Poeta: Álvares de Azevedo

Escritor, Poeta e contista, Álvares de Azevedo foi um autor da Segunda Geração Romântica brasileira. Suas poesias retratam o seu mundo interior, ficando conhecido como “o poeta da dúvida”. Faz parte dos poetas que não davam tanto destaque a temas indianistas e nacionalistas, utilizados na Primeira Geração Romântica. Álvares de Azevedo mergulhava fundo em seu mundo interior e, graças as suas obras, se tornou patrono da cadeira n.º 2, da Academia Brasileira de Letras.

Álvares de Azevedo é um dos nomes mais importantes do “Ultra Romantismo”.  Também chamado de “Segunda Geração Romântica”, o movimento se caracterizou pelos poetas deixaram em segundo plano os temas tradicionais e darem ênfase as suas questões pessoais. Seus poemas falam constantemente das frustrações amorosas, do tédio da vida e dos sentimentos relacionados a morte. A figura da mulher aparece frequentemente em seus versos, ora como um anjo, ora como demônio, mas sempre distante e inacessível. Álvares de Azevedo transparecia em seus poemas, a marca de uma adolescência conflitante.

Álvaro de Azevedo não teve nenhuma obra publicada ao longo de sua vida. Álvares de Azevedo faleceu em 1852, com apenas 20 anos de idade. O livro Lira dos Vinte Anos foi a única obra preparada pelo autor. Após sua morte, suas obras foram publicadas e entre elas estão: Lira dos Vinte Anos (1853), A Noite na Taverna (1855), O Conde Lopo, poesia (1866), entre outras.

Malva maça – Álvares de Azevedo

De teus seios tão mimososQuem gozasse o talismã!Que ali deitasse a fronteCheia de amoroso afã!E quem nele respirasseA tua malva-maçã! Dá-me essa folha cheirosaQue treme no seio teu!Dá-me a folha… hei de beijá-laSedenta no lábio meu!Não vês que o calor do seioTua malva emurcheceu… (…) Descansar nesses teus braçosFora angélica ventura:Fora morrer — nos teus …

Malva maça – Álvares de Azevedo Leia mais »

Por mim? – Álvares de Azevedo

Teus negros olhos uma vez fitandoSenti que luz mais branda os acendia,Pálida de langor, eu vi, te olhando,Mulher do meu amor, meu serafim,Esse amor que em teus olhos refletia…Talvez! – era por mim? Pendeste, suspirando, a face pura,Morreu nos lábios teus um ai perdido…Tão ébrio de paixão e de ventura!Mulher de meu amor, meu serafim,Por …

Por mim? – Álvares de Azevedo Leia mais »

Lenço dela – Álvares de Azevedo

Quando, a primeira vez, da minha terraDeixei as noites de amoroso encanto,A minha doce amante suspirandoVolveu-me os olhos úmidos de pranto. Um romance cantou de despedida,Mas a saudade amortecia o canto!Lágrimas enxugou nos olhos belos…E deu-me o lenço que molhava o pranto. Quantos anos, contudo, já passaram!Não olvido porém amor tão santo!Guardo ainda num cofre …

Lenço dela – Álvares de Azevedo Leia mais »

Morena – Álvares de Azevedo

Ó Teresa, um outro beijo! e abandona-mea meus sonhos e a meus suaves delírios.JACOPO ORTIS É loucura, meu anjo, é loucuraOs amores por anjos… bem sei!Foram sonhos, foi louca ternuraEsse amor que a teus pés derramei! Quando a fronte requeima e delira,Quando o lábio desbota de amor,Quando as cordas rebentam na liraQue palpita no seio …

Morena – Álvares de Azevedo Leia mais »

Vagabundo – Álvares de Azevedo

Eu durmo e vivo ao sol como um cigano,Fumando meu cigarro vaporoso;Nas noites de verão namoro estrelas;Sou pobre, sou mendigo, e sou ditoso! Ando roto, sem bolsos nem dinheiro;Mas tenho na viola uma riqueza:Canto à lua de noite serenatas,E quem vive de amor não tem pobreza. Não invejo ninguém, nem ouço a raivaNas cavernas do …

Vagabundo – Álvares de Azevedo Leia mais »

Meu sonho – Álvares de Azevedo

EU Cavaleiro das armas escuras,Onde vais pelas trevas impurasCom a espada sanguenta na mão?Porque brilham teus olhos ardentesE gemidos nos lábios frementesVertem fogo do teu coração? Cavaleiro, quem és? o remorso?Do corcel te debruças no dorso….E galopas do vale através…Oh! da estrada acordando as poeirasNão escutas gritar as caveirasE morder-te o fantasma nos pés? Onde …

Meu sonho – Álvares de Azevedo Leia mais »

Sem título – Álvares de Azevedo

ITenho um seio que deliraComo as tuas harmonias!Que treme quando suspira,Que geme como gemias! IITenho músicas ardentes,Ais do meu amor insano,Que palpitam mais dormentesDo que os sons do teu piano! IIITenho cordas argentinasQue a noite faz acordar,Como as nuvens peregrinasDas gaivotas do alto mar! IVComo a teus dedos lindinhosO teu piano gemer,Vibra-me o seio aos …

Sem título – Álvares de Azevedo Leia mais »

Meu desejo – Álvares de Azevedo

Meu desejo? era ser a luva brancaQue essa tua gentil mãozinha aperta:A camélia que murcha no teu seio,O anjo que por te ver do céu deserta…. Meu desejo? era ser o sapatinhoQue teu mimoso pé no baile encerra….A esperança que sonhas no futuro,As saudades que tens aqui na terra…. Meu desejo? era ser o cortinadoQue …

Meu desejo – Álvares de Azevedo Leia mais »

Fantasia – Álvares de Azevedo

Quanti dolci pensier, quanto disio!DANTE C’est alors que ma voixMurmure un nom tout bas… c’est alors que je voisM’apparaître à demi, jeune, voluptueuse,Sur ma couche penchée une femme amoureuse!………………………..Oh! toi que j’ai rêvée,Femme à mes longs baisers si souvent enlevée,Ne viendras-tu jamais?………………………..CH. DOVALLE À noite sonhei contigo…E o sonho cruel maldigoQue me deu tanta ventura.Uma …

Fantasia – Álvares de Azevedo Leia mais »

Fragmento de um canto em cordas de bronze – Álvares de Azevedo

Deixai que o pranto esse palor me queime,Deixai que as fibras que estalaram doresDesse maldito coração me vibremA canção dos meus últimos amores! Da delirante embriaguez de bardoSonhos em que afoguei o ardor da vida,Ardente orvalhos de febris pranteios,Que lucro à alma descrida? Deixai que chore pois. — Nem loucas venhamConsolações a importunar-me as dores:Quero …

Fragmento de um canto em cordas de bronze – Álvares de Azevedo Leia mais »

Idéias íntimas – Álvares de Azevedo

FRAGMENTO.La chaise ou je m’assieds, la natte ou je me couche,La table ou je t’écris, ……………………….…………………………………………….Mes gros souliers ferrés, mon bâton, mon chapeau,Mes livres pêle-mêle entassés sur leur planche……………………………………………..De cet espace étroit sont tout l’ameublement.LAMARTINE. Jocelyn. I Ossian o bardo é triste como a sombraQue seus cantos povoa. O LamartineE’ monótono e belo como a …

Idéias íntimas – Álvares de Azevedo Leia mais »

Despedida – Álvares de Azevedo

Se entrares, ó meu anjo, alguma vezNa solidão onde eu sonhava em ti,Ah! vota uma saudade aos belos diasQue a teus joelhos pálido vivi! Adeus, minh’alma, adeus! eu vou chorando…Sinto o peito doer na despedida…Sem ti o mundo é um deserto escuroE tu és minha vida… Só por teus olhos eu viver podiaE por teu …

Despedida – Álvares de Azevedo Leia mais »

Eutanásia – Álvares de Azevedo

Ergue-te daí, velho! ergue essa fronte onde o passado afundou suas rugas como o vendaval no Oceano, onde a morte assombrou sua palidez como na face do cadáver, onde o simoun do tempo ressicou os anéis louros do mancebo nas cãs alvacentas de ancião?Por que tão lívido, ó monge taciturno, debruças a cabeça macilenta no …

Eutanásia – Álvares de Azevedo Leia mais »

Amor – Álvares de Azevedo

Amemos! Quero de amorViver no teu coração!Sofrer e amar essa dorQue desmaia de paixão!Na tu’alma, em teus encantosE na tua palidezE nos teus ardentes prantosSuspirar de languidez! Quero em teus lábio beberOs teus amores do céu,Quero em teu seio morrerNo enlevo do seio teu!Quero viver d’esperança,Quero tremer e sentir!Na tua cheirosa trançaQuero sonhar e dormir! …

Amor – Álvares de Azevedo Leia mais »

Anjinho – Álvares de Azevedo

And from her fresh and unpolluted fleshMay violets spring!HAMLET Não chorem! que não morreu!Era um anjinho do céuQue um outro anjinho chamou!Era uma luz peregrina,Era uma estrela divinaQue ao firmamento voou! Pobre criança! dormia:A beleza reluziaNo carmim da face dela!Tinha uns olhos que choravam,Tinha uns risos que encantavam!Ai meu Deus! era tão bela! Um anjo …

Anjinho – Álvares de Azevedo Leia mais »

Sair da versão mobile