Marisa Monte

A Alma E A Matéria

Procuro nas coisas vagas
Ciência!
Eu movo dezenas de músculos
Para sorrir…

Nos poros a contrair
Nas pétalas do jasmim
Com a brisa que vem roçar
Da outra margem do mar…

Procuro na paisagem
Cadência!
Os átomos coreografam
A grama do chão…

Na pele braile prá ler
Na superfície de mim
Milímetros de prazer
Quilômetros de paixão…

Vem pr'esse mundo
Deus quer nascer
Há algo invisível e encantado
Entre eu e você
E a alma aproveita prá ser
A matéria e viver…

Procuro nas coisas vagas
Ciência!
Eu movo dezenas de músculos
Para sorrir…

Nos poros a contrair
Nas pétalas do jasmim
Com a brisa que vem roçar
Da outra margem do mar…

Procuro na paisagem
Cadência!
Os átomos coreografam
A grama do chão…

Na pele braile prá ler
Na superfície de mim
Milímetros de prazer
Quilômetros de paixão…

Vem pr'esse mundo
Deus quer nascer
Há algo invisível e encantado
Entre eu e você…

Vem pr'esse mundo
Deus quer nascer
Que a alma aproveita prá ser
A matéria e viver
Que a alma aproveita prá ser
A matéria e viver
Que a alma aproveita prá
Viver!
Que a alma aproveita prá ser
A matéria e viver…

0 comentário sobre “A Alma E A Matéria

  • A música propõe a fusão do mundo etéreo com o físico e concreto. É uma homenagem(valorização) do concreto, humano, corpóreo, da razão. Mas que não nega o celeste, o puro.Deus quer nascer nesse mundo real – que ele também exista na pele, na grama – não só na atmosfera cósmica – na nuvem, brisa (impalpável). Que a alma (se eterna), goze enquanto vida a delícia de quebrar, tocar, pegar – como substância, corpo. Ela não nega o amor como invisível e encantado (parte do mundo etéreo). Apenas o convida a apresentar-se na matéria. Belíssima construção poética de Marisa Monte. Com termos científicos – átomos, quilômetros, músculos – encaixa-os sem parecer forçado no sorriso, prazer, paixão. Eu amo essa mulher!

    • Rose Gaiewski disse:

      Simplesmente adoro ler alguém inteligente e sensível escrevendo (bem) sobre música…O melhor de dois mundos, sem dúvida. Evoé, Pedro!

  • Eu sou o único que vi sentido sexual nessa letra?
    “Na pele braile pra ler, na superfície de mim.. Milimetros de prazer, quilometros de paixão”

  • Wesley,interessante seu apontamento. Também gosto do sentido sexual da letra… Porém quis analisar mais a fusão bonita que a letra propõe. Igual na frase que você comentou: enquanto pele, prazer e paixão são sexuais, os termos com eles combinados – braile, milímetros e quilômetros – pertencem ao âmbito do conhecimento e da física. Aborda sexo e ciência então, né? o que acha?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>