Liberdade

Liberdade desfrutei
Conheci quando na minha mocidade
A ternura de um amor sem falsidade
E confiante sempre na felicidade
E eu cantava, sentia tudo que sonhei
Mas depois suspreendeu-me a solidão
Foi o fim da ilusão

E agora esta desilusão
Existe uma lição que vive em mim
Tudo que é feliz não tem direito a eternidade
Porque sempre chega a vez
De entrar em cena, a saudade
Às sombras desta recordação
Um gesto de perdão que eu não fiz
O remorso traz aquela triste melodia
Que me faz infeliz

Andei pra Curimá

Andei andei, andei andei andei
Andei andei, andei andei andei para curimá
Andei andei, andei
Andei andei
Ih minha nossa senhora
Me dá meu rosário que eu quero rezar
Implorando proteção pra todo santo me ajudar (andei andei)

Em cada canto uma esperança

Em cada canto uma esperança
Cada tristeza, um desejo
De ser feliz e ter na vida
Um carinho, um momento
Sem pensar em sofrimento

Vai, vai meu samba triste
Vai mostrar que ainda existe
O poder do amor
Hás de alegrar tanta gente aí
Que desconhece seu valor

Passam dia, mês e ano
vai aumentando o deserto
Ambição, inveja, engano
Coisas que se vê de perto
Gente que passa no mundo
E não deixa uma saudade
Nunca teve alegria
Nem um gesto de bondade

Eu me amarro no meu samba
E meu sentimento se agita
É a forma mais bonita
De empurrar os meus dias
O meu samba principia
Quando amo de verdade
E se vai sem fantasia
Na mais pura liberdade

Preá comeu

Eu queria ir lá no céu
Falar com Deus
Que a folha do meu feijão
Preá comeu
{bis}

Preá comeu, preá comeu
Preá comeu, preá comeu
{bis}

Meu dinheiro era pouco
Eu quis aproveitar
Fiz a minha plantação
Pensando colher de montão
Mas fiquei desesperado
Quando a praga apareceu
Comeu todo meu feijão
Que tanto trabalho me deu

Preá comeu, preá comeu…

Mediante o prejuízo
Fiz promessa e oração
Pedi à Nossa Senhora
Que me desse proteção
Mas a praga insistente
No roçado se escondeu
E a minha plantação
Menino, preá comeu

Preá comeu, preá comeu…

Tendência

Não, pra que lamentar
O que aconteceu
Era de esperar
Se eu lhe dei a mão
Foi por me enganar
Foi sem entender
Que amor não pode haver

Sem compreensão
A desunião
Tem de aparecer
E aí está
O que aconteceu
Você destruiu
O que era seu

Você entrou na minha vida
Usou e abusou fez o que quis
Agora se desespera
Dizendo que é infeliz
Não é surpresa pra mim
Você começou pelo fim
Não me comove o pranto de quem é ruim
E assim

Quem sabe essa mágoa passando
Você venha a se redimir
Dos erros que tanto insistiu
Por prazer, pra vingar-se de mim
Diz estar carente de amor
Então você tem que mudar
Se precisar pode me procurar

Os Cinco Bailes da História do Rio

Lara…
Carnaval
Doce ilusão
Dê-me um pouco de magia
De perfume e fantasia
E também de sedução
Quero sentir nas asas do infinito
Minha imaginação
Eu e meu amigo orfeu
Sedentos de orgia e desvario
Cantaremos em sonho
Cinco bailes na história do rio
Quando a cidade completava vinte anos de existência
Nosso povo dançou
Em seguida era promovida a capital
A corte festejou
Iluminado estava o salão

Na noite da coroação
Ali
No esplendor da alegria
A burguesia
Fez sua aclamação
Vibrando de emoção
Que luxo, a riqueza
Imperou com imponência
A beleza fez presença
Condecorando a independência
Ao erguer a minha taça
Com euforia
Brindei aquela linda valsa
Já no amanhecer do dia
A suntuosidade me acenava
E alegremente sorria
Algo acontecia
Era o fim da monarquia

Sereia Guiomar

A sereia Guiomar, mora em alto mar
A sereia Guiomar, mora em alto mar
Como é bonito meu Deus, o canto desta sereia
Como é bonito meu Deus, o canto desta sereia

O canto desta sereia, fascina
O canto desta sereia, fascina
O canto desta sereia meu Deus, domina
O canto desta sereia meu Deus, domina

Mas fala na beira do cais, Manoel pescador
Ouvindo um canto tão lindo, por ele se apaixonou
Seguiu correndo pro mar, quando em noite de lua
Envolvido no seu manto, o moço flutua

A sereia Guiomar, mora em alto mar
A sereia Guiomar, mora em alto mar
Como é bonito meu Deus, o canto desta sereia
Como é bonito meu Deus, o canto desta sereia

O canto desta sereia, fascina
O canto desta sereia, fascina
O canto desta sereia meu Deus, domina
O canto desta sereia meu Deus, domina

Quando o mistério do mar, causa grande emoção
Encantamento e beleza que fere o meu coração
Historia de pescador gela meu sangue nas veias
Quando ele conta a lenda da bela sereia

A sereia Guiomar, mora em alto mar
A sereia Guiomar, mora em alto mar
Como é bonito meu Deus, o canto desta sereia
Como é bonito meu Deus, o canto desta sereia

Samba minha raiz

O samba reinou
A noite inteira de uma tal maneira
QUE espantou a tristeza
PROVANDO que o samba de raça tem força e pureza
QUEM samba partido alto samba miudinho
O faz com amor e carinho
O corpo se libertando

GINGA na cadência que é vida !
APESAR de tão sofrida
FAZ o mal se afastar
AH ! como a gente oferece
TUDO que vive a sonhar
GINGA na cadência que é vida !
APESAR de tão sofrida
FAZ o mal se afastar
E toda gente feliz cantar

AI meu Deus…
COMO agradeço por nascer
O samba é minha raiz,
MINHA herança meu viver
ME consola a beleza
QUE ninguém deseja achar
ME guia na minha incerteza
NÃO me deixa tropeçar

O samba…

LALALAIÁ LALAIÁ LAIA … LALALAIÁ LALAIÁ LAIÁ
LAIÁ LAIÁ LAIÁ … LAIÁ LAIÁ LAIÁ
LA LAIÁ LAIÁ … LAIA

Festa animada

No Sítio do Pica-pau
Na Festa de Narizinho

O baile foi incrementado
Com muitos doces e salgadinhos

E a famosa canjiquinha
Fiz de presente pra minha sobrinha

Em meio a festa animada
Serviu cocadinha para a criançada

Quem foi gostou
Provou,comeu

E dos quitutes,jamais esqueceu

Axé de Ianga (pai maior)

Oi, Ianga, o que tipoi Ianga
didianga me
Ianga, Ianga que tipoi Ianga
didianga me

Eu carrego na minha munganga eh
didianga me
a felicidade deu, aos filhos seus
ninguém mais lamenta e chora Ianga
didianga me
Ianga, Ianga que tipoi Ianga
didianga me

Vovô veio de Angola
com seu mano Tio José
trouxe cravos, trouxe rosas
pra salvar filhos de fé
e rezou a ladainha
pra Jesus de Nazaré
Ianga, Ianga que tipoi Ianga
didianga me

Eu dei pulos de alegria
chorei de emoção
quando a Vovó Maria
me levando pela mão
disse filha Pai Ianga
é a nossa proteção
Ianga, Ianga que tipoi Ianga
didianga me

Tia Teresa nos contava
a história do vovô
que tirava irmão do tronco
escondido do senhor
pra curar seus ferimentos
com o banho de abô
Ianga, Ianga que tipoi Ianga
didianga me

Samba de roda pra Salvador (não chora meu bem)

Não chora, meu bem
Não chora, meu bem
Não chora, meu bem
Que dias melhores já vem
Não chora, não, meu bem
Não chora, não, meu bem
Não chora, não, meu bem
Que dias melhores já vem

Foi assim que meu amor
Conseguiu me convencer
Ir pro Rio de Janeiro
Deixei o meu Salvador
Eu parti, parti chorando
Sufocando a minha dor
Parti, parti chorando
Sufocando a minha dor

Não chora, meu bem
Não chora, meu bem
Não chora, meu bem
Que dias melhores já vem
Não chora, não, meu bem
Não chora, não, meu bem
Não chora, não, meu bem
Que dias melhores já vem

Eu agora sou feliz
Encontrei a minha paz
Agradeço à Senhora
E peço ao senhor do Bonfim
Pra que minha felicidade
Permaneça sem ter fim
Pra que minha felicidade
Permaneça sem ter fim

Não chora, meu bem
Não chora, meu bem
Não chora, meu bem
Que dias melhores já vem
Não chora, não, meu bem
Não chora, não, meu bem
Não chora, não, meu bem
Que dias melhores já vem

Não chora nenem

Não chora neném, meu bem
Não chora neném, meu bem
Eu falei pra você
Que um homem
Não chora neném
Meu bem não chora
Neném, meu bem

Meu passado foi sofrido
O presente melhorou
Do futuro só Deus sabe
Eu sempre curti a mocidade
Porque o tempo me ensinou
Do que é bom correr atrás
Reconquistei a minha paz
Agora não choro mais

Sorriso negro

Um sorriso negro, um abraço negro
Traz….felicidade
Negro sem emprego, fica sem sossego
Negro é a raiz da liberdade

..Negro é uma cor de respeito
Negro é inspiração
Negro é silêncio, é luto
negro é…a solidão

Negro que já foi escravo
Negro é a voz da verdade
Negro é destino é amor
Negro também é saudade.. (um sorriso negro !)

Mas quem disse que eu te esqueço

Tristeza rolou dos meus olhos
Do jeito que eu não queria
E manchou meu coração
Que tamanha covardia

Afivelaram meu peito
Pra eu deixar de te amar
Acinzentaram minh’alma
Mas não cegaram o olhar

Afivelaram meu peito
Pra eu deixar de te amar
Acinzentaram minh’alma
Mas não cegaram o olhar

Saudade, amor, que saudade!
Que me vira pelo avesso
E revira meu avesso

Puseram uma faca no meu peito
Mas quem disse que eu te esqueço
Mas quem disse que eu mereço

Saudade, amor, que saudade!
Que me vira pelo avesso
E revira meu avesso

Puseram uma faca no meu peito
Mas quem disse que eu te esqueço
Mas quem disse que eu mereço

Alguém me avisou

Eu vim de lá, eu vim de lá pequenininho
Mas eu vim de lá pequenininho
Alguém me avisou
Pra pisar nesse chão devagarinho
Alguém me avisou
Pra pisar nesse chão devagarinho

Sempre fui obediente
Mas não pude resistir
Foi numa roda de samba
Que eu juntei-me aos bambas
Pra me distrair
Quando eu voltar à Bahia
Terei muito que contar
Ó padrinho não se zangue
Que eu nasci no samba
Não posso parar

Foram me chamar
Eu estou aqui, o que é que há

Sonho meu

Sonho meu, sonho meu
Vai buscar quem mora longe, sonho meu
Sonho meu, sonho meu
Vai buscar quem mora longe, sonho meu

Vai mostrar esta saudade, sonho meu
Com a sua liberdade, sonho meu
No meu céu a estrela guia se perdeu
E a madrugada fria só me traz melancolia
Sonho meu

Sinto o canto da noite na boca do vento
Fazer a dança das flores no meu pensamento
Traz a pureza de um samba
Sentido, marcado de mágoas de amor
Um samba que mexe o corpo da gente
E o vento vadio embalando a flor

Traz a pureza de um samba
Sentido, marcado de mágoas de amor
Um samba que mexe o corpo da gente
E o vento vadio embalando a flor
Sonho meu

A cigana

Você diz que está chorando
Por amor, por amor
Oia lá! Toma cuidado
Pra cigana não te castigar
O amor é igual à flor
Que é delicada demais
Um forte vento qualquer
A flor logo se desfaz
Você precisa zelar
Se entregar com tal carinho
Fazer do teu coração
O aconchego melhor do que o ninho
Você que faz o amor
Uma feliz brincadeira
Que não sentiu o amargor
Do amor pela vida inteira
Oia lá! Que a cigana
Quando olha pra tua mão
Vai mostrar todos os enganos
Que abita no teu coração

Agradeço a Deus

A você eu jurei, não amar mais ninguém
Porque o meu coração já cansou de sofrer
E é triste é cruel a dor de uma paixão
Cansei de ser escravo da desilusão
Já não tenho prantos para derramar
Da vida ruim que levei não quero lembrar
Hoje sou feliz me reencontrei, vivo com
Alegria pois da nostalgia ja me separei

Hoje sou feliz me reencontrei, vivo com
Alegria pois da nostalgia já me separei

Sinto que cheguei a realidade quando expulsei a
Saudade
Que no meu peito eu retinha em vão
E depois como prova de coragem
Eu impus a minha vontade
Pondo desprezo no meu coração

E agora estou vivendo sozinho
Sem ter amor e carinho
Longe de qualquer paixão

E agradeço a Deus
Já posso sorrir
Comigo não há mais tristeza
Só tenho alegria no meu coração