Luísa Sonza

Nunca foi sorte

Quem disse que futebol é coisa pra menino?
Quem disse que azul é a cor que ele tem que usar?
Um homem que é homem de verdade cria um filho
Mostrando pra ele o que a vida tem pra dar

Não quero cumplicidade, mas quero respeito
A porta do carro não precisa abrir pra mim
Porque se ele quer que o filho seja um bom sujeito
Joga o machismo fora, abre a mente e faz assim

Dança, rebola, requebra
Empina essa bunda, vai até o chão
Não liga pra o que eles falam
Não para, não para, não para
Ai, não para, não

Mexe, remexe, se joga embaixo
Em cima, pra lá e pra cá
Vai no passinho, vai no quadradinho
Pra frente, pra trás, onde o som te levar

Pede, se não ouvir, repete
Se não der, pondere
Quebre o gelo, ponha-se no seu lugar
Mostre que nunca foi sorte
Que além de forte
É talento, é dom, ninguém pode tirar

Pede, se não ouvir, repete
Se não der, pondere
Quebre o gelo, ponha-se no seu lugar
Mostre que nunca foi sorte
Que além de forte
É talento, é dom, ninguém pode tirar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>