0 comentário sobre “Distantes Demais

  • Ao meu ver, esta canção se trata do modo em que amar pode ser uma experiência bastante solitária, o modo em que amar consiste amar consiste em imaginar, e que a imaginação de duas pessoas quase nunca se convergem: “Dois delirantes demais/Distantes demais”. Lenine pergunta se desse ato solitário se cria alguma igualdade, mas conclui que a distancia é tudo que o amor produz: Fomos ficando iguais / Longe / Distantes demais”.

    O que eu não consigo muito bem entender é a ideia da fotografia, e o que isso poderia significar. Me parece crucial mas não consigo interpretar de maneira satisfatória…

  • Pra mim, a “fotografia” representa tudo que é superficial, passageiro. Aquele momento incrível em que tudo parece certo, mas dura tão pouco. São “instantes, palavras” que não sobrevivem à realidade. O que traduz isso na minha opinião é o trecho “dois delirantes ficando reais”. Tudo bem enquanto cada um consegue fantasiar sobre o outro, mas e quando o delírio passa e eles finalmente se encontram no real? É quando se veem de verdade que ficam distantes demais. Triste, mas verídico.

  • Curuplook Comousem disse:

    Fotografia superficial só existe, ou inexistirá, se você colocou pouco fixador na bandeja… Hê…He…RRe…Rê…HHê…
    Brincadeiras consumadas, pareceu-me claro que a referência é em relação a memória, o que passou, ou ficou…
    Ou não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>