Gilberto Gil

A Raça Humana


A raça humana é
Uma semana
Do trabalho de deus
A raça humana é a ferida acesa
Uma beleza, uma podridão
O fogo eterno e a morte
A morte e a ressurreição
A raça humana é o cristal de lágrima
Da lavra da solidão
Da mina, cujo mapa
Traz na palma da mão
A raça humana risca, rabisca, pinta
A tinta, a lápis, carvão ou giz
O rosto da saudade
Que traz do gênesis
Dessa semana santa
Entre parênteses
Desse divino oásis
Da grande apoteose
Da perfeição divina
Na grande síntese
A raça humana é
Uma semana
Do trabalho de deus
A raça humana é
Uma semana

0 comentário sobre “A Raça Humana

  • Lívia da Silva Santos disse:

    Preciso de um texto falando da ciência, religião e filosofia da música “a raça humana” URGENTE, ME AJUDEM

  • RENATO ALEXANDRE BATISTA FERREIRA disse:

    Parece que partindo do mito sintese do criacionismo, mas na verdade tendo-o como ponto de chegada, Gil perpassa a compreensão da dicotomia nos caracteres da raça humana, pois negro branco amarelo vermelho são matizes da mesma pele que a todos os humanos cobre, a raça é humana. E embebido pela leitura de Piero Ubaldi e sua A grande síntese escancara o que somos e tudo é. Os primeiros “acordes” de Raça Humana são as batidas do coração de um bebê numa gravação de ultrassom, incipiente revelação do desejo de vida e todo caos do big bang que se partejará trazendo toda a história que cada humano carrega em si. Pra entender no silêncio do sentir, mais que conhecer o universo de GG, tem que ter olhosve ouvidos abertos as mais diversas fontes de acesso ao pensamento “universal”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>