Faça o download do App do Análise de Letras para Android! É grátis!


Últimas Análises

Eu sou mais pragmático na interpretação Geni = Gen (General) = Ditadura e Zepelim = Gigante Poderoso = Capital = EUA.
Nesta pérola,Chico expõe que há no ser humano um "amor verdadeiro" que fica oculto,guardado,preservado que o mesmo não revela a ninguém.Aquele sentimento que mesmo a pessoa já casada,vivida e comprometida guarda dentro de si (talvez uma paixão da adolescência que ficou) e as pessoas ficam tentando saber do que se trata "Os escafandristas virão Explorar sua casa Seu quarto, suas coisas Sua alma, desvãos"
me ajude
Creio que é sobre a Ditadura e vou desmembrar a música para entender melhor: A Rita levou meu sorriso No sorriso dela --- TINHA MOTIVO PARA SORRIR. Meu assunto Levou junto com ela -- MUITOS FORAM OBRIGADOS A SE CALAREM, TINHAM MEDO DE TOCAR EM CERTOS ASSUNTOS O que me é de direito E Arrancou-me do peito E tem mais Levou seu retrato, seu trapo, seu prato Que papel! Uma imagem de são Francisco E um bom disco de Noel --- CREIO Q ESSA PARTE ELE SE REFERE QUE SE PERDEU TUDO, INCLUSIVE A FÉ (IMAGEM DE S. FRANCISCO) A Rita matou nosso amor De vingança Nem herança deixou --- PERDEU-SE O AMOR EM FAZER AS COISAS, PERDEU O AMOR ENTRE PESSOAS, ETC. Não levou um tostão Porque não tinha não Mas causou perdas e danos --- A DITA NAO LEVOU NADA DE VALOR MATERIAL E SIM DE AMOR, SENTIMENTOS, SONHOS, VIDAS... Levou os meus planos Meus pobres enganos Os meus vinte anos O meu coração --- A MAIORIA DOS MILITANTES ESTAVAM NA CASA DOS 20 E TIVERAM OS PLANOS DESTRUIDOS, FORAM ANOS QUE NÃO PUDERAM SER APROVEITADOS E além de tudo Me deixou mudo Um violão -- E ALEM DE TUDO ELE NÃO PODIA SE EXPRESSAR. ASSIM COMO MUITOS OUTROS CANTORES QUE FORAM PRESOS POR SE EXPRESSAR COM A MUSICA. Acho que tem tudo haver com a Ditadura sim.
quero entender
quero saber dessa musica
Gostaria da interpretação da música
Versão modificada, com todo respeito ao autor, da visão da música: Sobre todas as Coisas de Chico Buarque Pelo amor de Deus Não vê que isso é pecado, desprezar que lhe quer bem Não vê que Deus até fica zangado vendo alguém Desprezar o amor de Deus Ao nosso Senhor Pergunte se Ele produziu nas trevas o esplendor Tudo isso foi criado – o macho, a fêmea, o bicho, a flor Criado pra proclamar as obras do Criador E se o Criado Inventou a criatura, por favor Se do barro fez alguém com tanto amor Para amar Nosso Senhor Sim, Nosso Senhor Lançou em movimento terra e céu Estrelas percorrendo o firmamento em carrossel Pra o homem dominar e adorar Nosso Senhor Sim, o Deus que criou nosso desejo é tão fiel Mostra os vales onde jorra leite e mel E esses vales são pra nós Pelo amor de Deus Não vê que isso é pecado, desprezar que lhe quer bem Não vê que Deus até fica zangado vendo alguém Desprezar o amor de Deus
Realmente, o questionamento procede, pois Deus criou o mundo para o homem. O amou de tal forma que deu a criação para o homem reinar sobre ela, porém o homem foi criado para adorar ao Criador de todas as coisas e vendo nelas não a Deus mas a sua grandiosidade, divindade e do seu imenso amor. Sendo nós criados com tanto amor e tendo ganhado todo o universo para nós, como podemos rejeitar o nosso igual?
Na verdade, Chico nos diz para mirarmos no exemplo destas mulheres, e não para sermos como elas. Ele nos mostra uma maneira de não se comportar perante os homens, não ser submissas como as mulheres de Atenas. Trata-se de uma crítica ao machismo e à submissão feminina à figura "superior" masculina.
Tomando por base alguns breves estudos, durante minha passada pelas definições desta música devo ressaltar minha total concordância à análise de Fernando (sobre a ditadura militar). O tal grifo citado durante toda a música trata-se do desejo de emancipação política e, principalmente, expressiva. Um povo que era radicalmente vetado e suprimido diante de qualquer manifestação contrária a politicagem e e modo de governo violento e abusivo. Tal acontece com Chico, enquanto exilado na Itália, teve suas músicas 'Cálice' e 'Apesar de Você' censuradas à época. O desejo de estar livre das garras militares; o grito de liberdade oculto por baixo dos panos facínoras, criminosos e sujos. Chico, sempre discreto (contudo, artista), deixava subentendido em suas obras todo e qualquer sentimento oprimido; nunca batendo de frente com seu opressor. Tomando como exemplo a própria letra em análise, ele mascara todas as vezes em que, de certa forma, evidencia seu apelo e afronta o superior: O que será, que será? Que todos os avisos não vão evitar Por que todos os risos vão desafiar Por que todos os sinos irão repicar Por que todos os hinos irão consagrar E todos os meninos vão desembestar E todos os destinos irão se encontrar E mesmo o Padre Eterno que nunca foi lá Olhando aquele inferno vai abençoar O que não tem governo nem nunca terá O que não tem vergonha nem nunca terá O que não tem juízo Nenhum aviso abafará a indignação do povo. A massa contestará e desafiará. Os meninos (homem, mulher) sairão de seu estado vegetativo para pôr em prática seus ideais. Os sinos se remetem a Igreja, que aliada à força militar, manipulava, oprimia e exterminava a oposição. Sobre os "hinos" que consagraram a todos os que lutaram até o fim desse governo (vivos ou mortos), não há o que dizer. Cabe apenas a interpretação. Até mesmo Deus, o "Padre Eterno", que não se submeteu a esse massacre, abençoaria o verdadeiro inferno, a verdadeira reviravolta que foi o fim desse governo. E, por fim, a própria vontade de ser livre, o desejo da democracia e de um fiel representante para o povo; isso não tinha vergonha, juízo ou governo. Como no trecho anterior "está na natureza", é algo que não pode ser tirado de nós. E para você, que por ingenuidade ou desatenção, sempre foi que esta falava do AMOR... Releia toda a canção com os olhos desta análise, e verá do que realmente se trata.
Chico, malandro e namorador que foi, fez desta letra uma despedida como quem soubesse o mal causado em seu par, após o término, embora o adeus fosse algo ensaiado e posto em prática sem remorso, como se tivesse "pés de lã" e não causasse um alarde sentimental (dentro de si) em sua ida. "Machuquei você de leve e me retirei com pés de lã" Demonstrava dor, contudo, não sentia. Era apenas mais um ponto final em seu capítulo romântico. Enfim, em sua coleção amorosa. "Meu coração parece que perde um pedaço, mas não me leve a sério" E querendo a todo custo mostrar para a amada que, assim como pra ele, aquilo passaria e, no entanto, algo de semelhante ou superior intensidade poderia estar por vir. "Passou este verão, outros passarão. Eu passo"
Esqueceram de comentar que a parte do "que mora no fundo do mar", se refere ao fato dele ter sido jogado na Baía de Guanabara. Como na música de Chico Buarque, Cálice, em que ele também fala sobre zuzu... "Vir emergir o monstro da Lagoa"
Logos; razão; pensamento; palavra; vida. É disto que Chico está falando...
É fato perceber a hipocrisia que ainda resiste e cada vez mais visível na nossa sociedade que não é tão democrática assim . É a forma que muitas pessoas tratam as outras quando percebem que podem tirar alguma vantagem seja qual for a situação no caso a destruição da cidade, me lembrou a passagem de Sodoma e Gomorra acredito que seja sim mais uma questão social em vários aspectos.