Dead Fish

A Cura

Dois mil anos mais,
apenas por termos fechado os olhos algumas vezes,
até quando culpar?
Sublimar o que é ruim, apontar o dedo assim, acreditar na redenção.
Se o pior está aí não posso estarem seu lugar,
certo demais! puro demais!
Vidas fogem ao controle com as armas os beijos,
carregados de seus pecados, frágeis,intensos.
Se deleguei o meu poder,
controlado controlar, toda dor será prazer.
E todo orgulho esconderá que me mato em você.
A razão da vida é.
E toda dor e todo prazer e todo sexo e poder
e nos discursos feitos pelo bem.
Onde errei!?
Quantas vezes vamos desistir?
Quantas vezes omitir?
Culpar por culpa,
curar sem cura.
E se em dois mil anos eu me curar?
….
E você….
já não estiver mais aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>