Luiza

Tom Jobim

Compositor(a) da letra: Tom Jobim

Álbum da letra: BRILHANTE - Trilha Sonora da Novela da Rede Globo

Ano de lançamento: 1981

Rua,
Espada nua
Boia no céu imensa e amarela
Tão redonda a lua
Como flutua
Vem navegando o azul do firmamento
E no silêncio lento
Um trovador, cheio de estrelas
Escuta agora a canção que eu fiz
Pra te esquecer Luiza
Eu sou apenas um pobre amador
Apaixonado
Um aprendiz do teu amor
Acorda amor
Que eu sei que embaixo desta neve mora um coração

Vem cá, Luiza
Me dá tua mão
O teu desejo é sempre o meu desejo
Vem, me exorciza
Dá-me tua boca
E a rosa louca
Vem me dar um beijo
E um raio de sol
Nos teus cabelos
Como um brilhante que partindo a luz
Explode em sete cores
Revelando então os sete mil amores
Que eu guardei somente pra te dar Luiza
Luiza
Luiza

0 comentário sobre “Luiza

  • Pessoal, fiquei despontade ao perceber que não há comentários para esta composição. A meu sentir, esta música é uma metáfora do ato sexual.”Espada nua”, é o órgão masculino e “lua” a nádega feminina. “A rosa louca” representa o órgão feminino. “Raio de sol nos teus cabelos” significa a ejaculação masculino.”Brilhante que partindo a luz explode em sete cores revelando então os sete mil amores que eeu guardei somento pra te dar Luiza”, aqui temos o êxtase.

    2
    6
    • Lucas Sebastião disse:

      Temos um Freudiano, aqui…

      Conta-se que Jobim compôs essa canção a uma certa onomástica que viu num bar. É dicto, portanto, ser estritamente platônico o sentido da canção.

      Nam fiques procurando por pornographia subliminar em tudo: é estúpido e irritante.

  • Sempre interpretei “espada nua” como se a própria Luiza fosse a espada e a lua ao mesmo tempo. Tenra de longe como a lua, mas cortante como a espada sem a bainha, no caso, nua. Assim que Tom menciona o trovador, a música daí em diante passa a ser o próprio trovador contando suas ânsias e amores por Luiza. Sou suspeita pra falar, meu nome veio da música. hahaha

  • é uma linda composição e pela minha interpretação imagino os dois num quarto e ela está deitada na cama e ele observa (nu) pela janela, a lua (talvez associando a ela – luiza) tão linda e tão solitária quando diz navegando no azul do firmamento, tipo o destaque na multidão. então quando menciona o trovador (observador) cheio de estrelas (cheio de sonhos) que aprende a amar quem não o ama (o coração gelado). Talvez ela o queira por prazer apenas, quem sabe? e daí o momento de prazer é o momento de paz (vem, me exorciza). E depois vem o amanhecer (a luz nos cabelos dela) “os cabelos à luz do sol pode ter tons diferentes” o momento de exctase (o gozo) que ele guardou pra ela. da maneira mais romantica de se dizer, seria somente com ela a satifação completa.

  • Em uma rua numa noite estrelada de lua cheia, o trovador (trovador é um poeta que toca serenatas com um pequeno instrumento na idade média) conhece Luiza, uma bela e fria moça que se sente insegura e por isso ela anda na defensiva (espada nua). Eles passam uma noite de sonho juntos até amanhecer (acorda amor/raio de sol nos teus cabelos), ele a observa dormindo, imagina eles casados (o teu desejo é sempre meu desejo; como um marido que concorda com a esposa)

    Por fim, Luiza é pra ele um diamante que quando bate sol da manhã nos cabelos dela formam um arco-íris. É aí que o eu-lírico percebe que ele é o amor da sua vida (amores que guardei somente pra te dar).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>