Cara a Cara

1 comentários

Chico Buarque

Tenho um peito de lata
E um nó de gravata
No coração
Tenho uma vida sensata
Sem emoção
Tenho uma pressa danada
Não paro pra nada
Não presto atenção
Nos versos desta canção
Inútil

Tira a pedra do caminho
Serve mais um vinho
Bota vento no moinho
Bota pra correr
Bota força nessa coisa
Que se a coisa pára
A gente fica cara a cara
Cara a cara cara a cara
Bota lenha na fornalha
Põe fogo na palha
Bota fogo na batalha
Bota pra ferver
Bota força nessa coisa
Que se a coisa pára
A gente fica cara a cara
Cara a cara cara a cara

Tenho um metro quadrado
Um olho vidrado
E a televisão
Tenho um sorriso comprado
A prestação
Tenho uma pressa danada
Não paro pra nada
Não presto atenção
Nas cordas desse violão
Inútil

Tira a pedra do caminho (etc.)

Tenho o passo marcado
O rumo traçado sem discussão
Tenho um encontro marcado
Com a solidão
Tenho uma pressa danada
Não moro do lado
Não me chamo João
Não gosto nem digo que não
É inútil

Tira a pedra do caminho (etc.)

Vou correndo, vou-me embora
Faço um bota-fora
Pega um lenço agita e chora
Cumpre o seu dever
Bota força nessa coisa
Que se a coisa pára
A gente fica cara a cara
Cara a cara cara a cara
Com o que não quer ver


One comment on “Cara a Cara

  1. Juan Hernandes Lins da Costa disse:

    Com o que nós não queremos ficar cara a cara? Com o sorriso comprado a prestação? Corre, corre. Carl Jung disse que o homem vai fazer de tudo, até o mais absurdo para não ter que enfrentar a própria alma. Não queremos ficar cara a cara e ver que estamos funcionando como máquinas, e as coisas belas como o som das cordas do violão, não possuem valor algum, o importante é nunca esquecer de darmos corda no mecanismo, para melhor funcionarmos, tira a pedra do caminho, serve mais um vinho e tic-tac,tic-tac…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *