Zé Geraldo

Promessas de um idiota às seis da manhã

Momento que aponta e revela
a cor da poesia
Ainda resta um pedaço da noite

Teimosa empurrando a barra do dia
Já se ouve os primeiros pardais
afinando a orquestra

É o início do dia de dor e de festa
Retrato inverso da Ave Maria
E eu prometo aderir ao sistema

Olhar a vitrine, o cartaz do cinema
Trocar minhas rugas de preocupações
pelo céu de Ipanema

Prometo viver a intenção do passado
Manter este corpo faceiro ao meu lado
O ar de menina sapeca e levada
do cabelo molhado

Falta pouco pra seis horas da manhã
É gente correndo atrás do destino e da compensação
Daqui a pouco são seis horas da manhã

Cada um no seu canto
vivendo do canto,
do acordo e do não

E eu prometo aviar a receita
do bolo da sorte, da boa colheita

Matar a angústia dessa juventude
Tão insatisfeita
Prometo trilhar o caminho mais certo

Cidadão comportado
ordeiro e correto
Dividir minha cama com a mulher amada
no momento deserto
Falta pouco…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>