Joao e Maria

48 comentários

Chico Buarque

Agora eu era o herói
E o meu cavalo só falava inglês
A noiva do cowboy era você além das outras três
Eu enfrentava os batalhões, os alemães e seus canhões
Guardava o meu bodoque e ensaiava o rock para as matinês
Agora eu era o rei
Era o bedel e era também juiz
E pela minha lei a gente era obrigado a ser feliz
E você era a princesa que eu fiz coroar
E era tão linda de se admirar
Que andava nua pelo meu país
Não, não fuja não
Finja que agora eu era o seu brinquedo
Eu era o seu pião, o seu bicho preferido
Vem, me dê a mão, a gente agora já não tinha medo
No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido
Agora era fatal que o faz-de-conta terminasse assim
Pra lá desse quintal era uma noite que não tem mais fim
Pois você sumiu no mundo sem me avisar
E agora eu era um louco a perguntar
O que é que a vida vai fazer de mim?


48 comments on “Joao e Maria

  1. minduim disse:

    conversa de crianças
    http://www.youtube.com/watch?v=qGCL-CK_yDc

    Pelo próprio Chico: “eu fiz
    essa música baseado numa conversa de crianças”
    Talvez uma das mais lindas
    composições do Chico, sem dúvida nenhuma.

  2. Maria Luzia disse:

    O Chico se apropria da linguagem infantil para criticar governos autoritarios.”Agora” eu “era” é assim que crianças fantasiam em suas brincadeiras nas quais enfrentam situações com grandes vilões e saem vencedoras.Quando vencem, logo inventam outro vilão para destruir. Chico tinha o nazismo, na Alemanha e a ditadura no Brasil. Faz referencia ao “dedos duros” (bedel, que eram infiltrados nas universidades para vigiar ações subversivas de prof. ou alunos e os juizes que eram grandes servidores da ditadura, nem todos, é lógico).Chico sonha com leis que pare com a censura, proibições em geral, que faz o povo infeliz e com medo.

  3. Maria Luzia disse:

    No “faz de conta” Chico destroi esses inimigos que tanto impedem o povo de ser feliz. Acho maravilhoso quando ele destroi os alemães, descansa e em seguida destroi a ditadura. Mas o faz de conta acaba e ele percebe que a maldade humana nunca terá fim…

  4. eliane disse:

    livre, leve e solto anjos do hanngar

  5. Déborah Barreiros disse:

    Acredito que quando ele diz “Pois você sumiu no mundo sem me avisar”, ele faz referência aos amigos e artistas exilados pela ditadura…

  6. bárbara disse:

    Certo que se adequa bem à dtadura mas ele a compôs em 1947.

  7. Bárbara Gomes disse:

    bárbara, minha xará… se você prestasse atenção, teria percebido que o mestre Sivuca compôs a melodia em 1947, mas Chico só compôs a letra em 1977.
    Portanto, da próxima esteja mais atenta!!

  8. Virgínia Ribeiro disse:

    Déborah, neste mesmo trecho eu acredito que ele se refere também aos militantes anti-ditadura que sumiram “de repente” e cujos corpos jamais foram encontrados.

  9. jhoie araujo disse:

    Poh o Chico nasceu em 1944!
    Ele fez essa musica com 3 anos??SSHAUHSUAUSHUAHSUHAUSHAUHSUAHSUAHSUHASUHAUSHUA

  10. vitormendes disse:

    Na realidade, Chico fala de uma pessoa amada mas ele não tem essa intenção. A real intenção dele é falar da Liberdade que ele tanto queria, ou seja, da luta contra a ditadura militar.

    No trecho, “Pois você sumiu no mundo sem me avisar
    E agora eu era um louco a perguntar
    O que é que a vida vai fazer de mim?”, há uma clara demonstração de saudade. Mas na realidade, essa é uma saudade da Liberdade que havia acabado.

    Para os Militares da época, uma música como essa parecia totalmente inofensiva para a ditadura, mas, na realidade, Chico Buarque, com toda sua genialidade, consegue esconder dessas pessoas a intenção de sua letra.

  11. Mário disse:

    No texto, há uma apologia ao anarquismo proposto por Nietzche(um Estado sem Governo, já que se podia ser ao mesmo tempo bedel,juiz, herói,guerreiro,artista e a mulher princesa, plebeia e meretriz-andava nua pelo meu pais-); há também uma ligação do anarquismo ao Comunismo, já que a vitoria sobre os alemaes na segunda guerra, pode afirmar a hegemonia soviética e dividir o mundo entre as duas potencias mundiais

  12. Mário disse:

    Outra curiosidade é o paradoxo usado pelo autor: ” e pela minha lei a gente era OBRIGADO a ser feliz”…

  13. Manoela disse:

    Dá margem pra muita interpretação. Pra mim marcou minha infância, meus pais ouviam muito. Eu fantasiava a respeito. Tentava adequar ao que vivia.

  14. Manoela disse:

    “E pela minha lei a gente era obrigado a ser feliz.”

  15. Manoela disse:

    “…no tempo da maldade acho que a gente nem era nascido.”

  16. Priscila Casonato disse:

    Como a letra foi escrita em 1977,acredito sim que Chico tenha sofrido influência do momento histórico vivido (ditadura). Porém não podemos esquecer q a melodia é de 1947, época em que Chico viveu sua infância. A inspiração vem da literatura de sua infância; Irmãos Grimm. Outra questão que devemos levar em conta é fato de Chico brincar com a conjugação do verbo:”agora eu era”, ele conjuga o verbo no imperfeito usando um tempo no lugar de outro assim como as crianças fazem.

  17. Riobaldo disse:

    Acho que o eu-lirico da canção é na verdade a instituição Forças Armadas brasileiras. Considerando que a música é de 47 (logo pós 2a Guerra) e a letra só foi escrita em 77 (como está no site do Chico Buarque) o autor primeiro tenta construir uma certa evolução cronológica da atuação dos militares (o que tem a ver com o tema de canção infantil, como se este estivesse tentando resgatar a infância das Forças Armadas e dos ouvintes a lembrar das impressões da época).

    1) “Agora eu era o herói e o meu cavalo só falava inglês” (Logo após 2a guerra, com a participação ao lado dos norte-americanos, pracinhas são vitoriosos e portanto voltam como heróis)
    2) “A noiva do cowboy era você além das outras três” (Cowboy=EUA e Noiva=Ditadura; além do apoio oficial aos 3 poderes brasileiros, existiria o extra-oficial que sustentava o poder dos militares – principalmente pelo contexto da Guerra Fria)
    3) Eu enfrentava os batalhões, os alemães e seus canhões (Outra referencia à 2a Guerra e a participação brasileira, confirmando o eu-lirico como sendo o militar brasileiro)
    4) Guardava o meu bodoque e ensaiava o rock para as matinês (Fala da influencia norte-americana na juventude do pós-guerra e principalmente nas Forças Armadas do pós-guerra, década de 50)
    5) Agora eu era o rei, era o bedel e era também juiz (Há mudança de tempo – do antes para o agora, presente – e se era rei e também juiz, concentrava os 3 poderes em minhas mãos, ou seja, agora o militar era ditador)
    6) E pela minha lei a gente era obrigada a ser feliz (E pelas leis impostas, não poderia haver discordancia politica, deveria existir um clima de “ordem e progesso”, certamente aquela euforia pós-70 etc)
    7) E você era a princesa que fiz coroar / E era tão linda de se admirar / Que andava nua pelo meu país (O interlocutor, novamente, parece ser a instituição “ditadura”, resultado do projeto e esforço militar – “que fiz coroar”; que causa orgulho aos militares – “era tão linda”; e que não teme represálias mesmo após o uso de torturas e o aumento de restrições do AI5 – “andava nua pelo meu país”)

  18. rafael disse:

    Minha interpretação dessa música além da questão da ditadura, é a seguinte
    “agora eu era o herói”
    ele seguia os padrões americanos, as mulheres o amavam, enfrentava armas de fogo fato de q os heróis morrem cedo.

    “agora eu era o rei”
    fato de que havia resgatado a liderança do EU
    que as leis dele, ele mesmo fazia e não era influenciado nem manipulado
    mostrando assim q tinha evoluido e q o amor dele era verdadeiro
    fala tbm q o homem tem o poder da decisão mas as mulheres tem o dominio dos homens

    “agora era fatal que o faz de conta terminasse assim”
    como toda mentira um dia acaba o que é verdadeiro é eterno.

    bom entendi assim, talves não tenha nada a ver, talves tenha visto dessa maneira pelo momento q estou vivendo 😉

  19. Marcos disse:

    Meu Deus, quanta criatividade, para falar até de Nietzche!
    Nem tudo que o Chico escreveu esta ligada a Ditaruda Militar.
    Parem de tentar demonstrar que são cultos utilizando contextos históricos e filosóficos para explicar uma musica, que como revela o video, é apenas uma conversa de criança.
    Que modinha escrota, que para escutar chico tem que saber falar sobre política e questões sociais, música é música!

  20. Renata disse:

    Bem, meu comentário ratifica o do Marcos. Lembrem-se de Fernando Pessoa: “O poeta é um fingidor; finge tão completamente, que chega a fingir que é dor, a dor que deveras sente.”

  21. Deby disse:

    Acredito que ele possa ter atribuídos partes consideráveis sobre a Ditadura Militar, mas tudo partilhado com uma simples conversa de criança. E não de forma excepcionalmente ‘militar’.

  22. ana cristina rezende disse:

    Na minha humilde opinião eu prefiro acreditar na parte mais simples e delicada da música onde o autor se refere a recordações infantis, parte da infãncia de um menino e uma menina onde é intertextualizado o conto João e Maria. Na musica é contada as brincadeiras e as imaginações de criança. Quando o autor diz “agora eu era” refere-se a sua fala quando menino sem a exigência da conjugação correta do verbo. Quando se refere as lutas significa que a imaginação vai longe, basta acreditar pois criança pode brincar de ser tudo! E finalmente quando diz voce sumiu no mundo sem me avisar é porque depois de adulto eles não tem mais contato e agora é vida real… Obrigado pela atenção…

  23. Tainá disse:

    Chico não era só “O politico” era também “o malandro” , “O poeta” e “o amante” como genialmente lançaram em uma coletania. Essa musica está no disco “O poeta’ concordo que nada tem aver com a ditadura. É um poema lindo, as vezes entendo ele de maneira crua e simples. e as vezes atribuo essa letra a algo mais complexo, de pessoas adultas, crescidas em metafora de crianças.

    “Agora eu era o herói” em contraste com “agora era fatal que o faz de onta terminasse assim” as vezes me faz pensar em um homem que tinha tudo ao ter uma mulher, “Alám das outras 3” um homem infiel, mas com um unico amor “A princesa que eu fiz coroar” Mas de repente esse homem se vê perdendo essa mulher “agora eu era o seu brinquedo”…
    Mas as vezes penso que só se trata de crianças mesmo. embora essa segunda interpretação muitas vezes me seja conveniente usar.

  24. Vitinho Gouveia disse:

    A gente não tem noção do tamanho da genialidade desse cara…

    Ele fez essa música para as crianças SIM. Mas ele cutucou o regime da época, sem dúvida.

    O comentário de Riobaldo é brilhante. Numa canção de criança, Chico poderia falar de qualquer outra coisa, poderia fazer uma história mais simples, como um conto de fadas, mas não, foi justamente em cima da ditadura.

    Por tanto amigos,Ele escreveu essa musica pra crianças, contra a ditadura e, tendo em vista a genialidade dele, pra mais mil interpretações que venha aarecer aqui.

  25. JOSY disse:

    ADOREI O COMENTÁRIO DO MARCOS! É ISSO AÍ, MÚSICA É MÚSICA… ACHO QUE ESSA LETRA POUCO TEM A VER COM A DITADURA! É UMA CRIANÇA QUE BRINCA, FANTASIA, E QD ELE DIZ “AGORA ERA FATAL QUE O FAZ DE CONTA TERMINASSE ASSIM…” É PQ A CRIANÇA CRESCEU, É AGORA UM ADULTO E A REALIDADE É OUTRA…

  26. Thaís Fontenele Prata disse:

    Eu já escutei essa música umas 500 vezes e só chego a uma conclusão. O ” cantor ” no caso, é uma criança relembrando sua infância e em especial, uma pessoa que brincava com ele.

    ” Agora eu era herói.. ” – Ou seja, ele pode ser o que quiser.
    ” A noiva do cowboy era você, além das outras três. ” – ELA, participava das brincadeiras dele.
    ” Eu enfrentava os batalhões, os Alemães e seus canhões. ” – Não tinha noção do perigo das coisas e em suas brincadeiras podia enfrentar o mundo todo, se fosse preciso.
    ” Guardava o meu bodoque e ensaiava um rock para as matinês. ” – No mesmo instante em que enfrentava todos, podia guardar sua arma e ensaiar uma música.
    “‘ Agora eu era o rei, era o bedel e era também juiz. E pela minha lei, a gente era obrigado a ser feliz. ” – Ele poderia ser o que quisesse, contanto que fosse feliz daquela maneira.
    ” E você era a princesa que eu fiz coroar. E era tão linda de se admirar, e andava nua pelo meu país. ” – Da mesma forma que ele era o que queria ser, ela também era o que ele queria que ela fosse.
    ” Não, não fuja não. Finja que agora eu era o seu brinquedo.
    Eu era o seu pião, o seu bicho preferido.. ” – Como se ela começasse a se afastar e ele quisesse inverter as posições das brincadeiras para que ela ficasse.
    ” Vem, me dê a mão, a gente agora já não tinha medo
    No tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido. ” – Dizendo que juntos eles poderiam continuar sendo felizes, ao menos em suas brincadeiras.
    ” Agora era fatal que o faz-de-conta terminasse assim. ” – Referindo – se a infância que estava acabando. E agora ele não podia mais ser rei, herói, nem juiz.
    ”Pra lá desse quintal era uma noite que não tem mais fim. Pois você sumiu no mundo sem me avisar. ” – A companheira de brincadeiras foi embora, a infância foi embora, e o quintal (local onde eles brincavam), tornou – se um lugar escuro, sem vida, como uma noite que não tem fim. Tudo isso por que a amiga e a imaginação sumiram aos poucos. ”
    ” E agora eu era um louco a perguntar: o que é que a vida vai fazer de mim? ” – O que vai acontecer agora, já que não pode mais brincar de ser o que quer? Cresceu e terá que assumir apenas um papel.

    Enfim, há quem diga que essa música fala da ditadura, mas eu só consegui analisar assim. É a minha opinião. Cada um entende como quiser.

    – Thaís Fontenele Prata.

    • Samuel disse:

      A única referência à ditadura está aqui: No tempo da maldade (ditadura) a gente nem tinha nascido. No demais, refere-se à infância mesmo.

  27. George Cidra disse:

    Na minha modesta interpretação também sou levado a crer que o autor procura com a letra remeter-se ao mundo da fantasia infantil. Retratando também a ordem cronológica do ser. Senão vejamos: “agora eu era herói…” refere-se aos filmes de faroeste americanos os quais assistia daí o cavalo falar inglês, e a menina sempre se apaixona pelo mocinho que por sua vez sempre tem várias pretendentes. “Eu enfrentava os batalhões…”
    Lógico que o mesmo brincava de soldadinhos de chumbo onde se travavam batalhas sempre tendo como inimigos em comum os alemães. “guardava meu bodoque…” Já quando ele entra na adolescência deixando o brinquedo e parte-se para o lado musical-instrumental. “agora eu era o rei… “O mundo pós- adolescência onde se imagina ser o dono do próprio nariz e está acima de tudo e todos.” E você era a princesa que fiz coroar…” Ele a desposou e a coroa simbolizava a aliança ela andava à vontade (nua) em sua casa (país). “não fuja não, finja que era…” referência vida do casal, onde ele a convida a emergir e dar asas as suas fantasias. “vem me dê à mão a gente já não tinha medo” No mundo deles já não existia mais tabus e os mesmos eram fiel mutuamente. “agora era fatal que o faz…” Nesta parte ele descreve o final de tudo reverenciando a morte como “uma noite que não tem mais fim” descrevendo a morte da companheira o que o deixou mergulhado num mundo de desatino.

  28. viviane disse:

    essa musica e muito sem sentido sabia?

  29. Emília Elias disse:

    Na minha humilde opinião Chico Buarque foi um dos poetas que mais macaram nesta época por conta de suas criticas e suas musicas de duplo sentido com uma pintadinha de indireta a musica “João e Maria” fala da infância de uma criança,e cutuca a ditadura militar pois naquela época os poetas eram proibidos de falar sobre a ditadura militar era um tempo onde as pessoas eram opremidas.
    Muitos trechos da musica demonstram a presença da ditadura militar!

  30. Bruno disse:

    Logo no início,na primeira frase já começa com uma certa insatisfação do autor,”Agora eu era o herói” Agora é presente quer dizer algo que ele vive no momento,”eu era” já é pretérito,então ele sente saudade daquilo que o fazia bem,nessa caso o “herói”.O lugar em que há um maior número de heróis é a América do Norte,nos mostra uma enorme influência americana sobre os brasileiros
    ,e isso é logo explicado com a frase ” E o meu cavalo só falava inglês”,não precisa nem explicar.”A noiva do cowboy era você além das outras três” O termo Cowboy ganhou um sentido mais geral devido ao gênero cinematográfico e literário sobre o faroeste,os primeiros Cowboys apareceram no meio do século XVIII,quando os norte-americanos venceram os ingleses e passaram a ser independentes,mas uma vez nos mostra a influência norte americana sobre todos,esse “era você além das outras três” mostra uma certa briga por poderes,onde entra o governo maior no caso o presidente,e logo após os três poderes: Legislativo,Executivo e Judiciário.”Eu enfrentava os batalhões, os alemães e seus canhões” esse termo “EU ENFRENTAVA” mostra um certo receio sobre a atualidade,antigamente ele enfrentava qualquer batalha,hoje em dia apenas as batalhas de seu cotidiano já esta ótimo. “Guardava o meu bodoque e ensaiava o rock para as matinês” bodoque para quem não sabe,é uma arma antiga que lembra muito um estilingue,aqui da pra perceber que mesmo com as perseguições da ditadura e toda aquele “batalha”,ele tentava guardar todo o seu rancor,e esse ensaiar o rock refere-se a curtir um pouco o momento e tentar esquecer se divertindo na noite.”Agora eu era o rei era o bedel e era também juiz” outra vez ele usa do verbo no presente e no pretérito levando a entender que outra vez ele sente saudade de um certo “poder”,essa frase deixa uma certa dúvida,porque o rei é o poder maior em um reino,bedel era como se chamavam os infiltrados nas universidades para vigiar ações subversivas de professores ou alunos,e os juízes eram grandes servidores da ditadura,é claro que nem todos,mas Chico sempre sonhava com leis que parassem com a censura.”E pela minha lei a gente era obrigado a ser feliz” aqui outra vez mostra uma enorme insatisfação,mesmo com toda a censura,as pessoas eram obrigadas a se mostrarem alegres e felizes em relação ao que estava acontecendo,por isso ele diz “obrigado a ser feliz.”E você era a princesa que eu fiz coroar e era tão linda de se admirar que andava nua pelo meu país” essa é a parte que mais me chamou a atenção,primeiramente ele fala” E você era a princesa que eu fiz coroar” a princesa aqui faz o papel de um governador,o uso do “era” quer dizer que aquela “princesa” que ele elejeu não é mais aquela de antes.Ele termina dizendo que era tão linda,ou seja,era tão transparente,que andava sem nada a esconder. “Não, não fuja não finja que agora eu era o seu brinquedo”,nessa parte da música,mostra como éramos tratados,tínhamos que aceitar aquela situação,e ainda deixar que fizessem o que queriam conosco,por isso ele usa “finja que agora eu era seu brinquedo”. “Eu era o seu pião, o seu bicho preferido”,pião é um brinquedo que roda e não sabe quando vai parar,bicho preferido é aquele que todos da casa o tratam na mão,como se fosse um “rei”. “Vem, me dê a mão, a gente agora já não tinha medo no tempo da maldade acho que a gente nem tinha nascido”,nessa frase o “poder” tenta acalmar a situação,o chamando para caminhar e dizendo que tudo é bonito e sem maldade.
    “Agora era fatal que o faz-de-conta terminasse assim” essa frase nos mostra muito bem,que tudo um dia vem a tona,e foi isso que aconteceu,o faz de conta da suposta “liberdade” se mostrou mentirosa.
    “Pra lá desse quintal era uma noite que não tem mais fim” pra lá desse quintal,ou seja,no nosso país a escuridão era longa,era palavras mal ditas e ações escondidas.
    “Pois você sumiu no mundo sem me avisar e agora eu era um louco a perguntar o que é que a vida vai fazer de mim?”Ele termina a composição se mostrando um tanto preocupado com a situação,pois o “poder” sumiu,e tudo continuou como estava antes, nada melhorou,sabe quando acontece uma situação muito ruim e você fala ” O que será que a vida vai fazer de mim agora”?foi isso que ele sentiu,prezo a um mundo onde a influência americana era muito forte,onde a privatização de críticas e opiniões era notória e onde tudo não passava de um faz de conta.

  31. elci celso cardoso disse:

    minha opinião é que juntou a fome e vontade de comer,pois a grandiosidade da letra vai de encontro a musica, feita pelo sivuca ,onde a riqueza de seus acordes e,sua harmonia somente para genios.

  32. ISABELA DUBIELA disse:

    ADOREI Q BOM SE NOS ESDUDASEMOS ESSA MUSICAS IRIA SER MUITO MAIS LEGAL

  33. Ligia Mendes disse:

    bem,eu acho q essa música é um diálogo entre várias crianças comentando sobre as brincadeiras,como por exemplo “agoro eu era o herói…” qr disser que antes eles brincavam de alguma coisa(como por exemplo policia e ladrão) e agora ele queria ser o herói

  34. Natália Morais disse:

    Como essa música pode se tratar de Ditadura Militar no Brasil se ela é de 1947?

    • Edilberto Vargas disse:

      Fonte no final do texto.
      João e Maria – Chico
      Buarque de Holanda –
      Sivuca.
      História, música ou os
      dois… Seja como for aqui
      está a “Valsinha” que
      durante anos vem
      alimentando nossa
      imaginação. Música
      sempre cantada pela
      minha querida Beatriz
      Quintella que com sua
      graça e alegria muda
      tudo por onde passa,
      deixando tudo um pouco
      mais feliz.
      A Valsinha “João e Maria”
      foi composta por Sivuca
      em 1947, nesta época,
      Chico ainda era criança e
      sequer imaginava se
      tornar um dos maiores
      nomes da MPB. Chico só
      iria colocar a letra na
      música, em 1977,
      portanto, 30 anos após a
      música ser composta por
      Sivuca.
      Chico Buarque colocou
      letra em várias músicas
      de parceiros famosos,
      como: Tom Jobim, Francis
      Hime, Milton Nascimento,
      Edu Lobo , dentre outros.
      Para explicar seu método
      para colocar letras em
      músicas, o compositor
      respondeu, em uma
      entrevista de 1988:
      “Você tem que entrar na
      cabeça do compositor.
      Tentar adivinhar. Se você
      fosse ele, o que você
      estaria dizendo com
      aquela música…” e
      complementou com uma
      frase que repetiu
      algumas vezes – “Cada
      música tem uma
      história.” Cada parceiro
      tem uma história” e citou
      alguns exemplos:
      Para músicas de Milton
      Nascimento, ele
      procurava fazer letras
      com a cara do Milton, Já
      Tom Jobim, este gostava
      de interferir
      constantemente na
      criação da letra, muitas
      vezes o compositor de
      Desafinado já trazia uma
      idéia pronta, o que,
      segundo Chico, criava
      alguma dificuldade para
      compor, afinal, Tom
      também era um grande
      letrista. Francis Hime, ao
      contrário de Tom, nunca
      interferia no processo de
      composição, Chico chega
      a confessar que Hime
      sequer se preocupava em
      dar o título da música.
      Na música João e Maria,
      uma valsinha que Sivuca
      compôs com uma linha
      melódica que prima pela
      singeleza e ingenuidade,
      Chico procurou
      transformar em um belo
      mundo infantil de faz de
      conta, e explicou os
      motivos:
      “Cada música tem uma
      história. Eu tenho uma
      parceria com o Sivuca que
      é engraçada. Ele fez a
      música, que ficou se
      chamando João e Maria.
      Ele mandou uma fita com
      uma música que ele
      compôs em 1944, por aí.
      Eu falei: “Mas isso foi
      quando eu nasci.” A
      música tinha a minha
      idade. Quando eu fui
      fazer, a letra me remeteu
      obrigatoriamente pra um
      tema infantil. A letra saiu
      com cara de música
      infantil porque,
      simplesmente, na fitinha
      ele dizia: “Fiz essa música
      em 47.” Aí pensei: “Mas
      eu criança…” e me levou
      pra aquilo. Cada parceria
      é uma história.”
      João e Maria foi gravada
      por Chico em vários
      discos, uma das
      gravações foi feita com
      Nara Leão no LP “Meus
      amigos” , a música
      também foi um grande
      sucesso como trilha da
      novela “Dancin’ Days”,
      passada na TV Globo, em
      1978.
      Fontes: Site do
      Compositor Chico
      Buarque de Holanda
      Livro 85 anos de Música
      Brasileira Vol. 2, 1ª
      edição, 1997, editora 34
      João e Maria
      Agora eu era o herói
      E o meu cavalo só falava
      inglês
      A noiva do cowboy
      Era você
      Além das outras três
      Eu enfrentava os
      batalhões
      Os alemães e seus
      canhões
      Guardava o meu bodoque
      E ensaiava um rock
      Para as matinês
      Agora eu era o rei
      Era o bedel e era também
      juiz
      E pela minha lei
      A gente era obrigada a
      ser feliz
      E você era a princesa
      Que eu fiz coroar
      E era tão linda de se
      admirar
      Que andava nua pelo
      meu país
      Não, não fuja não
      Finja que agora eu era o
      seu brinquedo
      Eu era o seu pião
      O seu bicho preferido
      Sim, me dê a mão
      A gente agora já não
      tinha medo
      No tempo da maldade
      Acho que a gente nem
      tinha nascido
      Agora era fatal
      Que o faz-de-conta
      terminasse assim
      Pra lá deste quintal
      Era uma noite que não
      tem mais fim
      Pois você sumiu no
      mundo
      Sem me avisar
      E agora eu era um louco a
      perguntar
      O que é que a vida vai
      fazer de mim

      http://historiascomcarlitos.blogspot.in/2012/02/joao-e-maria-chico-buarque-de-holanda.html

  35. João Humberto disse:

    Natália Morais, você tem a razão, a música é de 1947,inclusive foi Sivuca quem a compôs, mas apenas a música, a letra foi feita bem depois, em 1977 por Chico Buarque.

  36. Violeta disse:

    Bom, pra mim ele também faz uma grande alusão aos tempos de censura e ditadura militar, além de fazer a menção sobre a segunda guerra mundial. Vou deixar minha interpretação:
    “Agora eu era o herói, e o meu cavalo só falava inglês…” – faz alusão a entrada do Brasil na segunda guerra mundial, em favor dos EUA.
    ” Eu enfrentava os batalhões, os alemães e os seus canhões…” – reforça o comentário anterior, já que o maior inimigo dos aliados era enfim, a Alemanha.
    ” Agora eu era o rei, era o bedel e era também juiz…” – Como foi dito em um comentário anterior, bedel era como um espião. Então, interpretando, na ditadura militar os presidentes eram como rei, pois faziam e desfaziam, mandava em quem quisesse. A prova disso é a AI-5. Além disso com o poder que tinham nas mãos, atuavam como juízes, pois muitas pessoas foram torturadas, e exiladas por acusações fantasiosas de comunismo. Bedel, o governo tinha a permissão de atuar como espião em qualquer situação. Policiais invadiam casas entre outras coisas para apenas, deixar a população intimidada.
    ” E pela minha lei, a gente era obrigado a ser feliz…” – neste verso o autor mostra que o eu-lírico, que na minha interpretação é o Brasil e seus representantes, as pessoas eram obrigadas a ser “felizes”, já que não tinham o direito de demonstrar nenhum tipo de insatisfação.
    ” Pois você sumiu no mundo sem me avisar…” – bom, isso pode parecer fantasioso mas na minha interpretação, a amada do autor se deu por desaparecida. O que faria alusão aos desaparecimentos ocorridos na época de ditadura militar.
    Bom, é isso.

  37. linda disse:

    agora eu era heroi e o meu cavalo só falava inglês!!!!

  38. não se faz música como antigamente

  39. Rapha disse:

    Concordo com a Tayná. Essa música não tem nada a ver com política. É apenas um poeta falando do amor que se foi.

  40. cassia santana disse:

    me ajude

  41. Domingueti disse:

    So Acho q Chico é FODA.

  42. kaylane disse:

    amo essa musica

  43. Nickolas disse:

    Um sonho. Uma utopia. Uma idealização.
    O amor não tinha limitações, vivia-se de tudo que tinham os dois, um para o outro.

  44. sonia disse:

    ADORO CHICO.

  45. Esmerauda disse:

    Musica mais linda o amor deles eu nem consico esplicar,vivo cantarolando ela…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *