Faça o download do App do Análise de Letras para Android! É grátis!


Últimas Análises

quero saber quais sao
amo chico e suas musicas
me ajudou bastante , obrigado aos interpretadores
"Tem dias que a gente se sente Como quem partiu ou morreu A gente estancou de repente Ou foi o mundo então que cresceu…" Essa parte retrata a guinada social e cultural que sofremos com a Ditadura Militar, fala do estacamento evolutivo. "A gente quer ter voz ativa No nosso destino mandar Mas eis que chega a roda viva E carrega o destino prá lá …" Essa parte mostra a censura que os militares impuseram sobre os artista e intelectuais, que até então, eram as vozes dos anseios sociais. "Roda mundo, roda gigante Roda moinho, roda pião O tempo rodou num instante Nas voltas do meu coração… A gente vai contra a corrente Até não poder resistir Na volta do barco é que sente O quanto deixou de cumprir Faz tempo que a gente cultiva A mais linda roseira que há Mas eis que chega a roda viva E carrega a roseira prá lá…" A segunda estrofe fala exatamente sobre a luta dos intelectuais corajosos em terem a voz ouvida, e retrata a retaliação sofrida pelos detentores do controle do Brasil, a parte da roseira é exatamente a evolução social e cultural que a sociedade brasileira havia iniciado, estancado de repente pela ditadura. "Roda mundo, roda gigante Roda moinho, roda pião O tempo rodou num instante Nas voltas do meu coração… A roda da saia mulata Não quer mais rodar não senhor Não posso fazer serenata A roda de samba acabou…" Retrata o principal direito tirado da população. "A gente toma a iniciativa Viola na rua a cantar Mas eis que chega a roda viva E carrega a viola prá lá… Roda mundo, roda gigante Roda moinho, roda pião O tempo rodou num instante Nas voltas do meu coração…" novamente traz a tona a tentativa de combate a censura intelectual. "O samba, a viola, a roseira Que um dia a fogueira queimou Foi tudo ilusão passageira Que a brisa primeira levou… No peito a saudade cativa Faz força pro tempo parar Mas eis que chega a roda viva E carrega a saudade prá lá …" É o sentimento da sociedade da época, demonstra a saudade dos tempos de liberdade.
Essa música sempre me deu a impressão de que o Chico está descrevendo três personagens diferentes.
soh quem viveu a época mencionada (1981) poderia dar essa interpretação.... eu imaginava que a letra seria a descrição romântica-subversiva da vida de uma prostituta que vaga pelas madrugadas boêmias do rio de janeiro (os letreiros a te colorir) e a quem chico amava, querendo arrancá-la dessa vida através de súplicas (dá tua mão, olha pra mim, não faz assim, não vai lah não); uma mulher muito bonita que acabou se acostumando à vida mundana, saindo "da sessão, frouxa de rir" e que acaba por viver a vida "um dia, depois de outro dia"
A roda viva é a Ditadura Militar. O autor deu um jeito de criticar disfarçando.
É uma analogia, e pode ser interpretada de muitas formas. Sempre entendi como uma analogia ao gênesis, onde a Voz é a criatura, e o dono da Voz é o criador. Até quem sabe a voz do dono gostava do dono da voz (quando Deus fez o Homem). Casal igual a nós...(Adão e Eva) O dono andava com outras doses (anjos) A voz era de um dono só (Deus) Às vozes deu só deu seu dó (só deu o paraíso mas não pecado, o conhecimento do bem e do mal). A voz sonhou se desatar de tantos nós(...) A louca escorregava nos lençóis ..(sexo) etc.
A letra da música o meu amor É uma cantiga de amigo
A letra e uma cantiga de amigo
gol
A canção, para mim, fala da derrota da ditadura militar, mesmo que de maneira tardia: Alô, liberdade Desculpa eu vir Assim sem avisar Mas já era tarde E os galos tão Cansados de cantar. E por isso a alegria de todos, comemorando cada um do seu jeito, com trombeta, prato e faca, etc. A parte que mais explícta isso é: Alô, liberdade levante, lava o rosto Fica em pé Como é, liberdade … Um chamamento para todos comemorarem esta liberdade.
Quero saber.
Como seres humanos, comportamos a ambiguidade em nossa materialidade, porquanto apesar de que, na essência, sejamos luz, nossa matéria nos credita sermos em busca dessa luz perdida. O grande amor, que ele se recusa a aceitar, que Chico, por ter sofrido, por não ter mais coragem de se aventurar nesse percurso desconhecido que o coração promove. Mas ele tem, é o que ele quer. Ele tenta negar, pois sofreu, se deu demais, se deu por fiador( quem é tão insano que se dá por fiador, ainda hoje em dia?). Mas é isso que ele quer, pois está à procura de uma flor para regar, para cuidar, para amar.
Por que uma pessoa que interpreta uma música faz-se de intelectual e escreve coisa tão vagas e desconexas assim como estou escrevendo? A Rosa é uma puta! E tem colegas de profissão se defendendo por aqui.