Anormal

Pato Fu

1 comentários

Rádio ligado
Troco estações porque
Não sei o som que você
Pode odiar

No supermercado
Eu tento escolher
O mesmo sabor que você
Deve gostar

Se é que conheço você
Só de te observar
Posso apostar que não vai
Me decepcionar

Mais que anormal
Eu devo ser
Pra ver você
Em todo lugar

Dentro do quarto
Vejo comerciais
Qual vai te convencer
Que ainda estou lá

No supermercado
Tentando escolher
O mesmo sabor que você
Deve gostar

Se é que conheço você
Só de te observar
Posso apostar que não vai
Me decepcionar

Mais que anormal
Eu devo ser
Pra ver você
Em todo lugar
Pra ver você
Em todo lugar

(solo)

Mais que anormal
Eu devo ser
Pra ver você
Em todo lugar




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um comentário para a letra “Anormal

  1. Não é preciso muito esforço para se entender que esta letra refere-se a uma forma de amor que comumente chamamos de Amor de Platônico. Explico: Este nome se deu devido a concepção que Platão expôs em sua obra “Banquete” onde num diálogo que Sócrates tem com os demais figuras atenienses tentando definir todas as formas de amor seus aspectos. Nesse diálogo Platão coloca que o amor é um princípio cósmico. O ser humano busca a imortalização da pessoa amada pela procriação, O amor é uma loucura que é um dádiva divina, fonte das principais bençãos concedidas ao homem. E o Amor Platônico é tão amplo e universal que, embora comece como amor pela forma bela, termina como amor da própria beleza em si, um princípio eterno do universo.No fim, de um modo muito natural, você é levado a perceber que todas as formas belas são dignas de amor, e você se torna sensível a todas elas. Passemos agora à alguns trechos da música do Pato Fu:

    “Rádio ligado, troco estações porque não sei o som que você pode odiar”
    Uma tentativa de agradar a pessoa amada e não deixa-la aborrecer com algum som que não goste.
    “No supermercado eu tento escolher o mesmo sabor que você deve gostar”
    Identificação proposital com os ideais da pessoa amada, diminuir as diferenças provocando uma possível aceitação do outro.
    “Dentro do quarto vejo comerciais qual vai te convencer que ainda estou lá”
    As propostas dos comerciais são tão bem feitas para vender um produto, talvez o individuo que ama pode arquitetar uma forma de convencer ou ganhar o coração da outra pessoa com uma boa campanha.
    “Se é que conheço você só de te observar posso apostar que não vai me decepcionar”
    Detalhe para a frase “só de te observar” indica que não há relação física entre eles, o conhecimento da pessoa amada é puramente intelectual, ideal e por isso tem toda certeza do que a pessoa pode gostar.
    “Mais que anormal eu devo ser pra ver você em todo lugar”
    O amor platônico embora visto como uma coisa anormal entre as pessoas por ele ser de caráter puramente imaginativo ele está presente em todos indivíduos que percebem a beleza de outro.

    O Amor Platonico é como uma fuga da realidade, para o lugar da idealização do que é belo, bom.
    Ele procura uma justificação ideal para a realidade vivida. Troca a dor da frívola realidade pelo amor ideal.
    O que geralmente acontece é não ser correspondido, isto pode ser bem entendido se lembrarmos que o amor é demasiadamente subjetivo, e a subjetividade é algo que depende de cada indivíduo. Portanto o Amor Platônico é um estágio necessário para o conhecimento da beleza, e do universo. Quem quando criança nunca teve uma paixão por aquela/ou aquele colega da escola? Mas depois de conhecer o amor e experimentar a dor da realidade chegamos então o mais próximo possível não só da idéia do objeto mas ele em sí, como pessoa amada real. É a saída da Caverna de Platão. Onde podemos contemplar a idéia real das coisas e não somente as sombras que antes enxergávamos no interior da caverna.
    Então o Amor Platônico não é algo tão anormal como a sociedade sempre o coloca, rejeitando ou excluindo aquele que “sofre” desse amor. Mas ele antes é uma parte de um processo necessário para o conhecimento das coisas, para o auto-conhecimento, para o conhecimento desse sentimento forte que é demasiadamente explicável (para não dizer inexplicável) que chamamos de amor.