Skank

Don Blás

Don Blás
Ajeita os cabelos
E sai
Gomalinamente

Cidadezinha uruguaia
O bonde ele ponga
Toma lugar pra ler
Sonda seus pares
E songamonga
Outras mais ímpares vê

Baixou
Na praça maior
Desceu
Olhando ao redor

Olha pro sol e sai
Ali dá sombra, ali tá bom
Olha o relógio e vai
Olha pro sol sai
Aqui na sombra onde Brasil
Divisa com Uruguai

Chegou
Cristal da manhã
Maná
Dolores pagã

Não atinou com a sombra do mal ali
Nem viu Don Blás fugir
Não viu a rede se desfazer
Sem o pescado, eh hí!

O peixe morre pela boca
Ou senão pelo sexo
Estude o léxico do amor, por favor
Blás, homem galante
Poderoso e confiante
Descansa numa estância longe de sua amante

Então cumpre admitir que desta feita quase
Me dei mal
Sorte ter o brilho me cegado, o cano de metal
Fosse obedecer um caralho que jamás
Recua e quer reinar
Mas nem o sonso distrai o papai aqui

Portanto cumpre tomar precauções
Doravante
Nada de morrer por causa de saia
O que é a mulher? pergunta alguém.
O que é a mulher?
A vida é boa mas me cansa a cabeça

Filha do pai me chama na praia
Descendo vai aonde a tocaia…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>