Uma brasileira

Djavan, Os Paralamas do Sucesso

Compositor(a) da letra: Carlinhos Brown e Herbert Vianna

Álbum da letra: Vamo batê lata

Ano de lançamento: 1995

Rodas em sol, trovas em dó
Uma brasileira, ô
Uma forma inteira, ô
You, you, you

Nada demais
Nada através
Uma légua e meia, ô
Uma brasa incendeia, ô
You, you, you

Deixa o sal no mar
Deixe tocar aquela canção
One more time

Tatibitate
Trate-me, trate
Como um candeeiro, ô
Somos do interior do milho

E esse ão de são
Hei de cantar naquela canção
One more time

Nada demais
Nada através
Uma légua e meia, ô
Uma brasa incendeia, ô
You, you, you

E esse ão de são
Hei de cantar naquela canção
One more time…

0 comentário sobre “Uma brasileira

  • Roberto Melanez disse:

    A letra dessa música, a exemplo do que ocorre em Açaí do Djavan, não possui um sentido textual. Sua construção foi baseada na sonoridade das palavras. em um aentrevista, o herbert afirmou que ia anotando e transformando em palavras o cantarolar do Carlinhos Brown.

    3
    1
  • Thiago dos Reis disse:

    (Rodas em sol, trovas em dó /Uma brasileira, ô / Uma forma inteira, ô /You, you, you)
    No primeiro verso ele quer dizer que ela é como música pra ele, citando notas musicais, trovas e rodas de dança. Também faz-se uma alusão ao interior e às cantigas. Logo em seguida ele cita que ela é apenas uma brasileira e logo depois afirma que ela é completa pra ele, uma forma inteira. E então ele diz quem ela é: you, you you (três vezes porque ela é as três coisas).

    (Nada demais /Nada através / Uma légua e meia, ô / Uma brasa incendeia, ô / You, you, you)
    Depois de afirmar que ela é completa, ele diz que ela não é nada demais, e não tem nada além do que as outras têm. Porém mesmo distante (uma légua e meia) é ela quem o faz incendiar. Novamente é feita a alusão ao interior -talvez sertão.

    Deixa o sal no mar/ deixe tocar aquela canção / one more time
    Nessa estrofe o eu-lírico pede para que ela deixe cada coisa em seu lugar, daí a metáfora o sal no mar. E depois faz outra metáfora referindo-se ao relacionamento dele com a pretendente como uma canção. Ele pede mais uma chance, mesmo estando longe.

    (Tatibitate / Trate-me, trate / Como um candeeiro, ô / Somos do interior do milho)
    Tatibitate é a forma como se fala com recém nascidos, e tatibitate é um tatibitate do verso seguinte (trate-me trate). Aí Herbert Vianna utilizou um jogo de palavras. Ele pede com carinho para que ela o veja novamente como a luz da vida dela e termina insinuando que os dois são pobres, pois a espiga é a parte rejeitada do milho.

    (E esse ão de são / Hei de cantar naquela canção / One more time)
    O ão de são é o fim da história, e no verso seguinte ele faz o aviso de que o relacionamento deles continuará mais uma vez.

    24
    1
    • Ton Araújo disse:

      Acho q essa canção é uma crítica ao público do rock in rio,não quiseram falar pra não se queimar,o fato é que o Herbert ficou muito incomodado com o q o público estava fazendo com os artistas brasileiros,ele chegou até a critica-los publicamente no show,logo após ele gravou canção da Paula toller q foi vaiada e o brown recebeu garrafada.Na canção ele traz referência do festival”rodas em sol”em alusão a roda gigante…”Uma brasileira”q o festival era de origem brasileira…”Deixa o sal no mar(referência aos turistas)”…”somos do interior (mostrando q o brasileiro é genuinamente caipira)”…”Deixa tocar aquela canção”, daí ele começa a inserir palavras inglesas em referência a line up do festival ser majoritariamente internacional,onde apesar do festival ser brasileiro,os artistas de fora eram mais privilegiado.

      2
      1
      • Andreia disse:

        O que fizeram com Carlinhos Brown foi horrível, pois ele é simplesmente um dos maiores músicos desse país, isso só revela o quanto somos pobres em relação a cultura genuinamente brasileira.

  • Sérgio Soeiro disse:

    Thiago,
    Com todo respeito à sua análise, me permita discordar da mesma. Essa letra nem é do Herbert. É do Carlinhos Brown. Na verdade não há o que interpretar nessa música. Trata-se de uma brincadeira dos músicos e não quer dizer absolutamente nada. Bom, a não ser que seja feito um imenso estudo psicológico “em busca das razões que levaram os músicos a bla, bla, bla”…
    Enfim, os Paralamas fizeram uma melodia bem animadinha, aí o Carlinhos saiu colocando frases soltas, sem nenhuma ligação entre sí, mas que “coubessem” no andamento musical. Gostaram do resultado e gravaram. Simples assim.
    Abraço.

    4
    2
  • essa musica como disse o colega ai em cima foi uma lombra do brown, hebert corria atras anotando o que ele cantava, não tem sentido. cara que tentou faze a anilse viajou mais do que brown.

    3
    2
  • Quando um compositor escreve uma canção dificilmente ele joga palavras ao vento sem um sentido especial.
    É impossível fazer uma canção tão bela e repleta de coesão sem que o compositor se preocupe em dar sentido a letra, por mais que tenha sido uma brincadeira.
    Concordo com o Thiago em sua análise muito bem elaborada sobre a música.

  • José Roberto de Sá disse:

    A interpretação, ou melhor a análise é ótima, assim como é a letra da música. A questão da espiga está corretíssimo.

  • Hugo Vinicius Ramos Simões disse:

    Belíssima música, porém nunca entendi o quis dizer, à análise do carinha aí acima foi muito boa, conseguiu dar um verdadeiro sentido a música que me parecia sem sentido, só não sei se realmente era isso que os Paralamas quiseram dizer.

  • Quando algum compositor coloca sua musica em um cd ela tem a propriedade de se moldar a todas as interpretações.
    Portanto, eu achei a colocação da análise do Thiago perfeita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>