Nelson Sargento

De boteco em boteco

Vou de boteco em boteco bebendo a valer
Na ânsia de esconder
As dores do meu coração
Conselhos não adiantam estou no final
Perdi o elã e perdi a moral
Meu caso não tem solução

Vou de boteco em boteco bebendo a valer
Na ânsia de esconder
As dores do meu coração
Conselhos não adiantam estou no final
Perdi o elã e perdi a moral
Meu caso não tem solução

Eu bebo demais pro meu tamanho
Arranjo brigas e sempre apanho
Isso me faz infeliz

Entro no boteco pra afogar a alma
As garrafas então batem palmas
Me embriago elas pedem
Entro no boteco pra afogar a alma
As garrafas então batem palmas
Me embriago elas pedem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>