Marcelo Nova, Raul Seixas

Best Seller


O Best Seller do momento
É um livro agourento
Que ninguém entende mas
Todo mundo quer ler
Ler pra ter cultura e como acabaram
com a censura
A mídia agora é o nosso Aiatolá
Ah, mas não se importe não
No final o bandido casa
com o mocinho
E o Best Seller vai pra
milésima edição
Ah, mas não se importe não
No final o bandido casa
com o mocinho
E o Best Seller vai pra
milésima edição
O presidente conversa com Sting
E é você quem não distingue
Quais são os índios que vão
tomar no Xingu
Ai meu Deus que agonia
Como toda essa pontaria
A pomba escapa (e quem se ferra)
E quem se ferra é o urubu
Ah, mas não se importe não
No final o bandido casa
com o mocinho
E o Best Seller vai pra
milésima edição
Ah, mas não se importe não
No final o bandido casa
com o mocinho
E o Best Seller vai pra
milésima edição
Se já não existe inteligência
Então vamos bater continência pra
esse indício
De resquício militar
(um, dois, três, quatro)
E como é tudo a mesma merda,
Antes que chegue a vida eterna
Eu vou pedir asilo ao Paraguai
Ah, mas não se importe não
No final o bandido casa
com o mocinho
E o Best Seller vai pra
milésima edição…

0 comentário sobre “Best Seller

    • Caramujoneto disse:

      Ta doido? Claramente é uma critica ao mainstream. Não necessariamente a bíblia, mas à repetição de cliches e arquetipos aos quais a gnt presta atenção deixando de lado outras perspectivas e assuntos mais importantes

  • Isso ! Bem óbvio qua é a bíblia ! Agora o bandido casar com o mocinho! Se ainda tiver falando de religião, o bandido é o diabo e o mocinho é Deus …

    1
    1
  • Jeff zorz disse:

    Raul já estava em 2019.
    Com toda essa bancada evangelica e militarismo no cenário político voltando a tona. E todo brasileiro tomando no Xingu. “Mas nao se importem nao, no final bandido casa com o mocinho”…

    3
    1
  • PAULO HENRIQUE VICENTE disse:

    Na verdade a letra não se refere a Bíblia e sim a constituição federal de 1988, recém promulgada, trazendo uma crítica e até uma dúvida sobre o fim da censura, e ao fato de muitos nomes que elaboraram a dita “constituição cidadã” tivessem apoiado a ditadura militar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>