Poeta: Clarice Lispector

Natural de Tchetchelnik, Clarice Lispector nasceu em 10 de dezembro de 1920 na Ucrânia. A poetisa foi um dos maiores nomes femininos da história literária brasileira no Século XX. Graças aos seus romances inovadores e com sua linguagem extremamente poética, sua obra se destacou em relação aos modelos narrativos tradicionais da época. 

Clarice Lispector é considerada uma escritora intimista. Porém sua produção literária também envolve outros universos – sua obra também é filosófica, social e existencial. Em busca de uma linguagem única para expressar o estado da alma e suas paixões, a autora utilizou recursos técnicos modernos como o monólogo interior e a análise psicológica ao longo de sua obra; As histórias de Clarice raramente seguem a estrutura de um começo, um meio e um fim, sua ficção transcende o tempo e o espaço. Os personagens são postos em situações limite e são, com frequência, mulheres situadas em centros urbanos.

Clarice viveu quase duas décadas fora do Brasil. Dessa forma, acabou escrevendo muitas cartas aos amigos com um olhar cosmopolita, falando nas correspondências sobre as agruras da condição humana, os absurdos do cotidiano e as banalidades da vida. Suas cartas foram reunidas na obra Todas as Cartas publicada em 2020. Entre as suas principais obras estão: Lustre (1946), A Cidade Sitiada (1949), Alguns Contos (1952), Laços de Família (1960), A Maçã no Escuro (1961), A Paixão Segundo G.H (1961, entre outras.

O sonho – Clarice Lispector

Sonhe com aquilo que você quer ser,porque você possui apenas uma vidae nela só se tem uma chancede fazer aquilo que quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.Dificuldades para fazê-la forte.Tristeza para fazê-la humana.E esperança suficiente para fazê-la feliz. As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas.Elas sabem fazer o melhor das oportunidadesque aparecem …

O sonho – Clarice Lispector Leia mais »

Estrela perigosa – Clarice Lispector

Estrela perigosaRosto ao ventoMarulho e silêncioleve porcelanatemplo submersotrigo e vinhotristeza de coisa vividaárvores já floresceramo sal trazido pelo ventoconhecimento por encantaçãoesqueleto de idéiasora pro nobisDecompor a luzmistério de estrelaspaixão pela exatidãocaça aos vagalumes.Vagalume é como orvalhoDiálogos que disfarçam conflitos por explodirEla pode ser venenosa como às vezes o cogumelo é. No obscuro erotismo de vida …

Estrela perigosa – Clarice Lispector Leia mais »

Pertencer – Clarice Lispector

Mesmo minhas alegrias, como são solitárias às vezes. E uma alegria solitária pode se tornar patética. É como ficar com um presente todo embrulhado com papel enfeitado de presente nas mãos – e não ter a quem dizer: tome, é seu, abra-o! Não querendo me ver em situações patéticas e, por uma espécie de contenção, …

Pertencer – Clarice Lispector Leia mais »

Eu – Clarice Lispector

Sou composta por urgências:minhas alegrias são intensas;minhas tristezas, absolutas.Entupo-me de ausências,Esvazio-me de excessos.Eu não caibo no estreito,eu só vivo nos extremos. Pouco não me serve,médio não me satisfaz,metades nunca foram meu forte! Todos os grandes e pequenos momentos,feitos com amor e com carinho,são pra mim recordações eternas.Palavras até me conquistam temporariamente…Mas atitudes me perdem ou …

Eu – Clarice Lispector Leia mais »

Precisão – Clarice Lispector

O que me tranquilizaé que tudo o que existe,existe com uma precisão absoluta.O que for do tamanho de uma cabeça de alfinetenão transborda nem uma fração de milímetroalém do tamanho de uma cabeça de alfinete.Tudo o que existe é de uma grande exatidão.Pena é que a maior parte do que existecom essa exatidãonos é tecnicamente …

Precisão – Clarice Lispector Leia mais »

Quero escrever o borão vermelho de sangue – Clarice Lispector

Quero escrever o borrão vermelho de sanguecom as gotas e coágulos pingandode dentro para dentro.Quero escrever amarelo-ourocom raios de translucidez.Que não me entendampouco-se-me-dá.Nada tenho a perder.Jogo tudo na violênciaque sempre me povoou,o grito áspero e agudo e prolongado,o grito que eu,por falso respeito humano,não dei. Mas aqui vai o meu berrome rasgando as profundas entranhasde …

Quero escrever o borão vermelho de sangue – Clarice Lispector Leia mais »

Mão – Clarice Lispector

Agora preciso de tua mão,não para que eu não tenha medo,mas para que tu não tenhas medo.Sei que acreditar em tudo isso será,no começo, a tua grande solidão.Mas chegará o instante em que me darás a mão,não mais por solidão, mas como eu agora:Por amor. Clarice Lispector Autor: Clarice Lispector

Solidão – Clarice Lispector

…Que minha solidão me sirva de companhia.que eu tenha a coragem de me enfrentar.que eu saiba ficar com o nadae mesmo assim me sentircomo se estivesse plena de tudo. Clarice Lispector Autor: Clarice Lispector

Mas há a vida – Clarice Lispector

Mas há a vidaque é para serintensamente vivida, há o amor. Que tem que ser vividoaté a última gota.Sem nenhum medo.Não mata. Clarice Lispector Autor: Clarice Lispector

Sonhe – Clarice Lispector

Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que quer. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana. E esperança suficiente para fazê-la feliz. As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas. Elas sabem …

Sonhe – Clarice Lispector Leia mais »

Sou… – Clarice Lispector

… assombrada pelos meus fantasmas, pelo que é mítico e fantástico – a vida é sobrenatural. E eu caminho em corda bamba até o limite de meu sonho. As vísceras torturadas pela voluptuosidade Guiam-me, fúria dos impulsos. Antes de me organizar, tenho que me desorganizar internamente. Para experimentar o primeiro e passageiro estado primário de …

Sou… – Clarice Lispector Leia mais »

Nossa truculência – Clarice Lispector

Quando penso na alegria vorazcom que comemos galinha ao molho pardo,dou-me conta de nossa truculência.Eu, que seria incapaz de matar uma galinha,tanto gosto delas vivasmexendo o pescoço feioe procurando minhocas.Deveríamos não comê-las e ao seu sangue?Nunca.Nós somos canibais,é preciso não esquecer.E respeitar a violência que temos.E, quem sabe, não comêssemos a galinha ao molho pardo,comeríamos …

Nossa truculência – Clarice Lispector Leia mais »

O segredo – Clarice Lispector

Há uma palavra que pertence a um reino que me deixa muda de horror. Não espantes o nosso mundo, não empurres com a palavra incauta o nosso barco para sempre ao mar. Temo que depois da palavra tocada fiquemos puros demais. Que faríamos de nossa vida pura? Deixa o céu à esperança apenas, com os …

O segredo – Clarice Lispector Leia mais »

Passional – Clarice Lispector

Sou um ser totalmente passional.Sou movida pela emoção, pela paixão…. tenho meus desatinos…Detesto coisas mais ou menos.Não sei conviver com pessoas mais ou menos Não sei amar mais ou menos.Não me entrego de forma mais ou menos.Se você procura alguém coerente, sensata, politicamente correta, racional, cheia de moralismo… ESQUEÇA-ME!Se você sabe conviver com pessoas intempestivas, …

Passional – Clarice Lispector Leia mais »

A lucidez perigosa – Clarice Lispector

Estou sentindo uma clareza tão grandeque me anula como pessoa atual e comum:é uma lucidez vazia, como explicar?assim como um cálculo matemático perfeitodo qual, no entanto, não se precise. Estou por assim dizervendo claramente o vazio.E nem entendo aquilo que entendo:pois estou infinitamente maior que eu mesma,e não me alcanço.Além do que:que faço dessa lucidez?Sei …

A lucidez perigosa – Clarice Lispector Leia mais »

A perfeição – Clarice Lispector

O que me tranqüilizaé que tudo o que existe,existe com uma precisão absoluta.O que for do tamanho de uma cabeça de alfinetenão transborda nem uma fração de milímetroalém do tamanho de uma cabeça de alfinete.Tudo o que existe é de uma grande exatidão.Pena é que a maior parte do que existecom essa exatidãonos é tecnicamente …

A perfeição – Clarice Lispector Leia mais »

Sair da versão mobile