Elis Regina

Terra de ninguém

Segue nessa marcha triste 
Seu caminho aflito 
Leva só saudade 
E a injustiça que só lhe foi feita 
Desde que nasceu 
Pelo mundo inteiro 
Que nada lhe deu

Anda, teu caminho é longo 
Cheio de incerteza 
Tudo é só pobreza 
Tudo é só tristeza 
Tudo é terra morta 
Onde a terra é boa 
O senhor é dono 
Não deixa passar.

Para no final da tarde 
Tomba já cansado 
Cai um nordestino 
Reza uma oração 
Prá voltar um dia 
E criar coragem 
Prá poder lutar 
Pelo que é seu.

Mas… 
O dia vai chegar 
Que o mundo vai saber 
Não se vive sem se dar 
Quem trabalha é que tem 
Direito de viver 
Pois a terra é de ninguém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>