o nível superior do emissor?

  13. Yan martinez disse:

    UUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM BOIOLAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAASSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS

  14. Edna disse:

    Olá!
    Essa música foi escrita durante o regime militar, dá para relacionar a letra e o período em que foi feita?

  15. eliana disse:

    gostaria de ter acesso a interpretaçao da musica cidadão

  16. karoline disse:

    adorei a interpretação do sergio soeiro me ajudou muito com o meu trabalho de eascola.

  17. eryka disse:

    Adorei esta letra a descrisão dela é d+ muito legal mesmo muito interessante!!!!
    Posso até vela de outro lado do que pensei antes de analisa-la…

  18. anderson r disse:

    nada ver essa musica.

  19. andrei jones disse:

    essa music eh mto foda.

  20. andrei jones disse:

    q da hora essa musica. eu amei mto ela!!!!!!!!!!

  21. andrei jones disse:

    no fim da vontade de chorar. kkkkkkkkk.

  22. graciele disse:

    Linda musica, a letra além de bonita, infelizmente traduz a realidade desse mundo.

  23. graciele disse:

    linda,infelizmente a letra traduz a realidade desse mundo,bom que há pessoas que tenham essa visao e escrevem uma musica maravilhosa dessas.

  24. byya disse:

    como podemos observa essa letra demostra a realidade de muitos nordestinos que sai da sua regiao a procura de algo melhor e muitas vezes so se decepsiona por que a realidade e bem diferente
    la no sul o nordestino e visto com outros olhos …
    o egoismo, preconceito, despreso sao coisas que podemos observa principalmente na realidade de muitos . mas como na letra diz:homem deixa de tolise nao se deixa amendrotar fui eu que criei a terra enchi os rios fiz a serra e na maioria das casas nao posso entrar . deus que e soberano a tudo nao conseguiu a agrada a todos . mas se nao fosse aquele que se esforsa nao teria nada por isso ame a tudo e a todos o mas simples olhar e onde temos o mas puro coracao deixe o preconceito de lado que nao te levara a nada.

  25. fernanda disse:

    essa musica fala da seca do povo brasileiro

  26. Fernanda A. disse:

    Essa letra aborda alguns temas absolutamente comuns na sociedade atual.
    Primeiro, a migração do nordestino que foge da seca e da vida dura do sertão, acreditando que na cidade terá uma vida melhor.Porém após chegar naquele “mundo novo” percebe que a vida não será muito diferente pois se depara com problemas como a discrinação,a falta de emprego ou subempregos.
    Nesse novo contexto em que estão inseridos, eles precisam enfrentar a humilhação constante que o mundo capitalista impõe.
    A religião, então, é usada como meio de fugir da realidade de dor e miséria em que vivem.

  27. Fabiano disse:

    muito boa refeltea realidade e o cotidiano de todo trabalhador brasileiro e coloca um pouco de vergonha na kra dessas pessoas que ñ queremfazer nda. Ele também faz questão de incluir as pessoas de seu universo social também como seres excluídos !!!!!!

  28. ana lu disse:

    Fernanda,
    A religiao é usada como apoio para se encarar a realidade e nao para fugir dela.

  29. raul lia disse:

    nao gostei desse tipo de musica mas aachei bonita

  30. Eva Santana disse:

    Essa música é muito interessante. Ela retrata sobre a desigualdade social e a fé. Muitas pessoas sofrem da seca no sertão e vem para as cidades em busca de oportunidades de emprego, mas hoje muitas pessoas são egoístas não valorizam o trabalho de quem é mais pobre, mais que tem o trabalho tão importante quanto o de um advogado. E a música também mostra que o ponto de egoismo de algumas pessoas levam a elas esquecer de quem mais lhe ajudam que é Deus, hoje muitas pessoas não acreditam mais em Deus muitos só pensam no dinheiro. Isso foi o que entende da música, que por sinal é demais!

  31. william cardoso disse:

    tem gente que tá de brincadeira música maravilhosa

  32. william cardoso disse:

    Tem gente que tá de brincadeira…música linda

  33. substitui algumas palavras peço licença ao autor….tá vendo aquela escola moç0 eu tambem trabalhei lá mas com a municipalização hoje lá não posso entrar

  34. Renato disse:

    A grande sacada desta música é o final, pois mostra que o importante não é a conquista material, e que mesmo que você seja injustiçado pelos homens, porém bem espiritualmente você será feliz. A religião não é fuga da realidade, e igreja para mim não tem haver com religião, poderia ter dito um centro espírita, candomblé, mas sim com paz interior. Veja que ele fala que no norte era ruim para ele tinha o que comer, aqui ele materialmente pode ter mais coisas, mas não tem paz e não é feliz.

  35. carlos fabio gondim duarte disse:

    ela denuncia esta nossa sociedade que e hipocrita e demagoga (politica e religiosa)onde o povo mais humilde e menos afortunado è escravizado e marginalizado, pois eles são verdadeiros atores de tv e teatro, cobras venenosas e covas caiadas

  36. Ice Boy Stanley disse:

    gosto de comer cú escutando zé ramalho

  37. meus alunos fizeram um teatro desta musica uma peça era do meu ex professor sergio leçaele tocava violão e cantava as musicas de chico buarque de olanda meu guri

  38. Muhammad disse:

    quais são os instrumentos utilizados nessa usica

  39. Leila disse:

    Trabalhar em sala de aula

  40. tony disse:

    essa musica acho eu que pode ter sido expirada pela a imigração nordestina ou imigração brasileira para Brasília na época de sua construção….e a descriminação presente em tal música era bem comum para os candangos na mesma.

  41. sheyza disse:

    qual a mensagem da musica cidadão ?

  42. Diana disse:

    Sheyza, se você realmente estivesse interessada deveria ler as várias interpretações já postadas pelos colaboradores, não acha? Tem uma do Sérgio Soeiro, em 30 de Agosto de 2010, que é bem completa. Falta de noção…

  43. Marcos Vitz disse:

    A música fala do sentimento de um humilde trabalhador nordestino que apesar de ter ajudado na construção da cidade não se sente valorizado pelo homem de melhor condição social, que é considerado o verdadeiro cidadão. Ao final, o seu consolo vem da palavra de Deus, que também se sente excluído por não deixá-lo entrar na casa de algumas pessoas, embora tenha construído o mundo.

  44. Ivone disse:

    Preciso pra dar aula

  45. Ivone disse:

    Pra aula

  46. se nós não conseguimos deixar verdadeiramente Deus entrar na casa dos nossos corações, como querer na casa do coração de alguém? disse:

    Muito ainda a aprender…

  47. janayna lira disse:

    Oi, gostaria de saber se concordam que essa música pode ser trabalhada em Revolução Socialista. Passou-me uma ideia e gostaria de saber o que pensam dela em relação a esse assunto.

  48. janayna lira disse:

    Além de Revolução Socialista, a Revolução Industrial também pode ser trabalhada com esta música? Estou falando nos dois casos em alienação do trabalho. Não sei se consigo passar o que tenho maquinado para esta música. Alguém pode me dizer se estou no caminho certo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *