Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores (caminhando)

Geraldo Vandré

Compositor(a) da letra: Geraldo Vandré

Álbum da letra: Geraldo Vandré

Ano de lançamento: 1979

1 comentários

Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição
De morrer pela pátria
E viver sem razão

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados
Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não

Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Um comentário para a letra “Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores (caminhando)

  1. Lumarfir disse:

    Essa canção passou a ser usada em passeatas, protestos e manifestações contra o regime militar, que se espalhavam pelo país no ano de 1968. A música era, então, usada como um instrumento de combate, que pretendia divulgar, de forma direta e concisa, mensagens ideológicas e de revolta. Os verbos no gerúndio “caminhando e cantando”, remetem diretamente para a imagem de uma passeata ou um protesto público, onde os cidadãos são “todos iguais”, mesmo não existindo relação entre si (“Braços dados ou não”). Referindo “Nas escolas, ruas, campos, construções”, Vandré pretendia demonstrar que pessoas de todos os extratos sociais e com diferentes ocupações e interesses estavam juntas e marchavam pela mesma causa. É evidente a necessidade de união que é convocada e a lembrança de que todos queriam a mesma coisa: liberdade. O refrão, repetido várias vezes ao longo da música, é um apelo à ação e à união. Geraldo fala diretamente com quem escuta a música, chamando para a luta: “Vem”. Com o uso da primeira pessoa do plural (em “vamos embora”), imprime um aspeto coletivo à ação, lembrando que seguirão juntos no combate. Ao afirmar que “esperar não é saber”, o autor sublinha que quem está consciente da realidade do país não pode aguardar de braços cruzados que as coisas mudem. A mudança e a revolução não serão entregues de bandeja para ninguém, é necessário agirem rapidamente (“Quem sabe faz a hora, não espera acontecer”). Na estrofe “Pelos campos há fome em grandes plantações”, é denunciada a miséria em que os agricultores e camponeses viviam e a exploração a que estavam sujeitos (“fome nas grandes plantações”). Existe também uma forte crítica aos pacifistas que pretendiam resolver a crise política com diplomacia e comum acordo, organizados em “indecisos cordões”. Os ideais de “paz e amor” promovidos pelo movimento da contracultura hippie, o “flower power”, são simbolizados pelas flores (o “mais forte refrão”). É sublinhada a sua insuficiência contra o “canhão” (a força e a violência da polícia militar) Embora as forças militares simbolizassem o inimigo, o poder ditatorial, a música não desumaniza os soldados. Pelo contrário, lembra que estavam “quase todos perdidos de armas na mão”, ou seja, usavam da violência, matavam, mas nem eles mesmos sabiam porquê. Apenas obedeciam ordens cegamente, por causa da lavagem cerebral que sofriam: a “antiga lição / de morrer pela pátria e viver sem razão”. Os soldados, levados por um espírito de falso patriotismo, tinham que dedicar suas vidas e muitas vezes morrer em função do sistema que protegiam e do qual eram também vítimas. Na última estrofe, é reforçada a mensagem de igualdade entre todos os cidadãos e a urgência de partirem juntos para a luta, porque só através do movimento organizado poderia chegar a revolução. A música lembrava que deviam avançar com os “amores na mente”, pensando nas pessoas que amavam e foram vítimas da repressão militar. Para serem vitoriosos, era necessário deixarem “as flores no chão”, ou seja, abandonarem as abordagens pacifistas. Estava nas suas mãos “a história”, a possibilidade de mudar a realidade do país e o futuro para todos os brasileiros . Deveriam continuar “caminhando e cantando” e “aprendendo e ensinando uma nova lição”, transmitindo o seu conhecimento, despertando outras pessoas para a militância.