Candidato caô caô

Candidato caô caô

Caô, caô a justiça chegou …

Ele subiu o morro sem gravata
dizendo que gostava da raça, foi lá
na tendinha, bebeu cachaça e até
bagulho fumou

Foi no meu barracão, e lá
usou lata de goiabada como prato
eu logo percebi é mais um candidato

As próximas eleições
As próximas eleições
As próximas eleições

Fez questão de beber água da chuva
foi lá na macumba e pediu ajuda
bateu a cabeça no gongá
“deu azar”…


A entidade que estava incorporada disse:
– Esse político é safado cuidado na hora de votar!
também disse …

– Meu irmão se liga no que eu vou lhe dizer
hoje ele pede seu voto, amanhã manda a polícia lhe bater …


– Meu irmão se liga no que eu vou lhe dizer
hoje ele pede seu voto, amanhã manda a polícia lhe prender …

hoje ele…

Meu Bom Juiz

Aaaah, meu bom juiz
Não bata este martelo nem dê a sentença
Antes de ouvir o que o meu samba diz..
Pois este homem nao eh tao ruim qto o senhor pensa
Vou provar q lá no morro.. (2x)

Vou provar q lá no morro
Ele é rei, coroado pela gente..
É que eu mergulhei na fantasia e sonhei, doutor
Com o reinado diferente
É mas nao se pode na vida eu sei
Sim, ser um líder eternamente
Homem é gente..
Mas nao se pode na vida eu sei
Sim, ser um líder eternamente
Meu bom doutor,
O morro é pobre e a probreza nao é vista com franqueza
Nos olhos desse pessoal intelectual
Mas qdo eu alguem se inclina com vontade
Em prol da comunidade
Jamais será marginal
Buscando um jeito de ajudar o pobre
Quem quiser cobrar que cobre
Pra mim isto é mto legal
Eu vi todo juramento, triste e chorando de dor
Se o sr. presenciasse chorava tb doutor…

Aaaah, meu bom juiz, (meu bom juiz)
Não bata este martelo nem dê a sentença
Antes de ouvir o que o meu samba diz..
Pois este homem nao eh tao ruim qto o senhor pensa
Vou provar q lá no morro.. (2x)

Meu Pai É General De Umbanda

Tudo que eu peço a vovó ela faz
Também o que eu peço a vovô ele faz.

Ele é rei de Aruanda,mas vovó também manda
Quando os dois pedem juntos ninguem me passa pra trás
O que eu quero mais, o que eu quero mais

Tenho plena consciência e sempre andei correto.
Por isso sou bem protegido por Vovó Catarina e Pai Anacleto
Eles são meus protetores e garantem minha paz.
O que eu quero mais, o que eu quero mais.

Meu pai é general de umbandae assim é seu grito de guerra
Se Ogum perder demanda nunca mais desce na terra,
E em seguida ainda disse que filho de umbanda não cai.
O que eu quero mais, o que eu quero mais

Tudo que eu peço a vovó ela faz
Também o que eu peço a vovô ele faz.

Ele é rei de Aruanda,mas vovó também manda
Quando os dois pedem juntos ninguem me passa pra trás
O que eu quero mais, o que eu quero mais

Tenho plena consciência e sempre andei correto.
Por isso sou bem protegido por Vovó Catarina e Pai Anacleto
Eles são meus protetores e garantem minha paz.
O que eu quero mais, o que eu quero mais.

Meu pai é general de umbandae assim é seu grito de guerra
Se Ogum perder demanda nunca mais desce na terra,
E em seguida ainda disse que filho de umbanda não cai.
O que eu quero mais, o que eu quero mais

Minha Sogra Parece Sapatão

E com minha sogra eu não quero graça, a ela tenho muito respeito
Ela bebe cachaça e fuma charuto, tem bigode e cabelo no peito

Eu não sei não minha sogra parece sapatão
Não sei não minha sogra parece sapatão
Veja que mulher danada pra gostar de confusão
Ela tocou fogo no meu barraco e também quebrou minha televisão
Rasgou toda minha roupa e jogou fora o meu colchão

Eu não sei não minha sogra parece sapatão
Não sei não minha sogra parece sapatão

Ela é de dar sugesta e por qualquer coisa ela fica invocada
Só anda pela madruga com uma pá de mulher que é da barra pesada
Quando tá dormindo ronca que parece trovoada
Eu não sei não minha sogra parece sapatão
Não sei não minha sogra parece sapatão

Quando o malandro toca nela é aquele alvoroço
Ela faz assim para o esperto qual é a sua seu moço
Da fruta que voce gosta eu como até o caroço

Eu não sei não minha sogra parece sapatão

Na Boca Do Mato

Corcoviei
Corcoviei, saltei de banda e fiquei miudinho
Escorreguei, saí de fininho
Eu esqueci que na cana tem nó
É que eu fui convidado por dona Didi
Pra curtir um barato lá na sua “caxanga”
Na boca do mato e quase fecharam meu palitó

Corcoviei
Corcoviei, saltei de banda e fiquei miudinho…

Eu estava na minha bebendo uma “cerva”
E comendo ciscantia e pintou um negão
Todo ignorante e ela toda sem graça este é meu marido
A salvação é que eu não sou bobo
Aprendi na Bahia jogar capoeira
Com sabedoria, senão meu compadre eu estava perdido

Corcoviei
Corcoviei, saltei de banda e fiquei miudinho…
Corcoviei
Corcoviei, saltei de banda e fiquei miudinho…

Eu estava na minha bebendo uma “cerva”
E comendo ciscantia e pintou um negão
Todo ignorante e ela toda sem graça este é meu marido
A salvação é que eu não sou bobo
Aprendi na Bahia jogar capoeira
Com sabedoria, senão meu compadre eu estava perdido

Corcoviei
Corcoviei, saltei de banda e fiquei miudinho…

Na Hora Da Dura

Na hora da dura
Você abre o cadeado
E dá de bandeja
Os irmãozinhos pro delegado
Na hora da dura
Você abre o bico e sai cagüetando
Eis a diferença, mané, do otário pro malandro
Eis a diferença do otário pro malandro

E no pau-de-arara você confessou o que fez e não fez
E de madrugada gritava gemendo dentro do xadrez
Quando via o xerife se ajoelhava e ficava rezando
Eis a diferença, canalha, do otário pro malandro
Eis a diferença do otário pro malandro

Na hora da dura
Você abre o cadeado
E dá de bandeja
Os irmãozinhos pro delegado
Na hora da dura
Você abre o bico e sai cagüetando
Eis a diferença, mané, do otário pro malandro
Eis a diferença do otário pro malandro

E na colônia penal
Assim que você chegou
Deu de cara com os bichos que você cagoetou
Aí você foi obrigado a usar fio-dental e andar rebolando
Eis a diferença, canalha, do otário pro malandro
Eis a diferença do otário pro malandro

Na hora da dura
Você abre o cadeado
E dá de bandeja
Os irmãozinhos pro delegado
Na hora da dura
Você abre o bico e sai cagüetando
Eis a diferença, mané, do otário pro malandro
Eis a diferença do otário pro malandro

No Meu Barco

No meu barco só vai quem eu quiser
No meu barco só vai quem eu quiser
No meu barco só vai quem eu quiser
No meu barco só vai quem eu quiser

Meu barco sai da praça quinze
Com destino a Macaé
Levando a moçada para o pagode
E a ordem do dia é não levar mané
Só vai mesmo o malandro rife
Pra curujão não se ligar no endereço
O único papo de cadeado
É não vi, não sei, não conheço

No meu barco só vai quem eu quiser…

Não vai fim de festa, nem dedo duro
Nem fim de estrada também
Nem fim de barraco, nem dedo de gesso
Pra não caguetar ninguém
Nem meio pau, nem meio tijolo
Porque é o maior rabo de foguete
Pra quem não estiver me entendendo
Tudo isso quer dizer caguete

No meu barco só vai quem eu quiser…

Este time de comédia não vai poder viajar
Porque não respeita aquela lei
De ver, ouvir e calar
Tudo o que se passa no pagode
Sai caguetando depois
“Batendo” pra Deus e o mundo
Que a rapaziada da “dois”

No meu barco só vai quem eu quiser…
No meu barco só vai quem eu quiser…
No meu barco só vai quem eu quiser…

O Doutor Está na sua Capturação

O Doutor está na sua capituração
E o motivo da perseguição é que você errou
Você bateu na sua boa nêga Marion
Que lhe dava boa vida
Em uma cobertura no baixo Leblon
Você bateu na sua boa nêga Marion
Que lhe dava boa vida
Em uma cobertura no baixo Leblon

É o titular da 14o.DP
Quer saber o que é que você faz agora
Porque a nêga já “bateu” pra ele
Que você está jogando fora
Vai lá e bate um papo com o doutor
Porque a nêga já lhe entregou, você vai lá
Vai lá e bate um papo com o doutor
Porque a nêga já lhe entregou.

O Doutor está na sua capituração…

É o titular da 14o.DP…

O Doutor, ele está na sua capituração…

É o titular da 14o.DP…

Vai lá e bate um papo devagar
Porque se não o bicho vai pegar, você vai lá

O Malandro era Forte

Se eu não derrubasse, eu caia
Porque o malandro era forte
Ele dava pernada, dava cabeçada
Ele era de morte

Logo a mim que o malandro
Queria desmoralizar
Até a minha crioula de fé
Falou que na marra ele ia tomar

Eu então respondi:
_ Gosto de ver para acreditar
Conversa fiada matou carambola
E so com sujesta não vai me ganhar

E o cara babava
Igual a cachorro danado
Foi logo metendo a mão na turbina
E o povo gritando:
_Esse já é finado!
A propria lei é quem diz
Que a defesa é um direito sagrado
Ai eu meti a mão no meu ferro
Saí dando pipoco e derrubei o malvado

Os Direitos do Otário

Quem fala alto é malandro
E conhece a barra pesada
Otário só tem dois direitos
Tomar tapa
E não dizer nada…(2x)

Aonde pintar um otário
Tem caguetagem e malícia
Otário é a imagem do cão
E também cachorrinho
De policia…

Todo otário cagueta
É verdade
Não é esculacho
É que bolso de otário
É nas costas
Virado de boca prá baixo
É que bolso de otário
É nas costas
Virado de boca prá baixo…

Quem fala alto é malandro
E conhece a barra pesada
Otário só tem dois direitos
Tomar tapa
E não dizer nada…(2x)

Otário é um bicho safado
É mesmo uma praga ruim
E nasce no mundo inteiro
E destrói tudo igual
A cupim…

Olha se eu fosse um cavalo
Não ia sujar o meu nome
Se otário fosse capim
Aí eu morria de fome
Se otário fosse capim
Aí eu morria de fome…

Quem fala alto é malandro
E conhece a barra pesada
Otário só tem dois direitos
Tomar tapa
E não dizer nada…(2x)

É que aonde pintar
Um otário
Tem caguetagem e malícia
Otário é a imagem do cão
E também cachorrinho
De policia…

Todo otário cagueta
É verdade
Não é esculacho
É que bolso de otário
É nas costas
Virado de boca prá baixo
É que bolso de otário
É nas costas
Virado de boca prá baixo…

Quem fala alto é malandro
E conhece a barra pesada
Otário só tem dois direitos
Tomar tapa
E não dizer nada…(4x)

Overdose de Cocada

Alô rapaziada,
Se liga no refrão…

É cocada boa
Não é?
É cocada boa…
Ih
É cocada boa
Não é?
É cocada boa.

Outra vez pra marcar.

É cocada boa
Não é?
É cocada boa…
Não é?
É cocada boa.

Aí rapaziada, eu tô duro
Só quero a rapa da cocada
E mais nada!

Olha aí!
Já armei meu tabuleiro
Vendo pra qualquer pessoa
Tem da preta e tem da branca
E quem prova
Não enjoa, porque!

É cocada boa
Não é?
É cocada boa
É cocada boa
Não é?
É cocada boa…(2x)

Tem preto que come da branca
Tem branco que come da preta
Tem gosto pra todo freguês
Só não vale misturar
Vai numa de cada vez
Não misture o paladar
E overdose de cocada
Até pode te matar.
Só porque…

É cocada boa
Não é?
É cocada boa
É cocada boa
Não é?
É cocada boa…(2x)

O delega da área
Já mandou averiguar
“Que é que tem nessa cocada
Que tá todo mundo
Querendo comprar?”
Houve uma diligência
Só para experimentar
Eles provaram da cocada
E disseram doutor
Deixa isso prá lá!
Só porque…

(Repetir a Letra)

É cocada boa
Não é?
É cocada boa
É cocada boa
Não é?
É cocada boa…(final 5x)

Partideiro Indigesto

O Partideiro Indigesto do samba sou eu
É pura realidade sem esnobação
O meu talento é um dom e foi Deus quem me deu
É isso que digo pro time da oposição

O Partideiro Indigesto do samba sou eu…

Eu sei que o morro provou que o partido é maneiro
Apareceu mãe, padrinho e mandrinha como pioneiro
Mas nesse conto do vigário o morro não cai
Já falei que não cai
Porque quando o filho é bonito todo mundo é pai
Mas nesse conto do vigário o morro não cai
Já falei que não cai
Porque quando o filho é bonito todo mundo é pai

O Partideiro Indigesto do samba sou eu…

Não tolero conversa fiada e nem quais quais quais
E nem acredito também em malandro demais
Eu sei que a verdade dói mas tenho que dizer
Que eu tenho que dizer
Valor só se dá a quem tem doa a quem doer
Eu sei que a verdade dói mas tenho que dizer
Que eu tenho que dizer
Valor só se dá a quem tem doa a que doer

O Partideiro Indigesto do samba sou eu…

Eu sei que o incompetênte fica injuriado
Mas tem que engolir a verdade e ficar calado
Eu não tenho papa na língua e nem lero lero
Respeito ao sambista do morro é só isso que eu quero
Eu não tenho papa na língua e nem lero lero
Respeito ao sambista do morro é só isso que eu quero

Eu não tenho papa na língua e nem conversa fiada
Respeito ao sambista do morro deixem de palhaçada
Eu não tenho papa na língua e nem lero lero
Respeito ao sambista do morro é só isso que eu quero

Eu não tenho papa na língua e nem lero lero e nem sou caô
Respeito ao sambista do morro eu peço por favor
Eu não tenho papa na língua e nem lero lero
Respeito ao sambista do morro é só isso que eu quero

Pega Eu

-“Vagabundo é mala
Mas dessa vez
Ele não se deu bem
Foi assaltar casa de pobre
Vê só o que aconteceu”

O ladrão foi lá em casa
Quase morreu do coração
O ladrão foi lá em casa
Quase morreu do coração…

Já pensou se o gatuno
Tem um infarto, malandro?
E morre no meu barracão
Eu não tenho nada de luxo
Que possa agradar um ladrão
É só uma cadeira quebrada
Um jornal que é meu colchão
Eu tenho uma panela de barro
E dois tijolos como um fogão
O ladrão ficou maluco
De vê tanta miséria
Em cima de um cristão
Que saiu gritando pela rua
Pega eu que eu sou ladrão!
Pega eu!

Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão!

Heeeé!
Não assalto mais um pobre
Nem arrombo um barracão
Por favor, pega eu!

Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Hiiii!
Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão!

O lelé da cuca
Ele está no pinel
Falando sozinho de bobeação
Dando soco nas paredes
E gritando esse refrão
Pega eu!

Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Heeeé!
Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Não assalto mais um pobre
E nem arrombo um barracão…

Olha que!
O ladrão foi lá em casa
Quase morreu do coração
O ladrão foi lá em casa
Quase morreu do coração…

Já pensou se o gatuno
Tem um infarto, malandro?
E morre no meu barracão
Eu não tenho nada de luxo
Que possa agradar um ladrão
É só uma cadeira quebrada
Um jornal que é meu colchão
Eu tenho uma panela de barro
E dois tijolos como um fogão
O ladrão ficou maluco
De vê tanta miséria
Em cima de um cristão
Que saiu gritando pela rua
Pega eu que eu sou ladrão!
Pega eu!

Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Hiiii!
Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão!

Heeeé!
Não assalto mais um pobre
Nem arrombo um barracão
Por favor, pegue eu!

Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Hiiii!
Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão!

O lelé da cuca
Ele está no pinel
Falando sozinho de bobeação
Dando soco nas paredes
E gritando esse refrão
Pega eu!

Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Hiiii!
Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Olha que!
Eu não assalto mais um pobre
Nem arrombo um barracão
Por favor pegue eu!
Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Heeeé!
Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Não assalto mais um pobre
Nem arrombo um barracão
Por favor pega eu!
Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Pega eu!
Pega eu que eu sou ladrão
Heeeé!
Não assalto mais um pobre
Nem arrombo um barracão!

Piranha

Piranha não dá no mar, piranha
Somente na água doce se apanha
Tá ouvindo piranha?

(Refrão)

Piranha não dá no mar, piranha
Somente na água doce se apanha
Tá ouvindo piranha?

Não quero mais para mim
Aquela falsa mulher
Me comeu a carne toda
Deixou meu esqueleto em pé

E eu que fui dono de uma crioula
Desses tipo violão
Ela jogava baralho de ronda
Bebia cachaça e brigava na mão

Tá ouvindo piranha?

(Refrão)

Quando eu tava de bola cheia
A vida dela era só me beijar
Mas depois que eu fiquei duro
A malandra demais me tirou do ar

Eu só sei que a mulher é igual a cobra
Tem veneno de peçonha
Deixa o rico na miséria
E o pobre sem vergonha

(Refrão)

Eu batalho a vida inteira
Pra bancar essa mulher
E ela ainda diz a todo mundo
Que eu sou um tremendo zé mané

E eu que compro gemada, geléia
Aveia, maizena e catupiry
Tudo isso eu dou à crioula
Pra ela ter força de falar de mim

(Refrão)

A mulher de uns e outro
Quando ele vai viajar
Ela dá-lhe um beijinho na testa
E depois bota outro em seu lugar

Eu só sei que a mulher que engana o homem
Merece ser presa na colônia
Orelha cortada, cabeça raspada
Carregando pedra pra tomar vergonha

(Refrão)

Preconceito de Cor

Eu assino embaixo doutor por minha rapaziada
Somos criolos do morro mas ninguém roubou nada
Isso é preconceito de cor vou provar ao senhor

Porque é que o doutor não prende aquele careta
Que só faz mutreta e só anda de terno
Porém o seu nome não vai pró caderno
Ele anda na rua de pomba rôlo

A lei só é implacável para nós favelados
E protege o golpista , ele tinha de ser
O primeiro da lista
Se liga nessa doutor ih

É vê se dá um refresco isso não é pretexto
Pra mostrar serviço
Eu assumo o compromisso
Pago até a fiança da rapaziada

Porque que é que ninguém mete o grampo
Num pulso daquele de colarinho branco
Roubou jóia e o ouro da serra pelada

Somente o doutor que não sabe de nada

Produto Importado

Toda hora eu vendo
Essa mercadoria não é de encalhar
É produto estrangeiro
Que vem importado lá de Bogotá

Se está duro não chega perto
Porque fiado eu não posso vender
Coisa fina, custa caro
E dá muito trabalho pra gente trazer
Tem que ver de navio ou então de avião
Pra poder chgar aqui
E se você não tiver com grana
Também não tem chance para possuir

Toda hora eu vendo
Essa mercadoria não é de encalhar
É produto estrangeiro
Que vem importado lá de Bogotá

Em produtos importados
Não pode haver bagatela
Eu vendo para a elite
Classe média alta e baixa e também pra favela
Muita gente ai não gosta
Mas eu vou fazer o que
Quando eu não a massa reclama
Por isso eu não posso parar de vender

Toda hora eu vendo
Essa mercadoria não é de encalhar
É produto estrangeiro
Que vem importado lá de Bogotá

Quem Usa Antena É Televisão

“-Aê Meu irmão!
O Chico falou
Que não é vinte um
Que ninguém vai alugar
A cabeça dele
Prá botar antena
Que ele não é Embratel”

Lá na minha bocada
A crioula do Chico
Pedia socorro
Chorava, gemia
O coro comia
A nega apanhava
Que nem um ladrão
Isso aconteceu
Em uma madrugada
De segunda-feira
O Chico voltava
Lá da gafieira
E flagrou um esperto
No seu barracão…

Diz ai!
Ele disse
Que quem usa antena
É televisão
E só estava
Cobrando da nega
Essa vacilação…(2x)

O Chico bateu assim
Pro esperto
Só não vou te matar
Prá não correr esse risco
Meu barraco não é
O rio de São Francisco
Prá morar esse peixe vilão
Eh! E tem mais o seguinte
Vamos botar logo
As cartas mesa
Eu fico no barraco
E você leva a nega
Essa piranha brava
Eu não quero mais não
Diz ai!

Ele disse
Que quem usa antena
É televisão
E só estava
Cobrando da nega
Essa vacilação…(2x)

Lá na minha bocada
A crioula do Chico
Pedia socorro
Chorava, gemia
O coro comia
A nega apanhava
Que nem um ladrão
Isso aconteceu
Em uma madrugada
De segunda-feira
O Chico voltava
Lá da gafieira
E flagrou um esperto
No seu barracão
Diz ai!

Ele disse
Que quem usa antena
É televisão
E só estava
Cobrando da nega
Essa vacilação…(2x)

O Chico bateu assim
Pro esperto
Só não vou te matar
Prá não correr esse risco
Meu barraco não é
O rio de São Francisco
Prá morar esse peixe vilão
Eh! E tem mais o seguinte
Vamos botar logo
As cartas mesa
Eu fico no barraco
E você leva a nega
Essa piranha brava
Eu não quero mais não
Diz ai!

Ele disse
Que quem usa antena
É televisão
E só estava
Cobrando da nega
Essa vacilação…(3x)

Rapa Cuia

Eu fui na venda pra comprar anzol
Do mais pequenininho comprei somente um.
Eu fui no Rio Paraíba, fui pescar mussum
O sapo quando me viu falou pro seu colega assim:

Zum zum zum
Simbora
Zum zum zum

É, fui na venda pra comprar anzol
Do mais pequenininho comprei somente um.
Eu fui no Rio Paraíba, fui pescar mussum
O sapo quando me viu falou pro seu colega assim:

Zum zum zum
Simbora
Zum zum zum
Mussum sai fora
Zum zum zum

E rapa cuia (3x)
Suga neném (3)

O sapo disse pra sapa e disse pro mussum assim:

Zum zum zum
Simbora
Zum zum zum
Mussum sai fora
Zum zum zum

São Murungar

Me diz vovó, me diz vovó e tenha dó
Quem foi que botou maisena no meu pó
Me diz vovó, diz sim, diz sim, diz sim oh minha avó
Quem foi que botou maisena no meu pó

Eu vou lhe dar muita roupa, cachimbo novo maneiro
Vou enfeitar seu gongá e ampliar seu terreiro
Fumo, vela e vinho, vou gastar bango adoiado
Mas jogue os búzios minha velha e me diz que é esse safado

Me diz vovó, me diz vovó e tenha dó…

Tenha uma “pá de otário”, eles não prestão atenção
Cheiram maisena adoidado, depois diz que “tá doidão”
Eu prefiro andar sozinho pra não entrar numa fria
Sei que meu nariz é grande mas não é forno de padaria

Me diz vovó, me diz vovó e tenha dó…

Tem um moleque safado a fim de me esculachar
Misturou minha “rapa”, hoje eu não vou cafungar
Diz quem é ele vovó, juro por São Murungar
Essa canalha não perde por esperar

Me diz vovó, me diz vovó e tenha dó…

Sim, mas me deixe de cara com o gol
Diz quem é este mal cheirador eu vou mostrar para ele
O bicho solto que sou
Eu de joelho emploro e peço a minha vovó
Na pele arde me diz quem botou maisena no meu pó

Me diz vovó, me diz vovó e tenha dó…
Me diz vovó, me diz vovó e tenha dó…
Me diz vovó, me diz vovó e tenha dó…

Se Leonardo Dá Vinte..

Se Leonardo dá vinte
Por que é que eu não posso
Dá dois?…(2x)

Mesmo apertando na encolha
Malandro!
Pinta a sujeira depois…(2x)

Levei um bote perfeito
Com um baseado
Aceso na mão
Tomei um sacode
Regado a tapa
Pontapé e pescoção
Hiiiiiiiiii!
Eu fui levado
Direto à presença
Do dr. delegado
Ele foi logo gritando:
Vai se abrindo, malandro
E me conta tudo como foi
Eu respondi:
Se Leonardo dá vinte dr
Por que é que eu não posso
Dá dois?

“-A parada é essa
Aí dr mandou assim
Com o Malandro
Se liga!”

Leonardo é Leonardo
Me disse o doutor
Ele faz o que bem quer
E está tudo bem
Infelizmente é que
Na lei dos homens
A gente vale o que é
E somente o que tem
Ele tem imunidade prá dá
Quantos quiser
Porque é rico, poderoso
E não perde a pose
E você que é pobre, favelado
Só deu dois
Vai ficar grampeado
No doze
Hiiiiiiiiii!

Se Leonardo dá vinte
Por que é que eu não posso
Dá dois?…(2x)

Mesmo apertando na encolha
Malandro!
Pinta a sujeira depois…(2x)

Se Leonardo dá vinte
Por que é que eu não posso
Dá dois?…(2x)

Mesmo apertando na encolha
Malandro!
Pinta a sujeira depois…(2x)

Levei um bote perfeito
Com um baseado
Aceso na mão
Tomei um sacode
Regado a tapa
Pontapé e pescoção
Hiiiiiiiiii!
Eu fui levado
Direto à presença
Do dr. delegado
Ele foi logo gritando:
Vai se abrindo, malandro
E me conta tudo como foi
Eu respondi:
Se Leonardo dá vinte dr
Por que é que eu não posso
Dá dois?
Hiiiiiiiiii!

Se Leonardo dá vinte
Por que é que eu não posso
Dá dois?…(2x)

Mesmo apertando na encolha
Malandro!
Pinta a sujeira depois…(2x)

Leonardo é Leonardo
Me disse o doutor
Ele faz o que bem quer
Está tudo bem
Infelizmente é que
Na lei dos homens
A gente vale o que é
E somente o que tem
Ele tem imunidade prá dá
Quantos quiser
Porque é rico, poderoso
E não perde a pose
E você que é pobre, favelado
Só deu dois
Vai ficar grampeado
No doze
Hiiiiiiiiii!

Se Leonardo dá vinte
Por que é que eu não posso
Dá dois?…(2x)

Mesmo apertando na encolha
Malandro!
Pinta a sujeira depois…(2x)

Hiiiiiiiiii!
Se Leonardo dá vinte
Por que é que eu não posso
Dá dois?…(2x)

Mesmo apertando na encolha
Malandro!
Pinta a sujeira depois…(2x)

Hiiiiiiiiii!
Se Leonardo dá vinte
Por que é que eu não posso
Dá dois?…(2x)

Mesmo apertando na encolha
Malandro!
Pinta a sujeira depois…(2x)

Hiiiiiiiiii!
Se Leonardo dá vinte
Por que é que eu não posso
Dá dois?…(2x)

Eeeeeeh!
Mesmo apertando na encolha
Malandro!
Pinta a sujeira depois…(2x)

Sequestraram Minha Sogra

Sequestraram minha sogra, bem feito pro sequestrador
Ao invés de pagar o resgate, foi ele quem me pagou

Ele pagou o preço da mala que ele que ele carregou
Ele pagou a paga da praga que ele sequestrou
Ele pagou a mala sem alça que ele levou
Ele pagou a paga da praga que ele levou (2X)

O telefone tocou uma voz cavernosa pedindo um milhão
Pra libertar minha sogra que não vale nenhum tostão
Ela zuou no cativeiro, mordeu a mordaça e a algema quebrou
E até a bala do meu revólver a capeta da sua sogra chupou

Ele pagou o preço da mala que ele que ele carregou
Ele pagou a paga da praga que ele sequestrou
Ele pagou a mala sem alça que ele levou
Ele pagou a paga da praga que ele levou (2X)

Novamente toca o telefone invertendo a situação
Se eu recebesse a mejera de volta ele me dava o dobro da
Grana na mão
Já paguei por todos meus pecados me disse chorando o sequestrador
Vou me entregar a polícia e quando sair serei mais um pastor

Ele pagou o preço da mala que ele que ele carregou
Ele pagou a paga da praga que ele sequestrou
Ele pagou a mala sem alça que ele levou
Ele pagou a paga da praga que ele levou (2X)

Só Via Faca Voar

Fui n’um forró lá na cachanga do Abdias
Nunca vi tanta alegria e poeira levantar
Mas de repente quando bate meia-noite
Chegou um cara com uma foice mandando o forró parar
Mas se deu mal porque não foi de brincadeira
Apareceu tanta peixeira! Só via faca voar, voar, voar.

Só via faca voar
Só via faca voar
Só via faca voar, voar, voar…
Só via faca voar

E a culpada da encrenca
Foi Quitéria que deitou n’uma capela
Com o tal de Zé Gambá
O burburinho chegou no ouvido do marido
Foi aí que o boi traído correu lá pra confirmar
Pegou a nêga de chamego com o Zé
Quebrou a cara da mulher e começou o bafafá, vai lá!

E eu que tava no forró, no sapatinho
Fui saindo de mansinho me toquei no bambuzal
Faca voava que nem disco voador
E eu contando pro senhor. O senhor não vai acreditar, vai lá!

E Zé do fole saiu pra tomar um gole
Foi ai que ele deu mole não deu tempo de voltar
Zé do zabumba também entrou na quizumba
Levo um chute na bunda ficou de pernas pro ar, vai lá!

E Pindeleco, primo-avô de Zé Pelea
Lesco, lesco na orelha sombrancelha balançar
Uma foiçada quase arranca o cucuruco
Do tal de Joel Maluco que tentou apaziguar, vai lá!

Graças a Deus não houve morto nem ferido
Todo mundo era amigo foi cachaça pra danar
É que em forró não pode entrar nêgo enxerido
Se a mulher tá sem marido, o cabra tem que respeitar, vai lá!

Sua Cabeça Não Passa Na Porta

Oh meu amigo, a turma está fazendo festa (2x)
Olha aí! desse negócio que nasceu na sua testa (2x)

Seu amigo que é gavião
Está sempre contente e feliz
Todo dia ele dá um presente à sua criança e você nada diz
E a sua mulher, muito honesta, jura e diz que nem morta
Mas qualquer dia sua cabeça não passa na porta

Refrão

Vê se toma um chá de “simancol”
Pra sua moral ela não bagunçar
Quando você passa na esquina
A rapaziada começa a cantar:
Lá vai o mané
Por incrível que pareça
O chapéu do sem-vergonha
Está à três palmos da cabeça

Refrão

Tua Batata Tá Assando

Se quiser falar de mim, que fale agora.
Não deixe eu virar as costas, pra jogar conversa fora.

E sei perfeitamente bem que você fala de mim rasgado.
Diz que eu cheiro cocaína e fumo maconha adoidado.

Não satisfeito ainda disse
que eu toco qualquer embalo,
e também já fui até avião
quando morei no meu Morro do Galo.

Se quiser falar de mim, que fale agora.
Não deixe eu virar as costas, pra jogar conversa fora.

E sua monstruosa inveja, não deixa você crescer.
Meu sucesso permanente, ele incomoda muito a você.

O que vem debaixo não me atinge, porque eu sou um cidadão de bem.
Você me detona na minha ausência, é porque muito respeito me tem.

Olha aí,
Se quiser falar de mim, que fale agora.
Não deixe eu virar as costas, pra jogar conversa fora.

Olha aqui seu canalhocrata, preste bem atenção no que eu estou falando:
Você não perde por esperar, a tua batata tá assando.
Você falou de mim o que bem quis,
não fui na polícia seu cara-de-bode.
Quero ver se você vai fazer o mesmo,
quando eu lhe der um tremendo sacode.

Olha aí,
Se quiser falar de mim, que fale agora.
Não deixe eu virar as costas, pra jogar conversa fora.

Olha aí,
Se quiser falar de mim, que fale agora.
Não deixe eu virar as costas, pra jogar conversa fora.

Se quiser falar de mim, que fale agora.
Não deixe eu virar as costas, pra jogar conversa fora.

Olha aí,
Se quiser falar de mim, coisa ruim, que fale agora.
Não deixe eu virar as costas, pra jogar conversa fora.

Um Comédia nas Paradas

Em transação não há vacilação não, não
Porque não pode haver, não, não pode haver
Cheguei a observar um alemão sem saber viver
Em transação não há vacilação não, não
Porque não pode haver, não, não pode haver
Cheguei a observar um alemão sem saber viver

É que lá na minha área vacilão se atrapalha
E não consegue progredir é isso aí
Um comédia nas paradas perto da rapaziada
temos que nos prevenir
Eu vou lhe dizer uma verdade
Onde existe amizade não penetra falsidade
Havendo um clima nesta união
Se destaca o olho grande
Zero, zero, sete corujão
Havendo um clima nesta união
Se destaca o olho grande
Zero, zero, sete corujão

Coruja é um bicho safado com ar de tranquilo
Não marca que ele não passa de um crocodilo
E digo caguete é mesmo a imagem do cão
E até a própria polícia não gosta desse safadão
E digo caguete é mesmo a imagem do cão
E até os canadura tem bronca desse corujão

Em transação não há vacilação não, não…

É que lá na minha área vacilão se atrapalha…

Coruja é um bicho safado com ar de tranquilo…

E mas eu digo que caguete é a imagem do cão
E até os canadura tem bronca desse corujão
E digo caguete é mesmo a imagem do cão
E até a própria polícia não gosta desse safadão

Vingança Cruel

Eu hei de me vingar
Porque fui traído
Por uma que não soube me amar

Minha vingança será cruel,eu jurei
Vais me pagar com juros
As lágrimas que eu derramei

Vítimas da Sociedade

Se vocês estão a fim de prender o ladrão
Podem voltar pelo mesmo caminho
O ladrão está escondido lá embaixo
Atrás da gravata e do colarinho
O ladrão está escondido lá embaixo
Atrás da gravata e do colarinho

Só porque moro no morro
A minha miséria a vocês despertou
A verdade é que vivo com fome
Nunca roubei ninguém, sou um trabalhador
Se há um assalto à banco
Como não podem prender o poderoso chefão
Aí os jornais vêm logo dizendo que aqui no morro só mora ladrão

Se vocês estão a fim de prender o ladrão
Podem voltar pelo mesmo caminho
O ladrão está escondido lá embaixo
Atrás da gravata e do colarinho
O ladrão está escondido lá embaixo
Atrás da gravata e do colarinho

Falar a verdade é crime
Porém eu assumo o que vou dizer
Como posso ser ladrão
Se eu não tenho nem o que comer
Não tenho curso superior
Nem o meu nome eu sei assinar
Onde foi se viu um pobre favelado
Com passaporte pra poder roubar

Se vocês estão a fim de prender o ladrão
Podem voltar pelo mesmo caminho
O ladrão está escondido lá embaixo
Atrás da gravata e do colarinho
O ladrão está escondido lá embaixo
Atrás da gravata e do colarinho

No morro ninguém tem mansão
Nem casa de campo pra veranear
Nem iate pra passeios marítimos
E nem avião particular
Somos vítimas de uma sociedade
Famigerada e cheia de malícias
No morro ninguém tem milhões de dólares
Depositados nos bancos da Suíça

Se vocês estão a fim de prender o ladrão
Podem voltar pelo mesmo caminho
O ladrão está escondido lá embaixo
Atrás da gravata e do colarinho
O ladrão está escondido lá embaixo
Atrás da gravata e do colarinho

Vou Contar Até Três

Vai saindo de pinote malandragem
Senão já viu… que o fogo vai comer

[REFRÃO]

Você diz que faz e acontece
Agora que eu quero ver

Você diz que faz e acontece
Agora que eu quero ver

É que eu vou contar até três
O mais devagar vai desaparecer

Eu vou contar até três
O mais devagar vai desaparecer

Cheio de conversa fiada
Que lá na sua bocada não tem pra ninguém

É que eu recebi um alo federal
De quem te conhece muito bem

Dizendo que você entrega de bandeja
Por qualquer nota de cem

Dizendo que você entrega de bandeja
Por qualquer nota de cem

[REFRÃO]

Mas aqui na minha área
Você não vai ser feliz

Eu respeito até uma criança
Porque sei muito bem onde tem o nariz

Se não sair batido rapidinho
Vais comer capim pela raiz

Se não sair batido rapidinho
Vais comer capim pela raiz

Vovô Cantou pra Subir

Vovô cantou pra subir
Quando o dia clareou ( Diz aí…)
(Repete)

Olha o lembrete
Que vovô deixou
(Repete)

Você diz que está formoso
Mas está na corda bamba
Você engana todo mundo
Menos o povo de Aruanda
Você ia ser punido
Vovô pediu por você
Se continuar pisando
Aí o couro vai comer ( Vou dizer…)

Vovô cantou pra subir
Quando o dia clareou
(Repete)

Olha o lembrete
Que vovô deixou
(Repete)

Olha aí… caridade não se paga
Você sabe muito bem
Médium que cobra consulta
Não pode ajudar ninguém
É igual aquele que vendeu Cristo
O homem de Jerusalém
Guarde sempre este lembrete
E deixe de armação
Vovô não quer ver seu povo
Dando volta em seus irmãos

Vovô cantou pra subir…
(Repete início)

Zé Fofinho de Ogum

Zé fofinho de Ogum
Era um tremendo cento e setenta e um

Dizia que os búzios falavam
Tudo o que ele queria saber
Desde a hora de nascer
Até a hora em que ia morrer

Amarrava mulher, amansava marido
O Zé só faltava era fazer chover

E da esposa do delegado faz-me-rir
Ele tomou de montão
Pra dizer que o doutor andava lhe traindo
E ela pensando que ele era bom

Uma linda imagem de São Jorge
Em suas costas, muito bem tatuado
O Zé com um papo de caô-caô
Dizia que tinha o corpo fechado

E quando sujou geral
Ele pelo Santo não foi avisado
De repente pintou a caçapa
Era o Zé zero a zero com o delegado

O doutor muito invocado
Gritou o coro vai comer

Tira a roupa do malandro
E bate até o cavalo correr

Malandro Rife

Malandro é malandro mesmo
Malandro é malandro mesmo
Malandro é malandro mesmo
E o otário é otario mesmo

O malandro de primeira
Sempre foi considerado
Em qualquer bocada que ele chega
Ele é muito bem chegado
E quando tá caído não reclama
Sofre calado e não chora
Não bota culpa em ninguém
E nem joga conversa fora

Quem fala mal do maladro
Só pode ser por ciúme ou despeito
Malandro é um cara bacana
Homen de moral e de respeito
O defeito do malandro
É gostar de dinherio, amizade e mulher
Malandro tem cabeça feita
Malandro sabe o que quer

Quando o bom malandro é rife
Comanda bonito a sua transação
Não faz covardia com os trabalhadores
E àqueles mais pobres ele da leite e pão
Quando pinta um safado no seu morro
Assaltando operario botando pra frente
Ele mesmo arrepia o tremendo canalha
E depois enterra como indigente.

Malandro é Malandro e Mané é Mané

E malandro é malandro
Mané é mané
Podes crer que é
Malandro é malandro
E mané é mané
Diz aí!
Podes crer que é…

Malandro é o cara
Que sabe das coisas
Malandro é aquele
Que sabe o que quer
Malandro é o cara
Que tá com dinheiro
E não se compara
Com um Zé Mané
Malandro de fato
É um cara maneiro
Que não se amarra
Em uma só mulher…

E malandro é malandro
Mané é mané
Diz prá mim!
Podes crer que é
Malandro é malandro
E mané é mané
Olha aí!
Podes crer que é…

Já o Mané ele tem sua meta
Não pode ver nada
Que ele cagueta
Mané é um homem
Que moral não tem
Vai pro samba, paquera
E não ganha ninguém
Está sempre duro
É um cara azarado
E também puxa o saco
Prá sobreviver
Mané é um homem
Desconsiderado
E da vida ele tem
Muito que aprender…

E malandro é malandro
Mané é mané
Diz aí!
Podes crer que é
E malandro é malandro
E mané é mané
Diz prá mim!
Podes crer que é…

Malandro é o cara
Que sabe das coisas
Malandro é aquele
Que sabe o que quer
Malandro é o cara
Que tá com dinheiro
E não se compara
Com um Zé Mané
Malandro de fato
É um cara maneiro
Que não se amarra
Em uma só mulher…

E malandro é malandro
Mané é mané
Diz aí!
Podes crer que é
Ih!
Mas malandro é malandro
E mané é mané
Diz prá mim!
Podes crer que é…

Já o Mané ele tem sua meta
Não pode ver nada
Que ele cagueta
Mané é um homem
Que moral não tem
Vai pro samba, paquera
E não ganha ninguém
Está sempre duro
É um cara azarado
E também puxa o saco
Prá sobreviver
Mané é um homem
Desconsiderado
E da vida ele tem
Muito que aprender…

E malandro é malandro
Mané é mané
Diz prá mim!
Podes crer que é
E malandro é malandro
E mané é mané
Diz aí!
Podes crer que é
Eh!
Malandro é malandro
E mané é mané
Olha aí!
Podes crer que é
Sim!
Mas malandro é malandro
E mané é mané
Podes crer que é
E malandro é malandro
Mané é mané
Olha aí!
Podes crer que é!

Malandro Demais Vira Bicho

Eu já disse a você
Que malandro demais
Vira bicho
E também já lhe pedi
Prá você parar com isso…(2x)

Você diz a todo mundo
Coisas que você não faz
E na roda de malandro
Todos me chamam
Malandro demais
Deixa disso rapaz…

Eu já disse a você
Que malandro demais
Ele vira bicho
E também já lhe pedi
Prá você parar com isso
Eu já disse a você
Que malandro demais
Vira bicho
E também já lhe pedi
Prá você parar com isso…

Em toda área
Que você pinta
Diz logo que tá
Com a cabeça feita
Mas não vê que a moçada da Swat
Tá olhando você pela direita
Vê se você se ajeita…

Eu já disse a você
Que malandro demais
Vira bicho
E também já lhe pedi
Prá você parar com isso…(2x)

E como é que pode
Você dizer que é malandro
Levando tapa dos onus e outro
Você só vive apanhando
Honestamente
Eu já sei quem você é
É um tremendo fim de festa
Um pisa na bola, um Zé mané
Esse é ou não é?….

Eu já disse a você
Que malandro demais
Ele vira bicho
E também já lhe pedi
Prá você parar com isso
Eu já disse a você
Que malandro demais
Vira bicho
E também já lhe pedi
Prá você parar com isso…

Eh! você fala demais
Você fala demais
Você fala de mais, meu rapaz
Você fala de mais
Eu já disse a você…

Eu já disse a você
Que malandro demais
Vira bicho
E também já lhe pedi
Prá você parar com isso…(2x)

Malandragem Dá Um Tempo

Refrão:
Vou apertar
Mas não vou acender agora
Vou apertar
Mas não vou acender agora
Eh! Se segura malandro
Prá fazer a cabeça tem hora
Se segura malandro
Prá fazer a cabeça tem hora…

Eh, você não está vendo
Que a boca tá assim de corujão
Tem dedo de seta adoidado
Todos eles afim
De entregar os irmãos
Malandragem dá um tempo
Deixa essa pá de sujeira ir embora
É por isso que eu vou apertar
Mas não vou acender agora…ihhhhh!

Refrão:

É que o 281 foi afastado
O 16 e o 12 no lugar ficou
E uma muvuca de espertos demais
Deu mole e o bicho pegou
Quando os home da lei grampeia
Coro come a toda hora
É por isso que eu vou apertar
Mas não vou acender agora…ihhhhh!

Refrão:(2x)

É que o 281 foi afastado
O 16 e o 12 no lugar ficou
E uma muvuca de espertos demais
Deu mole e o bicho pegou
Quando os home da lei grampeia
O coro come toda hora
É por isso que eu vou apertar
Mas não vou acender agora…ihhhh!

Refrão: (4x)

Levanta a Cabeça

Eu sei que a dor no seu peito ainda há
Mas levanta a cabeça compadre
O que passou, passou
Mas porque a vida, ela sempre foi um perde ou ganha
Mas quem não bate, apanha, isso é muito natural

O importante é manter a cabeça
Erguida pra sicatrizar a ferida
E levantar a moral
O importante é manter a cabeça
Erguida pra sicatrizar a ferida
E levantar a moral

E eu também queria ver toda essa gente cantando e sambando
E a sua alegria extravazando
Mas infelizmente o destino não quiz

Essa tristeza pra longe a gente chuta
Evaristo assumiu o comando da luta
Pra fazer nosso povo feliz
Essa tristeza pra longe a gente chuta
Evaristo assumiu o comando da luta
Pra fazer nosso povo feliz

Eu sei que a dor no seu peito ainda há…

O importante é manter a cabeça…

E eu também queria ver toda essa gente cantando e sambando…

Essa tristeza pra longe a gente chuta…

Evaristo ainda disse que a tristeza ele também chuta
Seleção Brasileira no pódium da luta
Enquanto não fizer todo o Brasil sorrir
Essa tristeza pra longe a gente chuta
Evaristo assumiu o comando da luta
Pra fazer nosso povo feliz

Essa tristeza pra longe a gente chuta…

Justiça Social

Quase prendem meu disco houve um disse me disse
Pintaram o diabo, só porque em outro samba
Eu pedi para um homem não ser condenado
Fala mais alto a justiça lá do céu
Que atire a primeira pedra aquele que nunca foi réu
Fala mais alto a justiça lá do céu
Que atire a primeira pedra aquele que nunca foi réu

Eu sei que errar é humano
Na vida é comum tem a primeira vez
Mas vale é ser consciênte pois muito inoscênte
Já pagou por aquilo que não fez
É que a balaça da justiça social
Só pesa pra ler escrita isto não está legal
É que a balaça da justiça social
Só pesa pra ler escrita isto não está legal

Quase prendem meu disco houve um disse me disse…

Meus versos sem ser intelecto
Busca o mais certo para o bom viver
Eu sou o “Jô” e o “trigo” a mistura de amigos
Razão do meu ser
Eu sou a parte de quem foi e de quem fica
Sou élo da sociedade que o co-nome identifica
Eu sou a parte de quem foi e de quem fica
Sou élo da sociedade que o co-nome identifica

Quase prendem meu disco houve um disse me disse…

Fala mais alto a jutiça lá do céu
Que atire a primeira pedra aquele que nunca foi réu
Fala mais alto a jutiça lá do céu
Que atire a primeira pedra aquele que nunca foi réu
Fala mais alto a jutiça lá do céu
Que atire a primeira pedra aquele que nunca foi réu

Jogo Proibido

O tal jogo do balralho
da o maior galho
que nem gosto de lembrar
se a polícia estoura o jogo
sempre fica mais um bobo
que não soube se mandar
É pilhado em flagrante
e naquele mesmo instante
é metido no xadrez
Por querer bancar o sabido
nesse jogo proibido
paga pelas 36

então prefiro ser um simples operário
ser fiel ao meu trabalho
eu vejo a felicidade
falando sério
o que eu quero é liberdade
pra viver em paz comigo e com a sociedade
pra viver em paz comigo e com a sociedade

Iolanda

O Iolanda eu te amei
foste pra mim tão cruel
passei tanto tormentos por ti mulher
foste me tão infiel
quero te ver na rua com saco nas costa
catando papel (Bis)

Lá no meu morro do galo
tem uma vista bacana

a gente ve a barra da tijuca,leblon
ipanema e copacabana
canto samba de verdade
sou um partideiro nato
sou andré correa do morro do macaco

O Iolanda eu te amei
foste pra mim tão cruel
passei tanto tormentos por ti mulher
foste me tão infiel
quero te ver na rua com saco nas costa
catando papel (Bis)

Jogo baralho de ronda
por que gosto de jogar
também brigo na mão bonitinho malandro
quando é preciso brigar
Eu sou babao do salgueiro
um bom partideiro é o povo que diz
meu negócio é cantar samba
no meio de bamba sou muito feliz

O Iolanda eu te amei
foste pra mim tão cruel
passei tanto tormentos por ti mulher
foste me tão infiel
quero te ver na rua com saco nas costa
catando papel (Bis)

Lá no meu morro do galo,só não sobe quem não quer
sobe até motocicleta,dirigida pro mulher
eu sou sérgio fernandes
minha origem não posso esconder
meu umbigo está enterrado lá no cantagalo e falo com prazer

O Iolanda eu te amei
foste pra mim tão cruel
passei tanto tormentos por ti mulher
foste me tão infiel

quero te ver na rua com saco nas costa
catando papel (Bis)

Ilha Grande

A massa reclama de quem sente
E de quem não sente também
Em um mundo tão distante
Onde ninguém é de ninguém

A massa reclama de quem sente…

Ilha grande osso duro de roer
Onde sofrendo filho chora e mãe não vê
Ilha grande osso duro de roer
Onde sofrendo filho chora e mãe não vê

Chora reclamando a saudade
Do lugar onde nasceu e se ciou, ah meu Deus do céu
Sabe lá o que é viver sem liberdade
Pagando o que nunca lá comprou, nunca lá comprou
Em um abrir, fechar de olho
Você pode um dia não amanhecer, vou dizer porquê
Num lugar em que a cruel sociedade
Construiu pra suas vítimas esconder

Ilha grande osso duro de roer…

A massa reclama de quem sente…
A massa reclama de quem sente…

Ilha grande osso duro de roer…

Chora reclamando a saudade…

Ilha grande osso duro de roer…
Ilha grande osso duro de roer…

Fui Obrigado a Chorar

Olha que eu não sou fraco
Mais tive que chorar
Nada que faço dá certo
Só venho dando azar
Por isso eu chorei

Chorei,
Porque fui obrigado a chorar ( e eu também )

Emprestei uma grana a um amigo
Veja o que me aconteceu
No dia em que fui receber
Foi justamente o dia em que ele morreu
Eu comecei reclamar
O prejuízo que ele me deu
Mesmo não sendo parente
Fui obrigado a chorar
Logo agora que ele dançou
Eu só quero saber quem é que vai me pagar
Por isso eu chorei

Chorei,
Porque fui obrigado a chorar ( mais eu )

Reuni toda a sua família
Expliquei o meu assunto
Eles me responderam na cara de pau
Você abre o caixão e cobra o defunto
Quando entrei no cemitério
Uma voz me chamou do outro lado ( o Bezerra…)
Era a alma do falecido
Querendo mais um troco emprestado ( eu disse assim é demais )

E aí chorei,
Porque foi obrigado a chorar…

Foi o Dr. Delegado que Disse

Foi seu doutor delegado que disse
Ele disse assim, está piorando
Até filho de bacana, hoje em dia está roubando

E na semana passada quase perdi a patente
Só porque grampeei um rapaz boa pinta
Em Copacabana botando pra frente
Deu um flagrante perfeito mais o meu direito foi ao léu
O esperto além de ter a costa quente
Ainda era filho de um coronel

E o comissário do dia disse assim já é demais
Vou sair na capitura desse tal de satanás
O meu livro de ocorrência
A cada dia está aumentando
Eu também prendi um pastor com a Bíblia na mão
Em um supermercado roubando

Fofoqueiro é a Imagem do Cão

Fofoca pra mulher é feio
Pra barbado é pior, podes crer
Fofoca pra mulher é feio
Pra barbado é pior, podes crer
Assim como ele fala de você pra mim
Também mete o malho de mim pra você

É que fofoqueiro é um atraso de vida
Não é sujeito homem, é um safadão
Cara a cara não fala, só fala por trás
Ele até mete o malho na vida do cão
E quando o pilantra se vê prensado
Ele treme na base e começa a chorar
É que o coisa ruim é um tremendo patife
Cagueta os irmãos para se aguentar

Fofoca pra mulher é feio
Pra barbado é pior, podes crer
Fofoca pra mulher é feio
Pra barbado é pior, podes crer
Assim como ele fala de você pra mim
Também mete o malho de mim pra você

É que o língua ferina não é brincadeira
Ele faz a caveira até do satanás
Faz mulher casada perder o marido
E malandro passar o amigo pra trás
Esse prego chegou lá no céu
Logo organizou um tremendo conflito
Fez são pedro pegar são joão de bolacha
E são jorge guerreiro atropelou benedito
O canalhocrata foi expulso do céu
E parou no inferno como um indigente
Chegou lá inventou que o saci-pererê
Perdeu sua perna mancando com jeito

Fofoca pra mulher é feio
Pra barbado é pior, podes crer
Fofoca pra mulher é feio
Pra barbado é pior, podes crer
Assim como ele fala de você pra mim
Também mete o malho de mim pra você

Eu Tiro É Onda

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda

aquela linda morena
destaque da banda de ipanema
me amarrei, parei na dela
pra ela fiz um poema
e o nome da rosa, dengosa, faceira
é luar de luanda
perdi a nega no samba
e depois encontrei num terreiro de umbanda
ela foi no catimbó
e dei benção à vovó, saravá sua banda
e pedi muita paz a todos os orixás que vem lá de Aruanda

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda
eu também tiro onda…

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda

ponte piquena é pinguela
e pra passar por ela tem que se benzer
rua estreita é ruela
e macumba é cangerê
e no catimbó tem axé
tem ipó, quem manda
quem não reza pra Deus é ateu, farizeu e pra frente não anda

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda
diga que tira onda…

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda

olha aí, eu sou bom pescador
e quando jogo a rede
é ruim de me aturar
minha rede arrasta dourado e sapia
e até sereia do fundo do mar
eu não sou surfista
porem sou artista na crista da onda
nunca fui demagogo, mas sempre fui fogo no jogo de ronda

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda
todo mundo na onda…

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda

aquela linda morena
destaque da banda de ipanema
me amarrei, parei na dela
pra ela fiz um poema
e o nome da rosa, dengosa, faceira
é luar de luanda
perdi a nega no samba
e depois encontrei num terreiro de umbanda
ela foi no catimbó
e dei benção à vovó, saravá sua banda
e pedi muita paz a todos os orixás que vem lá de Aruanda
diga lá…

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda
diga que tira onda…

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda
diga que tira onda…

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda

eu tiro é onda ia ia
é onda…
eu tiro é onda ia ia
somente onda

Eu Sou Favela

” Em defesa de todas as favelas do meu Brasil,
aqui fala o seu embaixador”

A favela, nunca foi reduto de marginal
A favela, nunca foi reduto de marginal

Ela só tem gente humilde Marginalizada
e essa verdade não sai no jornal

A favela é, um problema social
A favela é, um problema social

Sim mas eu sou favela
Posso falar de cadeira
Minha gente é trabalhadeira
Nunca teve assistência social
Ela só vive lá
Porque para o pobre, não tem outro jeito
Apenas só tem o direito
A um salário de fome e uma vida normal.

A favela é, um problema social
A favela é, um problema social

Erva Proibida

-“O negócio é o seguinte:
Se Leonardo dá vinte
Porque que o Marcelo
Não pode dá dois?
-E eu tô aqui prá saber
Porque que essa erva
É proibida, Bezerra?
-Por que essa planta
É maneira e medicinal
Malandragem!

Doutor!
Deus criou a natureza
E também as belezas
Desta vida
O Planet Hemp quer saber
Por que é que essa erva
É proibida?…(2x)

Hiiii!
Tem gente que diz todo prosa
Esta planta é maneira
É medicinal
Só o chá da raiz faz milagre
E quem beber
Fica livre do mal
Ela alegra
Ela inspira, ela acalma
E deixa a moçada
De cuca legal
E aquele que perde a cabeça
É porque já tem parte
Com espírito mal…

Siiimm!

Preste atenção
Esta erva é que faz
Garrafada no norte
Manga rosa controla
A pressão
Agrião e saião
Deixam o pulmão forte…(2x)

O progresso está
Se alastrando
E o vegetal
Vai sumindo da praça
Com a natureza
Estão acabando
A cada dia que passa
E esse papo de caô caô
Seu doutor!
Me dá um nó na garganta
De vê o Gabeira lutando
Sozinho no congresso
Prá liberar nossa planta…

Preste atenção
Esta erva é que faz
Garrafada no norte
Manga rosa controla
A pressão
Agrião e saião
Deixam o pulmão forte…(2x)

Doutor!
Deus criou a natureza
E também as belezas
Desta vida
O Planet Hemp quer saber
Por que é que essa erva
É proibida?…(4x)

Em Seu Lar

Em seu lar, felicidade era eu
Em seu lar, alegria era eu
Você não soube me valorizar
Me perdeu…Me perdeu
Sim, eu fui carinho pra você
Fui todo ternura e muito mais
Não sei porque não me compreendeu
Em seu lar, hoje a saudade sou eu

Ele Cagueta com o Dedão do Pé

(Aí meu cumpadre Bezerra, o que que há?
Ó o cara rapaz, no orelhão de cabeça pra baixo!
Ih meu compadre Neli, ele tá caguentando com o dedão do pé!
É, isso é um tremendo safado, amizade!)

Caguete é caguete mesmo
Vejam só como ele é (2x)

É que cortaram as duas mãos do safado
Ele agora cagueta com o dedão do pé!
É que sentaram a mamona nas duas mãos do canalha
Ele entrega os irmãos com o dedão do pé!

REFRAO
É pois é,
O safado cagueta com o dedão do pé. (2x)

Ele é uma faca de dois gumes,
E também é formado em caguetação.
À noite ele tira plantão de coruja,
E no dia seguinte entrega os irmãos.
Já quebraram seus cornos várias vezes,
E já foi esculachado até por mulher.
Nem assim o patife não tomou vergonha,
Continua caguetando com o dedão do pé.

É pois é,
O safado cagueta com o dedão do pé. (2x)

Olha muito cuidado com esse coruja,
Porque tudo o que vê ele aponta.
E se você pedir segredo,
Aí mesmo é que o safado conta.
Só estou lhe mandando esse lembrete,
Pra você ficar de olho nesse jacaré.
Ele fica no orelhão de cabeça pra baixo
Discando denúncia com o dedão do pé!

Diga lá!

É pois é,
O safado cagueta com o dedão do pé, diz aí. (2x)

É Rabo de Saia

Eu fui no centro da vovó
Ela então me explicou
Você está todo amarrado
Por isso está na de horror
Eu aí lhe perguntei
O que é que me atrapalha
A vovó me respondeu veja só
É rabo de saia

É rabo de saia, é rabo de saia é
É rabo de saia vovó me falou é rabo de saia
É rabo de saia, é rabo de saia é
É rabo de saia vovó me falou é rabo de saia

O seu nome, o seu retrato
Na encruza ela botou
Sete pé de meia do seu pé esquerdo
E sete cuecas ela enterrou
Depois me deu um café
Pra você não ir embora
A água que ela fez esse café
Só servia pra jogar fora

É rabo de saia, é rabo de saia é…

Eu então bati cabeça
E pedi sua proteção
Me livre dessa serpente
Porque ela não tem coração
Vovó disse: Meu netinho
Leve essa oração
Vou mostrar a esse rabo de saia
Que filho de ogum não se joga no chão

É rabo de saia, é rabo de saia é…

É que eu fui no centro da vovó
Ela então me explicou
Você está todo amarrado
E por esse motivo está na de horror
Eu aí lhe perguntei
Por favor, diga o que é que me atrapalha
Sorrindo a vovó me respondeu veja só
É rabo de saia

É rabo de saia, é rabo de saia é…

É rabo de saia, guarde esse lembrete
é rabo de saia o combinado foi um rabo de foguete
É rabo de saia, é rabo de saia é…

É Ladrão Que Não Acaba Mais

Quando Cabral aqui chegou
E semeou sua semente
Naturalmente começou
A lapidação do ambiente…

Roubaram o ouro
Roubaram o pau
Prá ficar legal
Ainda tiraram o couro
Do povo
Desta terra original…

E só deixaram
A má semente
Presente de Grego
Que logo se proliferou
E originou a nossa gente…

É ladrão que não acaba mais
Tem ladrão que não acaba mais
Você vê ladrão
Quando olha prá frente
Você vê ladrão
Quando olha prá trás…(2x)

Hiiiiiii!
A terra boa
Mas o povo
Continua escravizado
Os direitos são os mesmos
Desde os séculos passados
O Marajá
Ele só anda engravatado
Não trabalha, não faz nada
Mas tá sempre
Endinheirado…

E se entrar no supermercado
Você é roubado!
E se andar despreocupado
Você é roubado!
E se pegar o bonde errado
Você é roubado!
E também se votar prá deputado
Você é roubado!
Certo!

Tem sempre 171 armando fria
Tem ladrão lá no congresso
Na quitanda e padaria
Ladrão que rouba de noite
Ladrão que rouba de dia
Dentro da delegacia
Ninguém entendia
A maior confusão
O doutor delegado
Grampeou todo mundo
Porque o ladrão
Roubou outro ladrão

É ladrão que não acaba mais
Tem ladrão que não acaba mais
Você vê ladrão
Quando olha prá frente
Você vê ladrão
Quando olha prá trás…(2x)

Quando Cabral aqui chegou
E semeou sua semente
Naturalmente começou
A lapidação do ambiente…

Roubaram o ouro
Roubaram o pau
Prá ficar legal
Ainda tiraram o couro
Do povo
Desta terra original…

E só deixaram
A má semente
Presente de Grego
Que logo se proliferou
E originou a nossa gente…

É ladrão que não acaba mais
Tem ladrão que não acaba mais
Você vê ladrão
Quando olha prá frente
Você vê ladrão
Quando olha prá trás…(4x)

Divino Mestre

Se Jesus Cristo voltasse na terra Ele ia chorar
Se Jesus Cristo voltasse na terra Ele ia chorar
De ver como o mal se alastrou
E o pecado brotando em todo lugar

Sim, Ele ia chorar
De ver o ponto em que a coisa chegou
Um monte de “ratos de gravatas”
Faturando alto em nome do Senhor
E dizendo que o céu é dos humildes
Enganando o pobre do trabalhador
Pois aonde impera o dinheiro
Não sobra lugar para bons sentimentos
Só porque “o rico” assaltando o povo
E pirataria a todo momento

Se Jesus Cristo voltasse na terra Ele ia chorar..

Tem gente no parlamento com tanto pecado
Que nem pro inferno iria
E se decidir graça à sua alma
Nem mesmo o capeta aceitaria
Cristo ia chorar
Só de ver que o homem se rebelou
Esquecendo aquilo tudo de bom
Que o Divino Mestre ensinou

Se Jesus Cristo voltasse na terra Ele ia chorar…

Sim, Ele ia chorar
De ver o ponto em que a coisa chegou
Um monte de “ratos de gravatas”
Faturando alto em nome do Senhor
E dizendo que o céu é dos humildes
Enganando o pobre do trabalhador
Pois aonde impera o dinheiro
Não sobra lugar para bons sentimentos
Só porque “o rico” assaltando o povo
E pirataria a todo momento

Se Jesus Cristo voltasse na terra Ele ia chorar…

Tem gente no parlamento com tanto pecado
Que nem pro inferno iria
E se decidir graça à sua alma
Nem mesmo o capeta aceitaria
Cristo ia chorar
Só de ver que o homem se rebelou
Esquecendo aquilo tudo de bom
Que o Divino Mestre ensinou

Se Jesus Cristo voltasse na terra Ele ia chorar…
Se Jesus Cristo voltasse na terra Ele ia chorar…

Defunto Grampeado

Parem o enterro, gritaram os homens da lei!
Parem o enterro, gritaram os homens da lei!
Nós temos ordem pra levar esse defunto pra xadrez!
Nós temos ordem pra levar esse defunto pra xadrez!

Mas aquela atitude causou muito espanto e admiração
Até o vigário 171 dizia que aquilo era anti-cristão
Fechou o tempo lá no cemitério,
Ninguém entendeu a tal voz de prisão!

Sururu formado, falei malandragem!
Sururu formado! onde foi que já se viu
Um defunto grampeado?
Sururu formado, aí gente boa!
Sururu formado! onde foi que já se viu
Um defunto grampeado?

Parem o enterro, gritaram os homens da lei!
Parem o enterro, gritaram os homens da lei!
Nós temos ordem pra levar esse defunto pra xadrez!
Nós temos ordem pra levar esse defunto pra xadrez!

E os acompanhantes estavam por fora e desinteirados
Somente o vigário e a malandragem
Sabiam quem ali ia ser enterrado
Quando os tiras chegaram perto do caixão
Eles gritaram: “meu deus, fomos caguetados!”

Sururu formado, falei malandragem!
Sururu formado! quando os homens abriram o caixão
O defunto era apenas cabrito importado!
Sururu formado, falei malandragem!
Sururu formado! quando o vigário sentiu o flagrante perfeito
Quis sair de pinote, mas foi logo algemado!

Parem o enterro, gritaram os homens da lei!
Parem o enterro, gritaram os homens da lei!
Nós temos ordem pra levar esse defunto pra xadrez!
Nós temos ordem pra levar esse defunto pra xadrez!

Defunto Caguete

Mas é que eu fui num velório velar um malandro
Que tremenda decepção
Eu bati que o esperto era rife ilegal,
Ele era do time da entregação
O bicho esticado na mesa
Era dedo nervoso e eu não sabia
Enquanto a malandragem fazia a cabeça
O indicador do defunto tremia

(Refrão)

Era caguete sim!
Era caguete sim!
Eu só sei que a policia pintou no velório
E o dedão do safado apontava pra mim
Era caguete sim!
Era caguete sim!
Veja bem que a polícia arrochou o velório
E o dedão do coruja apontava pra mim

Caguete é mesmo um tremendo canalha
Nem morto não dá sossego
Chegou no inferno, entregou o diabo
E lá no céu caguetou São Pedro
Ainda disse que não adianta
Porque a onda dele era mesmo entregar
Quando o caguete é um bom caguete
Ele cagueta em qualquer lugar

(Refrão)

Dedo Duro

Fecharam o paletó do dedo duro
Pra nunca mais apontar
A lei do morro é barra pesada
Vacilou levou rajada na idéia de pensar
A lei do morro é barra pesada
Vacilou levou rajada na idéia de pensar

A lei do morro é ver ouvir e calar
Ele sabia, quem mandou ele falar
Falou de mais e por isso ele dançou
Favela quando é favela, não deixa morar delator

Fecharam…

Dando Mole Pra Kojak

dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
olha aí dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
se você tá dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)

domingo na pelada só quer jogar no ataque
se concentra no botequim e enche a cara de conhaque
quando o jogo começa você já está por conta
faz um gol de bicicleta
se liga mané que o gol foi contra

dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)

foi lá no baile funk
ninguem me contou, essa eu vi
chegou com um tremendo avião e perdeu pro famoso mc (buchecha)
vê se toma cuidado que a tua batata tá assando
vai pro baile com um avião e passa o tempo todo rebolando

dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)

diz que gosta do tico
mas se amarra mesmo é num teco
só te vejo pagando mico
na favela te chamam de marreco
vive sempre botando o carro na frente dos bois
num lugar que só dá um, você sisma que dá dois

dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)

dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
olha aí dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
tudo bem, dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)

dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)
dando mole pra kojak, ô mané (qual é…)

dando mole pra kojak, ô mané…

Da Pesada

Ele se diz da pesada, pesado fica no chão!
Da pesada é trem de carga, descarga de caminhão!

Ele se diz da pesada, pesado fica no chão!
Da pesada é trem de carga, descarga de caminhão!

Da pesada é dente inflamado;
a conta do telefone;
andar de sapato apertado;
vizinho aprendendo trombone;
mocotó apimentado;
mulher gorda, burra e feia,
e suportar umas e outras,
constantemente de cara cheia.

Ele se diz da pesada, pesado fica no chão.
Da pesada é trem de carga, descarga de caminhão.

Da pesada é time com garra
derrotar a seleção;
feijoada no verão;
topada sem palavrão;
é papagaio dizendo piada;
dentada de tubarão;
é pisada na unha encravada;
e suportar a inflação.

Ele se diz da pesada, pesado fica no chão.
Da pesada é trem de carga, descarga de caminhão.

Da pesada é pneu de trator;
beber vinho iparati;
é ser pedreiro na barra,
e morar e japeri;
é suportar 21 anos,
uma ditadura militar;
é queres escolher seu presidente,
e não ter o direito de votar.

Ele se diz da pesada, pesado fica no chão.
Da pesada é trem de carga, descarga de caminhão.

Ele se diz da pesada, pesado fica no chão!
Da pesada é trem de carga, descarga de caminhão!

Ele se diz da pesada, pesado fica no chão!
Da pesada é trem de carga, descarga de caminhão!

Coca Aí Na Geladeira

(Aí meu irmão, cagueta é a imagem do cão,
só porque o samba era no morro, ele caguetou os irmãos)

Fui num samba lá no morro
Nunca vi tanta limpeza
Era proibido cafungar, fumar bagulho e beber cerveja
O responsável assim dizia: Na minha festa não tem bebedeira
Porque aqui no meu barraco só tem Coca aí na geladeira

Tem coca aí na geladeira, Tem coca aí na geladeira
Tem coca aí na geladeira, Tem coca aí na geladeira (2x)

A polícia foi informada, que o dono da festa era vapor
Que o bagulho estava entocado, dentro do congelador
Aí o delegado partiu pra lá, pra dar um flagoroso perfeito
Dizendo Isto não está direito, vou acabar com a bandalheira
Mas quando abriu a geladeira, o doutor gritou muito injuriado:
Esse caguete caguetou errado pq aqui não tem sujeira.
Parece até festa de bíblia porque só tem Coca aí na geladeira.

Cobra Mandada

Olha ai o que eles estão dizendo
que eu sou violento
e não falo de amor
que o meu repertório é so crime
e até de bandido virei defensor

Refrão:

é cobra mandada querendo picar meu calcanhar
isso é cobra mandada querendo pisar meu calcanhar(bis)

A elite selvagem é que gera miseria
em toda nação
e por esse motivo condenam meu samba
por que esclaresse o povão
que ta no sufoco mas compra meu disco
pra ficar por dentro da situção

Todo x9 apagado é motivos pra festa
politico eleito da linha na pipa
e não compre a promessa
e da i colocaram a serpente no meu calcanhar
pra dizer que eu cafungo 2 em 2
mas na realidade não podem provar
é que meu repertório é conto do morro
e bota o ibop em primeiro lugar

Refrão:

é cobra mandada querendo picar meu calcanhar
isso é cobra mandada querendo pisar meu calcanhar(bis)

Cobra Criada

Eu sou cobra criada
E tenho muito veneno
Sou neto da madrugada
E afilhado do sereno

Quero respeito comigo
Que eu sou bom amigo mas brigo a toa
É só nao errar malandragem
Que tu fica numa boa
Minha mulata nao é viola
Pra vagabundo tocar
Nem tampouco é microfone
Pra amigo da madruga conversar

Eu sou cobra criada
E tenho muito veneno
Sou neto da madrugada
E afilhado do sereno

Vagabundo é igual o capim
Que nasce em qualquer lugar
Eu cheguei, estou chegando
Vim aqui pra capinar
É, mas ali moram uns malandros
Que precisam apanhar
Parece cachorro com gato
Toda hora quer brigar

Eu sou cobra criada
E tenho muito veneno
Sou neto da madrugada
E afilhado do sereno

Catatau Nervoso

O alto comando da malandragem
Num catatau nervoso mandou lhe dizer
Que gente fina não vacila
Olha aí coisa ruim quem vacila é você

Você não sabe o que é vacilão
E nem gente fina também
Você tá jogando conversa fora
E nem sabe quem é quem
Quando a gente não sabe o que diz
É bem melhor ficar devagar
Porque se o bambu quebra no meio
Você pode levar um sapeca iaiá

Gente fina é malandro de primeira
E joga na linha de frente
Respeita Deus e o mundo
É considerado por toda gente
Não é caloteiro nem 1-7-1
E leva uma vida correta
Tem consciência de tudo o que faz
E sabe ser homem na hora certa

Veja bem vacilão não tem moral
E é um tremendo safadão
Disca denúncia a troco de nada
E tem muito prazer em vender os irmãos
E você com esse papo de 15
Se liga mané no que eu vou lhe dizer
Gente fina não vacila
Olha aí G.b.o quem vacila é você

Candidato Caô Caô

Caô Caô Caô Caô..
A justiça chegou!

Ai malandragem..se liga!
Bezerra da Silva provando e comprovando a sua versatilidade!
“Sai pra lá caozada..Oh o rappa na área!”

Ele subiu o morro sem gravata
Dizendo que gostava da raça
Foi lá na tendinha
Bebeu cachaça
E até bagulho fumou
Foi no meu barracão
E lá usou
Lata de goiabada como prato
Eu logo percebi
É mais um candidato
Às próximas eleições (3x)

Fez questão de beber água da chuva
Foi lá na macumba pediu ajuda
E bateu cabeça no congá
Deu azar..
A entidade que estava incorporada
Disse esse político é safado
Cuidado na hora de votar

Também disse:

Meu irmão se liga
No que eu vou lhe dizer
Hoje ele pede seu voto
Amanhã manda a polícia lhe bater

Meu irmão se liga
No que eu vou lhe dizer
Hoje ele pede seu voto
Amanhã manda a polícia lhe prender

Hoje ele pede o seu voto
Amanhã manda a polícia lhe bater.

Eu falei pra você viuuuuu..

Esse político é safadão oh ai cumpade!

Nesse país que se divide em quem tem e quem não tem,
Sinto o sacrifício que há no braço operário
Eu olho para um lado
Eu olho para o outro
Vejo o desemprego
Vejo quem manda no jogo
E você vem, vem
Pede mais de mim
Diz que tudo mudou
E que agora vai ter fim
Mas eu sei quem você é
Ainda confia em mim?

Esse jogo é muito sujo
Mas eu não desisto assim
Você me deve..haha haha
Malandro é malandro
Mané é mané
Você me deve…
Você me deve seu canalha
Você me deve malandragem

Você ganhou duzentas vezes na loteria malandro?
Duzentas vezes cumpade?
É

Fez questão de beber água da chuva
Foi lá na macumba pediu ajuda
E bateu cabeça no congá
Deu azar..
A entidade que estava incorporada
Disse esse político é safado
Cuidado na hora de votar

Também disse:

Meu irmão se liga
No que eu vou lhe dizer
Hoje ele pede seu voto
Amanhã manda a polícia lhe bater

Meu irmão se liga
No que eu vou lhe dizer
Hoje ele pede seu voto
Amanhã manda a polícia lhe prender

Hoje ele pede o seu voto
Amanhã manda a polícia lhe bater.

Ai ai perai cumpade..perai perai perai
Sujôooo..
Ae malandragem se liga na missão
Fica atento
Político é cerol fininho

Político engana todo mundo..
Menos o caboco..ele deu azar na macumba do malandro..ah lá
O caboco caguetou ele

Hoje ele pede, pede, pede de você ..
Amanhã vai vai te fudê..

Hoje ele pede, pede, pede de você ..
Amanhã vai vai.. ohhh

E amanhã vai se fu..

É cumpade…

Bicho Feroz

(Refrão)

Você com revólver na mão é um bicho feroz (Feroz)
Sem ele anda rebolando e até muda de voz
( Isso aqui…cá pra nós ).

É que a rapazeada não sabe
Quando você entrou em cana
Lavava a roupa da malandragem
E dormia no canto da cama
Hoje está em liberdade
E anda trepado com marra de cão
Eu conheço seu passado na cadeia
Seu negócio é somente pagar sugestão

Olha aí vacilão…

(Refrão)

Simplesmente eu tô dando esse alô
Porque sei que você não é de nada
Quando leva um arroxo dos homens
De bandeja entrega toda rapazeada
Acha bonito ser bicho solto
Mas não tem disposição
Quando entrar em cana novamente
Vai passar lua de mel outra vez na prisão

Olha aí safadão…

(Refrão)

É que a rapazeada não sabe
Quando você entrou em cana
Lavava a roupa da malandragem
E dormia no canto da cama
Hoje está em liberdade
E anda trepado com marra de cão
Eu conheço seu passado na cadeia
Seu negócio é somente pagar sugestão

Olha aí corujão…

(Refrão)

Simplesmente eu tô dando esse alô
Porque sei que você não é de nada
Quando leva um arroxo dos homens
De bandeja entrega toda rapazeada
Acha bonito ser bicho solto
Mas não tem disposição
Quando entrar em cana novamente
Vai passar lua de mel outra vez na prisão

Olha aí safadão…

(Refrão)

Bata da Vovó

Vovó nunca pediu nada
Foi você quem prometeu
Dar uma bata a vovó
E até hoje não deu

Vovó nunca pediu nada
Foi você quem prometeu
Dar uma bata a vovó
E até hoje não deu

Você anda desviado, passando fome, dormindo na rua
Vovó fez trabalho forte, sua sorte continua
Agora você tem bango, já se esqueceu da vovó
Olha que dor de barriga muleque, nunca dá uma vez só

Vovó nunca pediu nada
Foi você quem prometeu
Dar uma bata a vovó
E até hoje não deu

Mas vovó nunca lhe pediu nada
Foi você mesmo quem prometeu
Você disse que dava uma bata a vovó
E até hoje não deu

Não brinca com preta-velha por que ela faz uma boa contigo
Ela sabe que quando você tava preso entregava ouro na mão dos bandidos
Se sexta-feira que vem você não fizer o que lhe prometeu
Vou bagunçar teu coreto moleque, você vai ver quem sou eu

Vovó nunca pediu nada
Foi você quem prometeu
Dar uma bata a vovó
E até hoje não deu

Mas vovó nunca lhe pediu nada
Foi você mesmo quem prometeu
Você disse que dava uma bata a vovó
E até hoje não deu

Você anda desviado, passando fome, dormindo na rua
Vovó fez trabalho forte, sua sorte continua
Agora você tem bango, já se esqueceu da vovó
Olha que dor de barriga muleque, nunca dá uma vez só

Vovó nunca pediu nada
Foi você quem prometeu
Dar uma bata a vovó
E até hoje não deu

Mas vovó nunca lhe pediu nada
Foi você mesmo quem prometeu
Você disse que dava uma bata a vovó
E até hoje não deu

Não brinca com preta-velha por que ela faz uma boa contigo
Ela sabe que quando você tava preso entregava ouro na mão dos bandidos
Se sexta-feira que vem você não fizer o que lhe prometeu
Vou bagunçar teu coreto moleque, você vai ver quem sou eu

Vovó nunca pediu nada
Foi você quem prometeu
Dar uma bata a vovó
E até hoje não deu

Mas vovó nunca lhe pediu nada
Foi você mesmo quem prometeu
Você disse que dava uma bata a vovó
E até hoje não deu

Asa a Cobra

Se Deus desse asa a cobra
O mundo estava perdido
Carroça andava na frente
E o burro atrás escondido

Carroceiro puxava carroça
E na frente do burro ele vinha
A cozinheira ia pra sala
E a madame pra cozinha
Servente seria chefe
Soldado seria tenente
Chefe ia trabalhar la na vaga do servente
Se deus desse asa a cobra
Meu deus como ia morrer gente

Se Deus desse asa a cobra
O mundo estava perdido
Carroça andava na frente
E o burro atrás escondido

Ai eu queria ver o que iam fazer os ladrões de gravata
Quando vissem a coisa preta
Porque quem não sabe rezar
Não faz trato cm o capeta
Eles estão me entendendo
Pra quem sabe ler um pingo é letra

Se Deus desse asa a cobra
O mundo não estava perdido
Carroça andava na frente
E o burro atrás escondido

Se Deus desse asa a cobra eu só sei que o mundo não estava perdido
A carroça andava na frente
E o sujeito burro atrás escondido

Se Deus desse asa a cobra eu só sei que o mundo não estava perdido
A carroça andava na frente
E o sujeito três ia atrás escondido

As Favelas que não Exaltei

Daqueles morros voltei pra falar das favelas
Hoje exalto aquelas que nos dois sambas eu não exaltei
Daqueles morros voltei pra falar das favelas
Hoje exalto aquelas que nos dois sambas eu não exaltei

Errô, Selva de Pedra, Cavalo de Aço
Chapéu Mangueira, Nova Brasília e faz quem quer
Caracol, Barreira do Vasco, Morro dos Prazeres
Escondido em Paciência e o Morro de São José
Saber, Vila Vintém, Baixado Sapateiro
Pedra lisa, Cocário e o Morro de São João
Para Pedro, Tavares Bastos e Fogueteiro
Buraco da Lacraia, Santo Amaro, Amarelinho, Andorinho e Capão, Daque…

Daqueles morros voltei pra falar das favelas…

Murqueço, Favela de Lucas e Lago do Neto
Bento Cardoso, Cravo, Pingudo e Guaporé
Morro da Camarista, Morro do Encontro, Gâmboa Inquieto
E a Vila do João, antiga Favela da Maré
Saúde, Morro da Formiga, Morro Tubarão
Morro da Pedreira, Morro do Timbó e Chácara do Céu
Fazenda Botafogo, Pedregulho, Enquarto Leão
E a famosa Ruaí fica lá no conjunto de Padre Miguel Daque…

Daqueles morros voltei pra falar das favelas…

Arruda, Beira do Quiabo e Dois irmãos
Morro da Bela Vista, Tirabó e Cabo Sul
Em Caxias também tem a maneira Favela do Lixão
Vila Kennedy também representa o antigo Esqueleto em Bangu
Euclides da Rocha, Boqueirão entrada quareta e oito
Morro da Estação na Marquês de São Vicente
Morro da Caixa d’água, Palmeiras, Galinha e Parque Arará
O Morro do Galo está sempre presente
Porque todos sabem que eu sou de lá
Morro da Caixa d’água, Palmeiras, Galinha e Parque Arará
O Morro do Galo está sempre presente
Porque todos sabem que eu sou de lá

Morro da Caixa d’água, Palmeiras, Galinha e Parque Arará
O Morro do Galo está sempre presente
Porque eu e Botina nós somos de lá
Morro da Caixa d’água, Palmeiras, Galinha e Parque Arará
O Morro do Galo está sempre presente
Porque todos sabem que eu sou de lá

As 40 DP´s

Aí rapaziada
Cuidado pra não dar mole à kojak
Senão o bambu vai quebrar no meio

Alô, alô malandragem
Não desligue e se ligue onde estão situadas
As DPs que comandam o Rio
Veja bem, fique na sua e nem dê mancada
Porque os homens da civil não são de brincadeira
Eles tão sempre filmando a rapaziada
A policia civil não é de brincadeira
Ela está sempre filmando a rapaziada

2º fica na Central
E a 4º dp perto da Tiradentes
29 em Madureira, combatendo os morros da area presente
28 em Campinho, 32 Jacarepaguá
A 7º fica em Santa Tereza e a 5º dp, ali na Mem de Sá
A 8º foi desativada e a 1º dp é na Praça Mauá
A 10º fica em Botafogo que varias vezes dancei pra averiguação
3º Castelo, 6º na Cidade Nova
22 na Penha, não dá mole, meu irmão
Na av. Bras de Pina tem a 38, ela também comanda o Largo do Bicão
Na av. Bras de Pina tem a 38, ela também comanda o Largo do Bicão

Alô, alô malandragem
Não desligue e se ligue onde estão situadas
As DPs que comandam o Rio
Veja bem, fique na sua e nem dê mancada
Porque os homens da civil não são de brincadeira
Eles tão sempre filmando a rapaziada
A policia civil não é de brincadeira
Ela está sempre filmando a rapaziada

E na Pavuna tem a 39
36 Santa Cruz combatendo seu lado
35 em Campo Grande
E a 24º é lá no Encantado
27, Vila Cosmos
33, Realengo e 30, marechal
34, Bangu
26, Água Santa, onde o seu Ari Franco castiga legal
A 16º é lá na barra, dando toda a segurança aqueles que tem grana
15º, gavea
14, leblon, que também é área de gente bacana
A 9º fica no catete e a 12 e a 13 em Copacabana
A 9º fica no catete e a 12 e a 13 em Copacabana

Alô, alô malandragem
Não desligue e se ligue onde estão situadas
As DPs que comandam o Rio
Veja bem, fique na sua e nem dê mancada
Porque os homens da civil não são de brincadeira
Eles tão sempre filmando a rapaziada
A policia civil não é de brincadeira
Ela está sempre filmando a rapaziada

Olha que lá em Ricardo a 31 comanda a todo vapor
23, no Meier
25, Engenho Novo
37, é na Ilha do Governador
17, em São Cristóvao
Com a 20, na Vila, não tem brincadeira
19 é lá na Tijuca
E a 18º na Praça da Bandeira
21 é em Bonsucesso, naquela jurisdição ela manda e desmanda
E pra finalizar, eu não posso esquecer, a 40 de Rocha Miranda
E pra finalizar, não consigo esquecer, olhaí a quatro zero de Rocha Miranda!

Alô, alô malandragem
Não desligue e se ligue onde estão situadas
As DPs que comandam o Rio
Veja bem, fique na sua e nem dê mancada
Porque os homens da civil não são de brincadeira
Eles tão sempre filmando a rapaziada
A policia civil não é de brincadeira
Ela está sempre filmando a rapaziada

Porque os homens da civil não são de brincadeira
Eles tão sempre filmando a rapaziada
A policia civil não é de brincadeira
Ela está sempre filmando a rapaziada

É que os homens da civil não são de brincadeira
Eles tão sempre filmando a rapaziada
A policia civil não é de brincadeira
Ela está sempre filmando a rapaziada

Arruda de Guiné

No fundo do meu quintal nasceu… uma planta maneira
No fundo do meu quintal nasceu… uma planta maneira

Planta que foi consagrada por minha vó rezadeira
Vovó que veio de Angola, pensa e não fala besteira

Refrão:
Diz que a planta formosa é…arruda de guiné
Éééééééée arruda
I mas o nome da planta ela, éééééééé arruda de guiné
Éééééééé arruda

Antes da planta nascer, quase que vi o meu fim
Ela se dizia incorporada, com um tal de seu coisa
ruim

E depois pegava o meu prato de boia, jogava tudo
dentro do ralo
Quando eu reclamava ela dizia assim “quero muito
respeito com o meu cavalo”

REFRÃO

E no fundo do meu quintal nasceu…uma planta maneira
No fundo do meu quintal nasceu…uma planta maneira

Planta que foi consagrada por minha vó resadeira
Vovó que veio de Angola, pensa e não fala besteira

REFRÃO

Depois que planta nasceu, muita coisa aconteceu
O inferno pegou fogo até o capeta correu

E aquela criola que mandei pro inferno que o coisa
ruim logo me devolveu
quando deu de cara com o pé de arruda ela deu um
estouro e desapareceu.

REFRÃO

Aqueles Morros

Alô, Alô rapaziada
Essa é uma homenagem para os morros do lado de lá e do lado de cá
Entendeu malandragem

Mas antes,
Antes, aqueles morros não tinham nomes
Foi pra lá o elemento homem, fazendo barraco, batuque e festinha
Nasceu Mangueira, Salgueiro, São Carlos e Cachoeirinha – Bis Coro

Andaraí, Caixa D’água, Congonha, Alemão e Boreu
O Morro do Macaco em Vila Isabel, Matriz, Tuití e Cruzeiro, Querosene, Urubu
Jacarezinho, Turano, Sossego e o Morro Azul – Bis Coro

É mas no mesmo embalo, nasceu Cantagalo, Pavão-Pavãozinho o Morro da Guarda e Macedo Sobrinho, Tabajara, Providência, Santa Marta e Serrinha
Morro do Pinto, Sampaio, Dendê e a querida Rocinha, simbora gente
Morro do Pinto, Sampaio, Dendê e a querida Rocinha – Coro

Ainda tem o Morro do Castro e o Buraco do Boi como tem boa gente, Atalaia, Martins, Morro do Oriente, Holofote e Papagaio, todos do outro lado
Areia Grossa, Cavalão, São Lourenço e o Morro do Estado – Bis Coro

É veja bem que nasceu também Sacopã, Catacumba e o Vidigal, Morro da Favela por trás da Central, eu sou muito bem chegado nele não posso negar
Gosto de todos mas o Cantagalo é que é meu lugar
Eu Gosto de todos mas o Morro do Galo é que é meu lugar

Mas antes,
Antes aqueles morros não tinham nomes
Foi pra lá o elemento homem, fazendo barraco, batuque e festinha Coro
Nasceu Mangueira, Salgueiro, São Carlos e Cachoeirinha – Bis

Veja bem que nasceu também Sacopã, Catacumba e o Vidigal, Morro da Favela por trás da Central, eu sou muito bem chegado nele não posso negar
Gosto de todos mas o Cantagalo é que é meu lugar
Gosto de todos mas o Cantagalo é que é meu lugar – Bis Coro

É que eu gosto de todos mas o Morro do Galo é que é meu lugar
Gosto de todos mas o Cantagalo é que é meu lugar – Bis Coro
Veja bem que eu gosto de todos, mas o Cantagalo é que é meu lugar
Gosto de todos mas o Cantagalo é que é meu lugar – Bis Coro
Eu também gosto de todos mas o Morro do Galo é que é meu lugar

Acordo de Malandro

ai gente boa
se num tem intimidade com caneta
mete o dedão no papel que tá assinado nosso acordo, malandro

mas você manda lá embaixo
aqui em cima quem manda sou eu
eu não piso em seu terreno
nem você pisa no meu

mas você manda lá embaixo
aqui em cima quem manda sou eu
eu não piso em seu terreno
nem você pisa no meu

esse morro é muito grande
vamos fazer um tratado
daqui pra baixo é seu
daqui pra cima é meu lado
e não me quebre esse acordo
senão, malandragem vai virar presunto
a funeraria do morro
tá me cobrando defunto

você manda lá embaixo
aqui em cima quem manda sou eu
eu não piso em seu terreno
nem você pisa no meu

mas você manda lá embaixo
aqui em cima quem manda sou eu
eu não piso em seu terreno
nem você pisa no meu

o seu campo tá muito minado
perigo espreitando por todo lugar
malandro esperto que sou
não piso do lado de lá
porem, você fique sabendo que tá proibido pisar do meu lado
se subir, vem caminhando
mas descer só carregado

mas você manda lá embaixo
aqui em cima quem manda sou eu
eu não piso em seu terreno
nem você pisa no meu

mas você manda lá embaixo
aqui em cima quem manda sou eu
eu não piso em seu terreno
nem você pisa no meu

cada um na sua area
cada macaco em seu galho
cada galo em seu terreiro
cada rei no seu baralho
duas fases positivas quando se encontram só dá explosão
se você quebrar nosso tratado
vai levar eco do meu “três oitão”

mas você manda lá embaixo
aqui em cima quem manda sou eu
eu não piso em seu terreno
nem você pisa no meu

mas você manda lá embaixo
aqui em cima quem manda sou eu
eu não piso em seu terreno
nem você pisa no meu

mas você manda lá embaixo
aqui em cima quem manda sou eu
eu não piso em seu terreno
nem você pisa no meu

mas você manda lá embaixo
aqui em cima quem manda sou eu
eu não piso em seu terreno
nem você pisa no meu

A Semente

Meu vizinho jogou
Uma semente no seu quintal
De repente brotou
Um tremendo matagal (Meu vizinho jogou…)

Quando alguém lhe perguntava
Que mato é esse que eu nunca vi?
Ele só respondia
Não sei, não conheço isso nasceu ai

Mas foi pintando sujeira
O patamo estava sempre na jogada
Porque o cheiro era bom
E ali sempre estava uma rapaziada

Os homens desconfiaram
Ao ver todo dia uma aglomeração
E deram o bote perfeito
E levaram todos eles para averiguação e daí…

Na hora do sapeca-ia-ia o safado gritou:
Não precisa me bater, que eu dou de bandeja tudo pro senhor
Olha aí eu conheço aquele mato, chefia
E também sei quem plantou

Quando os federais grampearam
E levaram o vizinho inocente
Na delegacia ele disse
Doutor não sou agricultor, desconheço a semente

A Rasteira do Presidente

Alô, alô Dona de Casa,
Fiscais do Presidente, se liga,
Tabela de preços na mão,
E vamos lutar contra a inflação.

E não é mole não,
Vivendo dessa maneira,
Eles inventaram essa tal de inflação,
E o Presidente, deu aquela rasteira,
Não é mole não.
(refrão)

O meu salário é o mínimo, porém é o máximo que eu consigo vencer,
Desconto pro INPS e o maldito Leão ainda quer me morder,
O ano inteirinho o INPC, eu escuto dizer,
Eu não sei o que é,
Eu só sei que recebi meu pagamento,
Que não deu pra comprar meu alimento,
Remarcaram os preços eu fiquei a pé.
(refrão)

O que não consigo entender, o meu nome é sujo no SPC,
Meu crédito é cortado na praça, não me vendem fiado, nem o que comer,
O banco não me empresta dinheiro, porque não tenho bens para me garantir,
Veja bem, não pedi nada emprestado,
Dizem que devo dolar adoidado,
Ao famigerado, FMI.
(refrão)

E agora que eu quero ver,
Com está tudo gravado, o que vão fazer,
O bicho vai pegar adoidado,
Em cima daquele que não obedecer,
O trabalhador já pode com a sua família,
Fazer sua ceia, se os federais chegarem em um Super-mercado,
Encontram os preços remarcados,
Dão bolacha no gato e mete na cadeia.
(refrão)

A Necessidade

A Necessidade obrigou
Você a me procurar.
Você era, orgulhosa.
Mas a necessidade acabou com a sua prosa.
Você era, orgulhosa.
Mas a necessidade acabou com a sua prosa.

“Sou Genaro soalheiro, nome conhecido no samba
inteiro”
“Se você não acredita é só perguntar a quem é
partideiro”

“Artisticamente falando Bezerra da Silva tem muito
valor”
“Toca surdo, toca tamborim, canta partido alto e é
compositor”

E a necessidade…

A Necessidade obrigou
Você me procurar.
Você era, orgulhosa.
Mas a necessidade acabou com a sua prosa.
Você era, orgulhosa.
Mas a necessidade acabou com a sua prosa.

“Sou um malandro perfeito, tenho sessenta mulheres”
“Cinqüenta andando a pé, nove me perturbando e uma em
casa de fé”

“Conheço muito malandro que é malandro de conversa.”
“Se a mulher não mete ‘os peito’, ‘eles passa’ fome à
beça”

E a necessidade…

A Necessidade obrigou
Você me procurar.
Você era, orgulhosa.
Mas a necessidade acabou com a sua prosa.
Você era, orgulhosa.
Mas a necessidade acabou com a sua prosa.

“Não sou um papo furado, nem jogo conversa fora”
“Quando eu me aborreço, dou bolacha a toda hora”

“Como é que você dá bolacha se você tá hepático, todo
esquelético”
“Todo raquítico cheio de cosmético”
“E paralítico, ‘coro’ hipotético”

E a necessidade…

A Necessidade obrigou
Você me procurar.
Você era, orgulhosa.
Mas a necessidade acabou com a sua prosa.
Você era, orgulhosa.
Mas a necessidade acabou com a sua prosa.

A Macaca Vai Cantar

Alô, alô comunidade
Esta noite
A macaca vai cantar
Eu vou mostrar a esse verme
Quem é o contexto
Da jurisdição
Olha aí não tem pedido
Traíra passou da tolerância
E todos vão ficar sabendo
O porquê da cobrança…

Enquanto eu curtia o veneno
Lá dentro da tranca
Ele aqui fora gastava
Tudo que era meu
E como se não bastasse
Tomou a favela
Dizendo
Que quando eu voltasse
Lutasse por ela…

A minha ferida com ele
É ruim de fechar
Não dá!
Não vou permitir
Que esse verme
Bagunce o lugar
A minha ferida com ele
É ruim de fechar
Não dá!
Não vou permitir
Que esse Judas
Bagunce o lugar…

Alô, alô comunidade
Esta noite
A macaca vai cantar
Eu vou mostrar a esse verme
Quem é o contexto
Da jurisdição
Olha aí não tem pedido
Traíra passou da tolerância
E todos vão ficar sabendo
O porquê da cobrança…

Enquanto eu curtia o veneno
Lá dentro da tranca
Ele aqui fora gastava
Tudo que era meu
E como se não bastasse
Tomou a favela
Dizendo
Que quando eu voltasse
Lutasse por ela…

A minha ferida com ele
É ruim de fechar
Não dá!
Não vou permitir
Que esse verme
Bagunce o lugar
A minha ferida com ele
É ruim de fechar
Não dá!
Não vou permitir
Que esse Judas
Bagunce o lugar…

Alô, alô comunidade
Esta noite
A granada vai rolar
Alô, alô comunidade
Esta noite
A macaca vai cantar
Hiiiiiiiiiiiii!
Alô, alô comunidade
Esta noite
O Ar-15 vai roncar
Alô, alô comunidade
Esta noite
A metralha vai falar
Éeeeeeeeeeeeee!
Alô, alô comunidade
Esta noite a escopeta
Vai falar, vai sim
Alô, alô comunidade
Esta “no”
“BUMMMMMMMMMMMM”

A Lei do Morro

Aí malandragem
Caguetou no morro é o seguinte

A lei do Morro… a lei
Não é mole não
Se você “caguetar”
Tem que ter muita disposição
Pra meter a mão na turbina malandro
E apertar com precisão

Meter a mão na turbina
E apertar com precisão

E… se não acertar o alvo
Você vai se arrepender
Pois o alvo lhe acerta
E quem fica caído é você
E se você era limpeza
O “sujeira” passa a ser
Em seguida é logo esculachado
Com o risco de morrer… (a lei do morro)

A lei do Morro… a lei
Não é mole não
Se você “caguetar”
Tem que ter muita disposição
Pra meter a mão na turbina
E apertar com precisão

“Meter a mão na turbina
E apertar com precisão”

Tem que ser ligeiriado
Pra poder sobreviver
Bom malandro é cadeado
Nada sabe e nada vê
E também se não for considerado
Você logo vai saber
Vai pagar uma taxa do pedágio
Pra subir e pra descer… a lei do morro

A lei do Morro… a lei
Não é mole não
Se você “caguetar”
Tem que ter muita disposição
Pra meter a mão na turbina
E apertar com precisão

Meter a mão na turbina
E apertar com precisão

Tem que ser ligeiriado
Pra poder sobreviver
Bom malandro é cadeado
Ele nada sabe e nada vê
E também se não for considerado
Você logo vai saber
Vai pagar uma taxa do pedágio
Pra subir e pra descer… a lei do morro

A lei do Morro… a lei
Não é mole não
Se você “caguetar”
Tem que ter muita disposição
Pra meter a mão na turbina
E apertar com precisão

Meter a mão na turbina
E apertar com precisão

A Gíria é a Cultura do Povo

Toda hora tem gíria no asfalto e no morro
porque ela é a cultura do povo

Pisou na bola conversa fiada malandragem
Mala sem alça é o rodo, tá de sacanagem
Tá trincado é aquilo, se toca vacilão
Tá de bom tamanho, otário fanfarrão

Tremeu na base, coisa ruim não é mole não
Tá boiando de marola, é o terror alemão
Responsa catuca é o bonde, é cerol
Tô na bola corujão vão fechar seu paletó

“Toda hora tem gíria…

Se liga no papo, maluco, é o terror
Bota fé compadre, tá limpo, demorou
Sai voado, sente firmeza, tá tranquilo
Parei contigo, contexto, baranga, é aquilo

Tá ligado na fita, tá sarado
Deu bode, deu mole qualé, vacilou
Tô na área, tá de bob, tá bolado
Babou a parada, mulher de tromba, sujou

“Toda hora tem gíria…

Sangue bom tem conceito, malandro e o cara aí
Vê me erra boiola, boca de sirí
Pagou mico, fala sério, tô te filmando
É ruim hem! O bicho tá pegando

Não tem caô, papo reto, tá pegado
Tá no rango mané, tá aloprado
Caloteiro, carne de pescoço, “vagabau”
Tô legal de você sete-um, gbo, cara de pau

A Fumaça Já Subiu Pra Cuca

Malandro é malandro
Mané é mané
Aí doutor esse malandro é de verdade
Não sobrou nem a beata
Não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra cuca diz aí
Não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra cuca
Deixando os tiras na maior sinuca
E a malandragem sem nada entender
Os federais queriam o bagulho e sentou a mamona na rapaziada
Só porque o safado de antena ligada ligou 190 para aparecer
Já era amizade
Quem apertou, queimou já está feito
Se não tiver a prova do flagrante nos altos do inquérito fica sem efeito diga lá 2x
Olha aí, quem pergunta quer sempre a resposta
E quem tem boca responde o que quer
Não é só pau e folha que solta fumaça
Nariz de malandro não é chaminé
Tem nego que dança até de careta
Porque fica marcando bobeira
Quando a malandragem é perfeita ela queima o bagulho e sacode poeira
Se quiser me levar eu vou, nesse flagrante forjado eu vou
Mas na frente do homem da capa preta é que a gente vai saber quem foi que errou
Se quiser me levar eu vou, nesse flagrante forjado eu vou
Mas na frente do homem que bate o martelo é que a gente vai saber quem foi que errou.

Não tem flagrante
Não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra cuca diz aí
Não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra cuca
Deixando os tiras na maior sinuca
E a malandragem sem nada entender
Os federais queriam o bagulho e sentou a madeira na rapaziada
Só porque o canalha de antena ligada ligou 190 para aparecer

Já era amizade
Quem apertou, queimou já está feito
Se não tiver a prova do flagrante
nos altos do inquérito fica sem efeito 2x

Olha aí, quem pergunta quer sempre a resposta
E quem tem boca responde o que quer
Não é só pau e folha que solta fumaça
Nariz de malandro não é chaminé
Tem nego que dança até de careta
Porque fica marcando bobeira
Quando a malandragem é perfeita ela queima o bagulho e sacode poeira
Se quiser me levar eu vou, nesse flagrante forjado eu vou
Mas na frente do homem da capa preta é que a gente vai saber quem foi que errou
Se quiser me levar eu vou, nesse flagrante forjado eu vou
Mas na frente do homem que bate o martelo é que a gente vai saber quem foi que errou.

Não tem flagrante
Não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra cuca diga lá
Não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra cuca
É mais não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra cuca diz aí
Não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra cuca
Olha aí não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra idéia diga lá
Não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra cuca
Sim mas não tem flagrante porque a fumaça já está na muleira