O Rappa

Nó de Fumaça

Saiu de banda serpenteando
Como peixe ensaboado
Nem o Rio engarrafado
Foi capaz de detê-lo

Nas esquinas nas favelas
Não se fala de outro assunto

Refrão
É! Não se fala de outro assunto

Na muvuca da encrenca
Tem inocente tem culpado
E lavadeira não têm trouxa
Fumo novo é batizado
Filé de osso cara inchada
Quem conhece sabe que é do santo
Faca sem ponta, segura a onda da roubada

Refrão

Palmeando as meninas
Que estreavam a vida adulta
Não sobrou uma na área
Tratamento de puta

Herói de várzea, tupamaro
De onde veio, quem pariu
Aquele homem de metro e meio
Nó de fumaça que saiu

Refrão

E com silêncio do santo preto
Em igreja errada porta entrou
E de bobeira, sentou curvado

E onde o cara caiu
A calçada se fez de cama
Em cima de um palmo de terra
Não nasce mato
Não nasce grama
Pintou o sete do terror
E fez questão de ser do mal
Consciente malandro
Sangue ruim, riff e coisa e tal

Refrão

0 comentário sobre “Nó de Fumaça

  • A música fala sobre uma possível fuga de um marginal …provavelmente fuga dos homens da lei. Cidadão que, conforme o 5º verso, presume-se seria o “herói” da favela (herói de várzea), ou um guerrilheiro (Tupamaro) da mesma forma como os bandidos, muitas vezes, são vistos nas comunidades do Rio e pelo Brasil afora. No fim, ele acabou sendo “derrubado” pela polícia após um momento “de bobeira”.

  • a letra da música conta a história de alguém que saiu da favela porque causava problemas por lá, como vender droga de péssima qualidade, molestar garotas, um ‘nó de fumaça’ – ou seja alguém que não iria durar muito.

    Vale lembrar que na letra também cabe outro, o ‘nó de fumaça’ que algumas vezes sai de um cigarro aceso.

    Uma observação. Uma divagação.

  • Alexandra disse:

    Seria um cara que era bandido, mas não respeitava a própria comunidade, sendo temido e detestado. “onde o cara caiu…não nasce mato”, o cara era do mal. Sua morte não seria lamentada.

  • Cleber Santana disse:

    Só para acrescentar um pouco da discussão, li em algum lugar que NÓ DE FUMAÇA realmente existiu, era um cara q morava na comunidade e essa história é real e representa exatamente o que ele foi e como terminou. Ou seja, esse personagem NÓ DE FUMAÇA ele realmente existiu, era um ladrão que fez e aconteceu na comunidade, sempre fugia pois era liso, mas acabou caindo nos próprios vacilos.

    • Joselito disse:

      Escapava fácil da polícia como peixe ensaboado, pegava as meninas da comunidade e tratava igual prostitutas, bandido por escolha ao que diz sangue ruim consciente, e quando foi pego e morreu virou assunto onde morava.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>