Carreiras de cururu

Pra cantar o cururu
Tem que ser desta maneira
Cururu pra ser bonito
É um verso em cada carreira

Este é o primeiro verso na carreira de São João
Vou louvar a imagem santa de joelho pelo chão
Eu canto verso trovado sempre na imaginação
Tenho o verso na cabeça que nem terra no terrão

Este é o segundo verso na carreira do sagrado
O salto de Piracicaba é pedra pra todo o lado
Pra cima corre ligeiro, pra baixo mais sossegado
No meio faz um remanso onde os peixe tão parado

Vou cantar o terceiro verso, carreira Santa Terezinha
Se você pegá um peixe, como ele com farinha
Aqui vóis não pega nada, só pega lambarizinha
Eu quero ver nesta sala este peixe quem cozinha

Vou cantar o quarto verso, carreira Santa Catarina
Eu gosto de tora grossa, não gosto madeira fina
Quando a tora é muito grossa levo pra minha oficina
E da tora faço o caibro e divido em quatro quina

Tem quem canta o cururu, canta de qualquer maneira
Escute preste atenção a carreira da bandeira
Cantador que não é firme eu amarro na toceira
Eu jogo ele pra fora e depois fecho a porteira

Boiadeiro errante

Eu venho vindo de um querência distante
Sou um boiadeiro errante que nasceu naquela serra
O meu cavalo corre mais que o pensamento
Ele vem no passo lento porque ninguém me espera

Tocando a boiada, uê, uê, uê, boi
Eu vou cortando estrada
Uê boi
Tocando a boiada, uê, uê, uê, boi
Eu vou cortando estrada

Toque o berrante com capricho Zé Vicente
Mostre para essa gente o clarim das alterosas
Pegue no laço não se entregue companheiro
Chame o cachorro campeiro que esta rês e perigosa

Olhe na janela, uê, uê, uê, boi
Que linda donzela
Uê boi
Olhe na janela, uê, uê, uê, boi
Que linda donzela

Sou boiadeiro minha gente o que que há
Deixa o meu gado passar vou cumprir com a minha sina
Lá na baixada quero ouvir a seriema
Pra lembrar de uma pequena que eu deixei lá em Minas

Ela é culpada, uê, uê, uê, boi
Eu viver nas estradas
Uê boi
Ela é culpada, uê, uê, uê, boi
Eu viver nas estradas

O rio tá calmo e a boiada vai nadando
Veja aquele boi berrando Chico Bento corre lá
Lace o mestiço salve ele das piranhas
Tire o gado das campanhas pra viagem continuar

Com destino a Goiás, uê, uê, uê, boi
Deixei Minas Gerais
Uê boi
Com destino a Goiás, uê, uê, uê, boi
Deixei Minas Gerais