Adeus do mineiro

Adeus amigos companheiros de viola
Sei que é chegada a hora de eu partir pra eternidade
Meu coração, chora pranto de cascata
Por deixar a serenata bem na flor da mocidade.
Adeus viola dedicada companheira
Junto a minha cabeceira és a sombra da saudade
De um pobre artista sem platéia delirando
Que vê cair o pano de um drama de verdade.

De minha vida, um rosário de amargura
Só não levo a desventura de querer mal um violeiro
Se eu mereço ir morar lá no infinito
Caboclinho e Gauchito vão serão meus dois parceiros.
O nosso trio terá o nome de humildade
Pois no céu não há vaidade, nem quem manda é o dinheiro
Deixo a terra meus colegas combatendo
Cada qual sempre querendo ser maior que o companheiro.

Adeus colegas perdoem a minha franqueza
Pois é com grande tristeza que agora vou lhe deixar
Adeus catiras noites frias e garoas
Deixo esta vida tão boa que eu não pude aproveitar
Adeus Maria não chore o destino meu
Lembra as palavras de Deus pra você sem conformar
Veio do céu somente cristo, ele só
O resto veio do pó, e ao pó retornará.